Categoria: Imprensa

Boberg enfrenta o dilema do Cristo de Emmanuel e o de Paulo de Tarso

Em tempos surpreendentes de novos documentos e rearrumação da história do espiritismo, o livro O Cristo de Paulo de Tarso é mais uma oportunidade de resolver os conflitos do conhecimento – ou de aprofundá-los.

Quando o escritor José Lázaro Boberg me enviou os originais de seu livro em preparo para publicação, fez uma solicitação que, depois de devidamente me assenhorar do conteúdo, atendi: algumas breves linhas sobre o O Cristo de Paulo de Tarso. Ficou evidenciado, para mim, que a obra estava destinada a ser mais um dos estudos a colocar em discussão de modo claro tudo o que até então se sabe sobre a figura daquele que é considerado um dos alicerces mais fortes do cristianismo, também muito respeitado em todo o meio espírita brasileiro. O livro Paulo e Estêvão, de Emmanuel/Chico Xavier é um dos romances mais vendidos de toda a literatura espírita. Escrevi, então:

“Eis um livro para se ler com calma, mas, também, com espírito desprovido de conceitos fixos. As surpresas começaram pelo autor, que ficou balançado em suas crenças ante os fatos que brotaram das pesquisas. E tendem a alcançar os leitores cuja visão do conhecido apóstolo de Tarso se formou sobre as bases tradicionais do cristianismo pós Concílio de Nicéia. Assim, também, os espíritas que conhecem, admiram e exaltam o Paulo que desponta do romance de Emmanuel pelo Chico Xavier: Paulo e Estevão. Quais reações este livro vai causar? (mais…)

CPDoc promove encontros para resgatar memória de período histórico do espiritismo laico

Muitas informações que circulam no movimento espírita brasileiro a respeito do livre-pensamento e dos grupos espíritas que a ele se vinculam foram distorcidas ou se mostram incompletas, devendo-se a isso vários dos preconceitos presentes no contexto histórico atual.

O necessário resgate da história, que hoje se faz com grande intensidade no espiritismo, resultou em um projeto que está sendo posto em prática pelo Centro de Pesquisa e Documentação Espírita (CPDoc), com o objetivo principal de estruturar a memória com base nos fatos e na visão daqueles que participaram ativamente dos acontecimentos, em especial nos anos 1970 a 1990, período em que a CEPA retomou sua presença no Brasil, o Grupo de Santos se formalizou e o CPDoc foi criado.

A consciência imprecisa dos acontecimentos importantes da época se tornou um campo fértil para a disseminação de fatos, que hoje se conhece como Fake News, do que resultaram e em grande quantidade permanecem no cenário da atualidade diversos preconceitos em relação aos grupos e indivíduos que comandaram ou participaram ativamente daqueles eventos.

Pode-se afirmar com segurança que a maioria absoluta dos espíritas, incluindo-se aí expressivas lideranças do movimento, (mais…)

O paralelo da SPEE e o centro espírita*

Por que é inapropriado afirmar que a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas (SPEE) foi o primeiro centro espírita da história?

Passagem Sant´Anne, antigo endereço da SPEE.

Estamos há mais de 160 anos da data de fundação da SPEE, que se deu em abril de 1858, por decisão de Allan Kardec e alguns amigos. O codificador havia publicado, um ano antes, o Livro dos espíritos, o qual seria sucedido, em 1861, pela publicação de O livro dos médiuns. O livro dos espíritos resultou dos esforços pessoais de Allan Kardec na reunião e análise das comunicações dos espíritos que obteve diretamente com médiuns ou recebeu de diversas fontes e localidades. As reedições dali para frente de O livro dos espíritos, bem como a publicação da próxima obra, O livro dos médiuns, e as demais teriam na SPEE uma espécie de laboratório onde as análises, reflexões, diálogos por médiuns com os espíritos e aprofundamento se dariam, com muitos benefícios para as obras.

De uns tempos a essa parte, em vista da importância que a SPEE adquiriu e de como ela contribuiu como modelo para a fundação de outras congêneres na França e além dela, passou-se a fazer uma comparação simbólica entre a SPEE e aqueles que vieram a ser conhecidos, (mais…)

O desafio das dúvidas e o caminho que leva ao plano das certezas

Algumas provas servem para firmar convicções definitivas; outras para crenças provisórias. Só as provas irretorquíveis se prestam à construção dos argumentos capazes de convencer pelos fatos.

É certo que a questão das alterações efetuadