Herculano estuda os cinco livros da codificação de Kardec

selo_encart_wwwEis aqui um documento importante para o estudioso do Espiritismo, datado de 24 de agosto de 1974. J. Herculano Pires – cujo centenário de nascimento está sendo comemorado a partir de 25 de setembro de 2013 – em palestra para espíritas faz uma abordagem dos principais livros escritos por Allan Kardec com o objetivo de destacar a importância do seu estudo e das correlações dos diversos temas que os livros abordam. Vazada numa linguagem coloquial, familiar, onde a intenção do diálogo se sobressai como verdadeiro convite à conversa ao pé do ouvido, Herculano mostra sua particular preocupação em olhar para a codificação em seu conjunto como forma de poder integrar-se nela e descer às suas reais profundezas.

Todo o texto resulta de um trabalho longo e paciente de decupação de fitas magnéticas onde a palestra foi gravada, mantendo a coloquialidade da conversa, fator esse que permite acompanhar o professor em sua “aula” e com sua forma peculiar de se relacionar com a plateia de modo próximo, espontâneo, em que busca trazer para perto de si aqueles que se encontram na condição de alunos.

O texto está sendo apresentado abaixo na forma como foi decupado. Fiz pequenos ajustes, apenas, como a introdução de subtítulos e a correção de alguns senões gramaticais, naturais em situações como a que o professor se encontra. A introdução de subtítulos visa tornar o texto um pouco mais explícito, por facilitar a divisão dos assuntos abordados.

Vale ressaltar que Herculano estuda os livros com os olhos voltados à particularidade de cada um e ao conjunto do qual fazem parte, ocasião em que realiza o enquadramento deles como obra relacionada à filosofia, à ciência ou à religião. É assim que deixa clara a sua natureza mas, também, as razões pelas quais entende o Espiritismo como doutrina fundamentalmente preocupada com o Espírito e voltada ao seu conhecimento.

O tom familiar da palestra não impede que Herculano apresente uma riqueza de informações impressionante, decorrente de sua constante atualização em relação ao conhecimento que se produzia à sua época mas, também – e disso devemos estar certos – resultante daquela bagagem que é inerente a todos os seres humanos multiexistenciais e que, nele, Herculano, surgia como que à flor da pele sempre que seu espírito se punha a comparar o novo com o velho, as tendências com a realidade, a parte e o todo.

Vejamos, portanto, a palestra de J. Herculano Pires.

O TOM, A PROPOSTA

Vamos então prosseguir na nossa conversa sobre a Doutrina, nós estávamos no campo do estudo doutrinário, né? Vocês se lembram que nós falamos sobre a necessidade de realmente estudar a doutrina a partir dos volumes iniciais de Kardec, passando depois pela a Codificação.

Le_Livre_des_Esprits_2A Codificação, como naturalmente todos se lembram, se constitui daqueles cinco volumes que apresentamos aqui. Primeiro O Livro dos Espíritos. O Livro dos Espíritos é a obra fundamental da Doutrina, portanto é um livro que nenhum espírita pode deixar de ler. Quer dizer, toda pessoa que realmente se interessar pela doutrina tem de ler este livro, tem de estudá-lo. Ele é um livro de estudo. Um dos companheiros de Chico Xavier lá em Uberaba certa vez perguntou a Emmanuel através do Chico: Emmanuel, eu já li O Livro dos Espíritos quinze vezes, o que que você me aconselha agora? O Emmanuel disse: Leia mais quinze.

Parece brincadeira mais é verdade. Por que? Porque O Livro dos Espíritos é um livro de síntese da doutrina. Então quem lê assim de fio a pavio, como se diz, lê mais ou menos no sentido de quem tá lendo uma leitura corrente sem muita preocupação. E com isto o livro engana, sem querer enganar. Por que? Porque é um livro escrito com muita simplicidade. Kardec era um professor, era um pedagogo, era um didata, era um homem que procurava ensinar da maneira mais clara possível. Ele mesmo diz nos seus livros que ele pretendia escrever as obras de maneira que não deixasse motivos para interpretações várias. Quer dizer, uma coisa que fosse dita, que estivesse clara, devidamente clara, para um não dizer não, ele disse isso, outro diz não, ele disse tal coisa. Então, o esforço dele nesse sentido foi um esforço de clareza. Ao contrário das pessoas que escrevem livros assim referentes a doutrina, a doutrinas várias, procurando apresentar várias complicações da doutrina, Kardec fazia o contrário, ele procurava reduzir as complicações e deixar o texto bem claro, bem preciso, para que não houvesse dúvidas, não houvesse controvérsias inúteis, para que tudo se tornasse enfim bem inteligível, a pessoa leu e compreendeu.

LIVRO INADEQUADO PARA LEITURA DINÂMICA

Entretanto, quando se faz isso também se corre um outro perigo, que é o da pessoa passar muito por cima do assunto sem prestar atenção. E o nosso hábito de leitura, principalmente aqui no Brasil, é um hábito de leitura muito descuidado, nós corremos os olhos e lemos rapidamente, quanto mais rápido melhor. Agora ainda apareceu ai essa leitura que se chama dinâmica, que é um negócio né? Muita gente pensa que com aquilo pode ler uma obra como O Livro dos Espíritos, e lê e não entende nada, é lógico, fica na mesma, né? Por que? Porque a leitura dinâmica é muito boa como informação para, como por exemplo num escritório comercial, na atividade de um industrial, de um homem que está lidando com muitos problemas, poder ao mesmo tempo se inteirar de vários aspectos da correspondência que chega. Isso é muito bom, porque abrevia o tempo e ele logo, os assuntos não são tão complexos, são objetivos ele vê logo com rapidez do que se trata. Mas para uma leitura de um livro como O Livro dos Espíritos não serve.

O Livro dos Espíritos tem certa semelhança, até parece que eu disse isto aqui mas convém repetir, tem certa semelhança nesse aspecto com o Discurso do Método de Descartes. Descartes foi mesmo um precursor do Espiritismo, como já tivemos ocasião de dizer aqui.  Para começar, para se lembrar de que ele foi um precursor, basta lembrar o seguinte, ele se dizia, ele se achava, se considerava inspirado pelo Espírito da Verdade. E de fato quando nós lemos a obra de Descartes nós vemos que ele encaminhava o seu pensamento na direção dos problemas espíritas. E Descartes então escreveu o Discurso do Método com muita simplicidade. Quem lê, pega o Discurso do Método pra ler do começo ao fim, diz: é um livro fácil. Não é; é um livro muito complexo. Basta dizer que Etienne Girson, que é um filósofo francês, escreveu [aqui, Herculano parece pegar um exemplar de um livro qualquer e comparar]: o Discurso do Método é menor do que isto, é um livrinho de poucas páginas, mais ou menos assim. Etienne Girson escreveu um livro desta grossura, quase mil páginas, impresso em tipo miúdo numa edição francesa, para explicar o Discurso do Método, para explicar, para tornar compreensível o Discurso do Método. Então, a gente vê quanta coisa Descartes abordou de maneira simples, sintética no seu Discurso do Método. É preciso a pessoa penetrar naquilo, ler com atenção, porque senão muitos dos princípios estabelecidos por ele passam desapercebidos.

N’O Livro dos Espíritos é a mesma coisa, a mesmíssima coisa, nós começamos a ler o livro com muita simplicidade e vamos lendo correntemente e as coisas vão passando sem a gente perceber. As vezes uma frase tem um sentido mais profundo do que aquilo que aparece à primeira vista, nós temos de penetrar no sentido da frase, e além disto precisamos estabelecer ligações entre os vários assuntos. São numerosos assuntos tratados num capítulo. Por exemplo, é preciso ligar esses assuntos entre si para a gente chegar a uma compreensão global. Eu não posso, por exemplo, destacar um texto d’O Livro dos Espíritos, como faz muita gente, principalmente os que combatem o Espiritismo usam muito essa técnica. Destacam uma frase de Kardec ou um pequeno texto, interpreta aquilo isoladamente do contexto geral, e então levantam problemas que não existem, problemas que são inteiramente estranhos à obra. A necessidade, portanto, é de uma leitura de conjunto, uma leitura atenciosa para a gente poder compreender o conjunto do que Kardec está dizendo. E também ver mais fundo do que aquilo que nos aparece de primeira vista, porque há problemas ali bastante sérios.

Por exemplo, há pessoas que dizem assim. N’O Livro dos Espíritos Kardec não disse nada, não estabeleceu nada sobre o processo da evolução geral, essa evolução que vem desde o mineral até o homem, e que vai além do homem no plano espiritual. Então, esse princípio não é do Espiritismo, dizem várias pessoas. No entanto, se pegar na pergunta 540 d’O Livro dos Espíritos lá está bem claro que a evolução vai desde o átomo até o arcanjo que também já foi átomo. Quer dizer, nada mais claro do que isto, é preciso, o processo da evolução está bem figurado nessa expressão rápida de Kardec. Noutros lugares Kardec diz constantemente, Kardec e os Espíritos que ditaram várias partes do livro, tudo se encadeia no universo, quer dizer, não há solução de continuidade, não há interrupção nas ligações do universo. O universo é um organismo, este organismo é constituído portanto de várias partes, mas todas elas entrosadas, todas elas encadeadas. É por isto que nós vemos a evolução partir do reino mineral, passar para o reino vegetal, para o reino animal, para o reino hominal e depois para o espiritual. É continua a evolução, é uma corrente.

Assim nós vemos também em todos os demais aspectos do universo. A evolução funciona desta mesma maneira, tudo no universo está interligado. Nós temos a Terra em que vivemos, a Terra pertence a um sistema solar, entretanto este sistema solar pertence a uma constelação, a uma galáxia que é um universo, como dizem os astrônomos, um universo ilhado, separado no espaço, cercado por grandes espaços desertos, vazios, mas lá pra frente nós encontramos outra galáxia, lá para frente outra e assim por diante. Então todo os astros, todas as constelações, todas as galáxias, todos os universos se entrosam num grande sistema que é o Cosmo, o Cosmo abrange tudo. É esta a visão de conjunto que o Espiritismo nos dá quando nós estudamos esses problemas.

Então é necessário quando ler O Livro dos Espíritos, ler com atenção e vendo sempre o problema do conjunto. Kardec diz também continuamente o seguinte: os homens em geral veem as coisas apenas por um ângulo da natureza. Olhando por um ângulo da natureza só se tira a conclusão daquilo que se viu, não se tira conclusão do conjunto. O Espiritismo procura nos fazer ver o conjunto da natureza, o conjunto geral para nós termos uma ideia mais aproximada da realidade, da verdade. Ora, O Livro dos Espíritos como nós dissemos foi dividido por Kardec, dividido não, foi projetado por Kardec em outras obras, né?

O ASPECTO FILOSÓFICO

Então, a primeira obra que aparece depois da inauguração d’O Livro dos Espíritos é O Livro dos Médiuns. Por que? Porque se n’O Livro dos Espíritos nós temos uma síntese geral da doutrina, justamente por isto nós temos ali o aspecto filosófico da doutrina. Por que? O ramo do conhecimento que nos oferece uma visão global das coisas não é a ciência, é a Filosofia. A ciência é sempre específica, a Biologia, a Química, a Física, todas as ciências tratam cada uma de um aspecto da natureza. Portanto, não tratam da natureza em geral, cada uma delas se dedica a um aspecto. A Filosofia não é assim, a Filosofia é uma concepção geral do universo, então ela é o conhecimento geral. No desenvolvimento das ciências, fragmentando-se cada vez mais, inclusive se subdividindo nas técnicas, neste desenvolvimento o saber humano como que se fragmenta, se espedaça, se espalha. Então, o elemento de unidade desse saber é a Filosofia. Por isso que recentemente com o grande desenvolvimento das ciências, apareceu aquilo que chamamos de Filosofia das Ciências. Porque a filosofia das ciências tem a finalidade de reunir todas as conquistas das ciências e apresentá-las numa visão filosófica geral.

Então por isto O Livro dos Espíritos é um tratado filosófico. Muita gente contesta isto. Não faz muito tempo o Professor Humberto Rhoden, que na verdade foi uma grande figura do clero católico no Brasil, hoje ele é conhecido como professor mas ele era um sacerdote católico de grande projeção no clero brasileiro, e que até foi nos Estados Unidos onde lecionou em várias faculdades norte americanas como professor de filosofia, este homem deu uma entrevista à imprensa e disse assim: “Não vejo filosofia espírita em parte alguma, aquilo que está n’O Livro dos Espíritos não tem relação nenhuma com  filosofia”. Ora, isto na boca de um professor de filosofia que se projetou até no mundo é um absurdo de de estarrecer. Por que? Porque a Filosofia não se caracteriza por elementos formais, por forma. Ela tem processos, processo de pesquisa, processo de cogitação, de perquirição mental, tem os seus métodos, mas ela não se define por uma forma definida, caracterizada, precisa, por uma sistemática rígida, nem pode se caracterizar, porque a sua finalidade é a expansão do pensamento no sentido de abranger o todo. Então ele negou que O Livro dos Espíritas tivesse qualquer coisa de filosófico. Ora, começa que O Livro dos Espíritos coloca os problemas filosóficos fundamentais. O problema da vida, o problema do ser que é o problema fundamental da filosofia, o problema das relações do homem com Deus que é filosófico embora seja também religioso, o problema da existência do universo, a cosmogonia ou seja o problema da criação do mundo, do universo. Todos os problemas enfim que se relacionam com o homem e a sua vida dentro da terra em relação com o universo, todos esses problemas estão colocados lá. Os aspectos sociológicos que O Livro dos Espíritos trata, de que ele trata, são aspectos também relacionados profundamente com os problemas filosóficos. Então negar que O Livro dos Espíritos seja um verdadeiro tratado filosófico, é querer mostrar uma coisa pelo avesso, querer desfazer uma verdade que está patente.

Mas como parece que as coisas são assim, quando acontece um estouro, um absurdo, logo em seguida vem uma emenda que a gente não espera. Logo que o professor Humberto Rhoden disse isso numa entrevista à imprensa, a editora da livraria francesa, a Difusão Europeia do Livro, traduziu aqui no Brasil e publicou um livrinho de Yvonne Castelan. Yvonne Castelan é uma escritora francesa, uma professora. O livrinho se chama O Espiritismo. E logo no início do livrinho o que diz a Yvonne Castelan. “O Livro dos Espíritos é um perfeito tratado de filosofia.” Então ela examina as várias partes do livro, né, para chegar a cloncusão de que O Livro dos Espíritos é realmente um tratado de filosofia que apresenta a Filosofia Espírita. Quer dizer, a resposta foi dada ao acusador por uma tradução que veio de fora, lá da França, trazendo a resposta.

O LIVRO DA CIÊNCIA ESPÍRITA

210px-Le_Livre_des_MédiumsSendo assim O Livro dos Espíritos numa visão de conjunto da doutrina, ele precisava ser desenvolvido em outros livros. Então logo a seguir aO Livro dos Espíritos vem O Livro dos Médiuns. O Livro dos Médiuns é praticamente o livro da ciência espírita, o livro da ciência. Por que? Porque ali Kardec trata cientificamente da investigação dos fenômenos, da metodologia a seguir para a pesquisa espírita, e ao mesmo tempo oferece as teorias explicativas dos fatos, dos fatos mediúnicos de todas as formas, tanto os da simples comunicação quanto os da materialização, o da aparição, da materialização, da movimentação de objetos e assim por diante. Então O Livro dos Médiuns é a parte científica do Espiritismo colocado também no sentido de fundamento dessa parte. Quando se lê bem O Livro dos Médiuns chega-se a uma conclusão muito interessante que Kardec já deixou n’O Livro dos Espíritos, mas que só lá é que vai se completar. O que é a Ciência Espírita? Muita gente pergunta, o que é a Ciência Espírita? Muita gente pensa que a ciência espírita seja uma espécie de parapsicologia, uma espécie de metapsíquica. Não é nada disso. A Ciência Espírita, diz Kardec, é a ciência do espírito. Porque existem as ciências da matéria, são várias, numerosas as ciências da matéria. Mas não existe uma ciência do espírito. No tempo de Kardec, principalmente, quando a Psicologia devia ser a ciência do espírito ela já estava se desviando do campo propriamente anímico, do campo da alma que ela devia estudar, para entrar no campo experimental, tratando da psicologia no sentido de simples relação do indivíduo com o meio. Tratando do comportamento humano, que é o que faz até hoje. Então a própria psicologia já saía do campo do espírito, em que ela havia nascido, porque nós falamos que psicologia quer dizer estudo da alma, pesquisa da alma, né. Saía desse campo para entrar no campo também da investigação material, das relações do homem, do sujeito, do indivíduo com o meio em que ele vive, com o seu comportamento social, essas coisas todas que no final não correspondem a uma pesquisa do espírito, o espírito ficou esquecido. E realmente a psicologia experimental reduziu a psicologia apenas aos fenômenos materiais do homem. O problema da sensação, das emoções, das reações do homem aos estímulos que vem de fora para ele, né. Tudo isto reduziu a este campo. Então sendo a psicologia também uma ciência que se voltou para a matéria o espírito ficou abandonado. O espírito ficou na mão das religiões.

Então só havia como autoridade para falar sobre o espírito, haviam os grandes sacerdotes, os representantes das grandes religiões que eram os incumbidos disto, só eles podiam falar disto, tratar disto, porque os outros não entendiam nada e nem queriam entender. Os cientistas achavam que este problema de alma, de espírito, de sobrevivência após a morte era um problema que devia competir apenas às religiões, eles não queriam saber disto. Então Kardec diz, não mas o problema não é este não. A existência do espírito e a sua sobrevivência estão integrados na própria natureza. Se as ciências tem por finalidade estudar a natureza e revelar-nos a verdade sobre os processos naturais, se ela busca conhecer a realidade ela tem que cuidar do espírito também. Mas como não havia ciência pra cuidar disso, ele disse o Espiritismo funda a ciência do espírito. E fundou mesmo. A ciência do espírito. Então, esta ciência do espírito parte da manifestação do espírito, só tem que partir disto, nós não podemos estudar o espírito no plano puramente abstrato. Não podemos nos afastar da realidade em que nós vivemos para mergulhar no infinito e estudar o espírito lá. Então, a ciência do espírito tem de se apoiar nas manifestações do espírito. Estas manifestações do espírito são dadas, como sabemos, através de toda a fenomenologia mediúnica, através das manifestações mediúnicas. Então nós temos esse campo como o campo de pesquisa da ciência espírita. Mas diz Kardec, o objeto da ciência espírita é o espírito, não é portanto os fenômenos em si, é o espírito.

Para termos uma ideia do que seja a ciência espírita podemos ver, não só n’O Livro dos Médiuns como também no livro O Céu e o Inferno de Allan Kardec, na última parte do livro, as pesquisas feitas por ele com relação ao estado, a situação dos espíritos depois da morte. Quer dizer, ele então investigava os espíritos através da mediunidade, mas tendo como objetivo principal saber o que era o espírito, como o espírito sobrevivia ao corpo, como ele permanecia e vivia no mundo espiritual, o que ele faz no mundo espiritual, qual é o seu destino, tudo enfim que se relaciona com o espírito. Quer dizer, os fenômenos são apenas a porta de entrada da ciência espírita, apenas o elemento que facilita a pesquisa.

Eu estou dizendo isto porque é bom a gente conhecer bem este assunto para não fazer confusões. Por exemplo, muita gente diz assim. A parapsicologia está suplantando o Espiritismo. Não é verdade, a parapsicologia até agora só confirmou o espiritismo. O Padre Quevedo por exemplo diz. A parapsicologia matou o espiritismo, não existe mais nada. Mentira do padre, ele não devia mentir mas mente. Mentira porque ele sabe que não é assim. Ele sabe, ele tem estudado o assunto e ele sabe que não é. Quer dizer, a parapsicologia só tem confirmado o espiritismo. Até hoje, nenhuma pesquisa da parapsicologia, da parapsicologia moderna, nenhuma pesquisa dela derrubou um único princípio espírita, nenhum. Não é extraordinário isto? Desde 1930 quando começou a pesquisa parapsicológica nos Estados Unidos, até hoje não houve nada na parapsicologia que derrubasse um só princípio do espiritismo. Pelo contrário, todos os princípios foram confirmados.

Os que querem combater o espiritismo alegam então: não, mas tal cientista diz que pode explicar isto da seguinte e seguinte maneira. Bom, o cientista disse baseado numa teoria, numa hipótese que ele formulou. Mas o que nos interessa não são as hipóteses, são os resultados da pesquisa. E essas hipóteses que são citadas contra o espiritismo forma todas derrubadas pela pesquisa, a pesquisa não as comprovou. Então são hipóteses que não tinham valor, hipóteses apenas como instrumento de trabalho, apresentadas como uma orientação para pesquisa para ver se conseguia confirmar naquele campo, naquele ponto. Por exemplo, um indivíduo diz assim: não é espírito que se manifesta, é o próprio espírito do indivíduo, do médium que está falando. Então esta é uma hipótese, é uma hipótese que foi colocada, vamos estudar, vamos pesquisar. A pesquisa feita provou o contrário. Quer dizer, se provou o contrário a hipótese caiu, não existe mais. Eles então alegam baseando-se nessas hipóteses que não existem, foram derrubadas pela pesquisa. Mas a pesquisa até agora só fez confirmar.

Então a ciência do espírito não se preocupa especialmente com os fenômenos. Ela se preocupa principalmente com a verificação da situação dos espíritos, da sua condição de vida, da maneira porque eles se encarnam e desencarnam, tudo isto é problema da ciência espírita. Atualmente como nós sabemos as próprias ciências físicas estão entrando neste terreno. Mas por que estão entrando? Porque são obrigadas a entrar. Ao investigar a matéria por exemplo, os cientistas chegaram a que conclusão? Que a matéria era densa, compacta, impenetrável, que a matéria por isso mesmo tinha a sua consistência própria e que ela não podia se relacionar com nada daquilo que se atribuía a ideias abstratas, a pensamentos abstratos. Pois bem, a investigação da física levou a descoberta de que a matéria nada mais é do que, segundo a expressão de Einstein, uma condensação de energias. Energias que se condensam e produzem algo que parece para nós opaco, concreto e ao mesmo tempo impenetrável. No entanto é apenas uma condensação de energia. Quer dizer, se nós víssemos através de um aparelho especial, eletrônico, a constituição de uma tábua por exemplo, ou de uma pedra, nós veríamos que há dentro dela grandes espaços vazios que nós não percebemos. Na constituição da matéria ela não é opaca, não é compacta como aparece para nós, a aparência é uma coisa a realidade interna é outra. A teoria atômica veio mostrar que existe mais espaços vazios dentro da matéria do que espaços concretos. Quer dizer, os átomos constituindo verdadeiras constelações com grandes espaços vazios entre as partículas atômicas e o núcleo né, os átomos estão mostrando o vazio que existe dentro da matéria que para nós parece absolutamente densa. Então nesta investigação da ciência, a ciência teve de penetrar num campo diferente, teve de ir além da matéria, porque ela por assim dizer desfez a matéria ou a matéria se desfez na mão dos cientistas, né. E a conclusão foi a descoberta da antimatéria, quer dizer, além da matéria apareceu uma outra coisa que é a antimatéria. E esta antimatéria para nós que estamos sempre falando no outro mundo que eles negam, essa outra matéria se apresentou para eles como sendo o outro mundo. Sim, o outro mundo. Porque todos os elementos químicos que existem aqui no nosso mundo, existem na antimatéria, só que constituídos de uma constituição diferente da nossa, diferente apenas na posição e na situação dos átomos e das partículas atômicas. Por exemplo, os físicos soviéticos conseguiram obter em laboratório a elaboração de um anti-átomo de hélio, anti-átomo de hélio. Existe o átomo de hélio no nosso mundo, no mundo da matéria. Um anti-átomo de hélio no mundo da antimatéria. Este anti-átomo tem todas as partículas que tem o átomo de hélio, só que a posição, as cargas das partículas são inteiramente diferentes, são ao inverso das partículas da matéria. Quer dizer, então a antimatéria parece então como o avesso da matéria, segundo algumas expressões. Aparece como o avesso da matéria, mas ao mesmo tempo indispensável à existência da matéria.

Então existem dois mundo interpenetrados, é essa a teoria espírita, dois mundos interpenetrados, é o mundo espiritual e o mundo material. Mas a antimatéria não é o espírito. Então o que seria a antimatéria?  Para nós a antimatéria é o fluído universal, é o fluído universal de que se constitui o mundo espiritual mais próximo da terra, aquele que nós sabemos habitados por espíritos ainda revestidos de perispírito pesado, de corpo espiritual pesado, muitas vezes tão densos que quase se aproximam da materialidade. Então a pesquisa da própria ciência material acabou confirmando também um princípio espírita que a parapsicologia não podia confirmar porque não era do campo de pesquisas dela, foi confirmado pela Física. Atualmente como sabemos o avanço das pesquisas nesse terreno chegou a descoberta do perispírito, do corpo espiritual do homem né, que os cientistas soviéticos chamaram de corpo bioplástico ou bioplasmático. Então esse corpo também está confirmado pelas ciências, e pelas ciências físicas. Temos mais uma confirmação que seria muito difícil se obter na parapsicologia, mas que se obteve na Física e na Biologia, porque biólogos e físicos estão empenhados no estudo disso.

O problema da morte por exemplo, também as comprovações científicas no campo dessa pesquisa dos físicos e biólogos é absoluta, quer dizer, eles verificam no momento em que o moribundo está morrendo eles conseguem verificar através das chamadas câmaras Kirliam de fotografia da antimatéria, eles conseguem ver e fotografar a saída dos elementos vitais do corpo humano constituindo depois um corpo que é o corpo que eles chamam de bioplasmático que é o perispírito. Este corpo se retira completamente do corpo material e só quando ele se retira o corpo vira cadáver, antes disso ele não vira. Quer dizer, então nós vemos que as comprovações foram decisivas neste terreno.

Mas a ciência espírita ela trata como já dissemos não desses aspectos que pertencem a área de ciências né, a área de ciências que dividem os dois campos. Aqui nós temos por exemplo as ciências da matéria, aqui nós temos as ciências do espírito e aqui no meio nós temos a área das ciências intermediárias, que são metapsíquica, a área psicologia, ciência psíquica inglesa, e assim por diante, as várias ciências que estudam os fenômenos mediúnicos. Se temos aqui a matéria e aqui o espírito, temos aqui a mediunidade. Quer dizer, esta área das ciências que é ocupada pela Parapsicologia hoje, e pela Metapsíquica que ainda também subsiste, continua a se desenvolver. Então, esta área das ciências é a área que trata da mediunidade e não do espírito, mas esta área que é do Espiritismo é a Ciência do Espírito. Olha, então nós já vemos que a doutrina tem aspectos que a gente precisa compreender, prestando bem atenção no estudo porque se não nós podemos fazer confusões, né. Por exemplo, lá na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas um companheiro de Kardec propôs a ele certa vez. Vamos trabalhos de materialização aqui. Kardec disse acho que não, mas vou consultar o espírito guia. Consultou o espírito guia do trabalho e o espírito disse não. Materializações, efeitos físicos, essa coisa toda é para os cientistas, eles vão verificar isto, você trata do espírito, da pesquisa do espírito.

Então as pesquisas de Kardec a gente pode ver, principalmente no final do livro O Céu e o Inferno, e ver de maneira completa na Revista Espírita, a Revista Espírita em seus doze volumes da Revista Espírita, ali a gente vai encontrando as várias investigações feitas por Kardec, tudo publicado integralmente ali, com as manifestações dos espíritos, as respostas dadas a Kardec sobre as suas perguntas, mostrando como o espírito se sente no mundo espiritual, como inclusive o espirito de pessoas vivas, que foi uma pesquisa muito importante de Kardec, espírito de pessoas vivas durante o sono, quando estão dormindo se retiram e passam a viver no espaço. Então como esse espírito se sente no espaço, o espírito da pessoa viva, quais são as sensações que ele tem, tudo isto foi pesquisado intensivamente por Kardec, durante doze anos de pesquisas. Então aí nós temos a Ciência Espírita realmente e O Livro dos Médiuns é o livro fundamental dessa ciência.

A RELIGIÃO E O ESPIRITISMO

Evangile_selon_le_spiritismeO Evangelho Segundo o Espiritismo, que nós todos conhecemos bastante. Conhecemos… Quer dizer, bastante, he, he…, no sentido de ouvir falar nele, ouvir algumas leituras, ler um pouco, mas não de penetrar mesmo no miolo do Evangelho. Penetrando lá nós vamos ver que há também uma profundidade ali que nós não conhecemos ainda. O Evangelho Segundo o Espiritismo é aquilo que serve de base, é o livro básico da Religião Espírita. Mas isso não quer dizer que a Ciência Espírita possa se firmar só n’O Livro dos Médiuns. É Livro dos Médiuns e Livro dos Espíritos. A Religião Espírita: Evangelho Segundo o Espiritismo e Livro dos Espíritos. O Livro dos Espíritos é sempre a base de tudo, de todos os aspectos da doutrina.

Então no Evangelho nós encontramos a colocação dos problemas religiosos de maneira mais ampla e de maneira mais livre. O problema da religião é muito sério, muito complexo, pelo seguinte. Porque a religião que nasceu naturalmente com o homem primitivo, nasceu nas selvas. Nós sabemos que não há um só povo no mundo em todas as épocas da humanidade, de acordo com todas as pesquisas feitas, não há um só povo no mundo que fosse ateu, nunca houve. Até lá nas cavernas do homem primitivo existe os sinais de culto, de religião que eles praticavam. Todos os homens desde que apareceram na terra trouxeram com eles o sentimento religioso. Esse sentimento religioso gerou as religiões. Mas as religiões seguiram sempre um caminho formalístico muito perigoso, que era necessário, naturalmente. Quer dizer, tudo isto é um pouco difícil as vezes da gente compreender. Quando a gente acusa muito os organizadores de religiões de haverem organizado verdadeiras estruturas mundanas, comerciais, políticas, sociais da religião, quando acusamos isto nós esquecemos de que também as condições da época em que as religiões se formavam exigiam isto. As condições de próprio conhecimento do homem, o homem não tinha o conhecimento que ele tem hoje, então eles tinham que se entregar a certos sistemas que era a única maneira dele organizar a sua religião. Mas as religiões foram organizadas assim e por isso mesmo se tornaram fortes, poderosas. Porque elas aglutinaram muitos interesses humanos, interesses imediatos, interesses terrenos, e terminaram subjugando os interesses espirituais aos interesses terrenos. Vem daí o problema religioso no mundo.

Ora, Kardec se recusou até o fim da sua vida a chamar o Espiritismo de religião. Ele só concordou em fazer uma palestra na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, três ou quatro meses antes da morte dele para explicar porque ele não tinha chamado o Espiritismo de religião. E ele explicou. As religiões são estruturas formais, dogmáticas, portanto profundamente sistematizadas, que submetem as consciências ao seu domínio. O Espiritismo não é e não pode ser isto. O Espiritismo é um movimento livre, um movimento que não pode absolutamente estabelecer-se num sistema igrejeiro. Então eu não queria chamar o Espiritismo de religião para não pensarem que nós estávamos fundando uma nova religião. Mas sou obrigado a dizer que existe a Religião Espírita que é a consequência natural da Filosofia Espírita. Por que? Porque se a ciência, a investigação do espírito cientificamente provou que o espírito existe, que o espírito é a nossa próprio personalidade, que nós somos espírito, que o nosso corpo é secundário, o importante é o nosso espírito. Se isto foi provado e se se provou que a gente morre e o espírito continua a viver, e que o espírito é imortal, o espírito não morre, e que o espírito está ligado a um processo de evolução que o leva naturalmente a Deus, porque ele já traz em si o sentimento de Deus. É aquilo que Descartes dizia, volto eu a Descartes né? É aquilo que Descartes dizia, a ideia de Deus está no homem como a marca do obreiro na sua obra. Isso é que faz uma obra colimar sua marca. Assim Deus fez o homem e pôs a marca dele, a ideia de Deus no homem. A ideia de Deus é inata no homem, tão bem inata que em todos os tempos todos os povos do mundo tiveram sempre esse sentimento da existência de Deus.

O ateísmo e o materialismo são flores de estufa das grandes civilizações. Quando a civilização se desenvolve, atinge um apogeu, o homem se empolga com as conquistas da civilização, ele vê que muitas coisas das religiões estavam erradas, que a ciência tem que explicar de novo, então ele quer seguir esse caminho novo. E ele se convence de que ele já está com a verdade. O homem é muito orgulhoso, nós todos somos, muito vaidosos, muito orgulhosos. Por que que nós somos orgulhosos? Porque nós somos as únicas criaturas na terra que dispõe de pensamento reflexivo, de pensamento criador. Todas as demais criaturas, todos os animas, todos os seres da terra não tem essa capacidade. Então nós ficamos muito orgulhosos da nossa capacidade de pensar, de analisar, de verificar as coisas, de aprofundar no conhecimento das coisas e nos enchemos de vaidade e acabamos achando que nós somos os tais, né. E por isso mesmo então os grandes cientistas e os grandes sábios terminavam sempre caindo num campo de materialismo, de não aceitar nada das religiões. Eles tiveram mesmo de negar as religiões e lutar com as religiões, porque as religiões não queriam o avanço da ciência. As religiões se opuseram ao avanço das ciências. A ciência para avançar precisou lutar contra as religiões. Então tudo isto incentivou o desenvolvimento também do ateísmo e do materialismo.

Mas na verdade este ateísmo e esse materialismo sempre está restrito a uma elite, a grande massa da população não cai neste estado. Por que? Porque essa grande massa não está embriagada, por assim dizer, pelos elementos da cultura em desenvolvimento. Ela está ainda apegada aos seus sentimentos próprios, profundos sentimentos que traz consigo, os sentimentos religiosos. Os sentimentos do homem são religiosos naturalmente. Então a ciência [ele fala religião por acidente] fica restrita sempre a uma elite cultural e mesmo nesta elite como sabemos nem todos são antirreligiosos, nem todos são ateus ou materialistas. Mesmo entre os cientistas, eu falei de Einstein por exemplo, Einstein era um homem que dizia que quando ele começava a pensar em Deus, e ele queria fazer uma equação matemática que representasse Deus na matemática, ele caía na cama com febre alta, porque ele não conseguia alcançar. Quer dizer, então ele era um homem que reverenciava Deus, conhecia os seus limites e sabia que Deus realmente é alguma coisa que nós não podemos alcançar com os nossos métodos científicos comuns.

Mas aí então saindo do Evangelho Segundo o Espiritismo com a religião espírita. É preciso lembrar também o seguinte, antes disso. Lembrar que a Religião Espírita nasce precisamente então desse aspecto. A ciência descobre e prova a existência do espírito. Provando a existência do espírito nós temos uma modificação na concepção do mundo, porque a demonstração que a ciência espírita dá da existência do espírito e da sua natureza, não concorda com aquilo que as religiões dizem a respeito. Então a Filosofia Espírita nasce com uma concepção diferente, uma concepção que nem está ligada às religiões nem à ciência. É uma concepção que nós podemos considerar como intermediária, como esta aqui. Uma concepção intermediária, de um lado está a ciência e de outro lada a religião nesse novo esquema. De um lado está a ciência e de outro lado a religião, aqui no meio está o Espiritismo. O Espiritismo que… muito da religião. Então nós temos aqui aquilo que se chama de processo dialético, dialético significa o diálogo, quer dizer quando duas pessoas discutem, estão dialogando, elas chegam sempre a uma conclusão, ou brigam né, ou brigam. Se elas não brigarem, se elas tiveram capacidade para realmente trocar ideias e chegar a uma conclusão, elas chegam sempre a uma conclusão que reúne as duas posição, os dois pensamentos. Eu penso uma coisa, ele pensa outra, nós discutimos, discutimos, discutimos e chegamos a um ponto comum, em que então apresentamos uma terceira solução. Essa terceira solução é a síntese, né. Então aqui nós temos a ciência de um lado, a religião do outro há um diálogo, um debate entre elas, a ciência diz uma coisa e a religião contradiz. Mas desse diálogo, que é o processo dialético, sai então a síntese que é o Espiritismo. Então o Espiritismo se apresenta no nosso mundo como uma síntese do desenvolvimento cultural do nosso tempo. É uma síntese de desenvolvimento cultural que vem do Renascimento até o mundo moderno e até o mundo contemporâneo. Então esta síntese é alguma coisa de novo no mundo, alguma coisa que representa um avanço no conhecimento humano. E justamente por isso a importância do Espiritismo no mundo atual.

Mas o Espiritismo chegando a esta concepção de síntese que ele nos apresenta, ele nos leva naturalmente da filosofia para a religião. Por que? Porque toda religião, toda religião que é uma visão geral do universo no sentido espiritual e material, não apenas material, toda religião vai, exige de nós uma série de normas de conduta, de comportamento para o homem na sua vida, naquilo que ele esteja de acordo com seus princípios. E a religião nasce precisamente deste momento em que a filosofia se transforma numa moral que vai determinar normas de conduta para o homem de acordo com a sua visão filosófica, e como esta moral se refere também a vida do espírito, se transforma numa religião. Então a Religião Espírita se apresenta como aquilo que Jesus falou a mulher samaritana, é a religião em espírito e verdade. E lembremos o seguinte. Quando Jesus falou isto a mulher samaritana ele acrescentou, ele falou dos verdadeiros adoradores de Deus. Então ele disse o seguinte: “tempo chegará em que os verdadeiros adoradores de Deus não irão mais adorá-lo no Monte Garadin”, que era o monte que tinha o templo dos samaritanos que eram dissidentes dos judeus, sem contatos com os judeus, né, uma dissidência. “Não irão mais ao Monte Garadin nem no Templo de Jerusalém, porque eles adorarão a Deus em Espírito e Verdade”. Quer dizer, não mais através do culto exterior, não mais através do culto realizado numa igreja com imagens, com todo o aparato de um culto, mas adorando em espírito e verdade. Por isso ele recomendava as pessoas a orarem no seu quarto, em silêncio, afastados de todos, sem demonstrações exteriores, porque não precisava aquela exteriorização dos cultos. Então a religião espírita se define como uma religião viva, religião em espírito e verdade segundo esta colocação evangélica do problema da religião.

Mas além do Evangelho Segundo o Espiritismo como nós falamos, vamos encontrar o livro O Céu e o Inferno. E este livro O Céu e o Inferno é um verdadeiro julgamento que Kardec faz das religiões, e particularmente das religiões cristãs. Por que? Porque ele analisa e estuda muito bem o problema de como surgiu o dogma do inferno, e ele faz uma comparação muito importante entre o inferno dos pagãos… [e o inferno das religiões].

(Em breve, publicaremos o complemento da palestra – aguarde. Para ser informado, deixe um comentário com o seu email. CASO DESEJE “OUVIR” O PROFESSOR hERCULANO PIRES “AO VIVO”, VÁ AO ENDEREÇO: http://www.fundacaoherculanopires.org.br/)

 

10 ideias sobre “Herculano estuda os cinco livros da codificação de Kardec

  1. Parabéns ao estudioso e blogueiro Wilson Garcia pela feliz iniciativa de postar este importante documento do Prof. J. Herculano Pires.

  2. Iniciativa realmente muitíssimo interessante e oportuna, já que estamos no meio das comemorações do Centenário de Nascimento deste que foi o maior escritor espírita do Século XX, e o incomparável defensor dos postulados espíritas com Kardec.
    A propósito da referência ao tom coloquial do texto e ao pedido para adicionar parte do áudio, é oportuno mencionar aqui os áudios do programa radiofônico No Limiar do Amanhã. Trata-se de programa levado ao ar semanalmente através da Rádio Mulher de São Paulo, de 1971 à 1974, e sob a Direção do Professor J. Herculano Pires. Um momento semanal de muita instrução espiritual que certamente penetrou nos lares e nos corações de milhões de brasileiros, oportunidade em que o saudoso “Apóstolo de Kardec”, nesse mesmo tom coloquial e de Amor verdadeiramente fraternal, respondeu à milhares de perguntas que eram dirigidas ao progroma via correio, bem como ao vivo em auditório da rádio uma vez por mês.
    A coleção inteira desses programas representa um vasto material de instrução doutrinário que o Professor J. Herculano Pires, humilde e dedicadamente, nos legou. De fato, a simplicidade e o tom coloquial com que ele aborda uma vasta gama de questões profundas sobre a doutrina, sem a empáfia muito em voga em nossos dias nas palestras espíritas, nos possibilita ter uma visão melhor da essência e da grandiosidade da proposta da Doutrina dos Espíritos, bem como entender com mais clareza o verdadeiro papel que ela representa na transformação do nosso Planeta, neste momento crucial em que vivemos e pelos séculos afora.
    Todo este material e muito mais, neste e em outros formatos, encontra-se disponível no Acervo do site da Fundação Maria Virgínia e J. Herculano Pires [link no final do texto] à disposição dos espíritas que queiram penetrar mais fundo no conhecimento da obra grandiosa de Kardec.

  3. comprimento a todos com muita alegria. O admirável professor José Herculano Pires, nos faz sentir seguro em nossos estudos sobre a Doutrina Espírita. Comprimento também, a admirável, professora Eloisa Pires, sua filha, que com muito carinho, consegue trazer seu querido pai Herculano Pires, bem próximo de nós todos, através de seus apontamentos e importantes esclarecimentos.

  4. Herculano continua sendo o melhor metro que mediu Kardec. Colocá-lo, de maneira coloquial, a nossa disposição é uma benção.
    Aguardo as atualizações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *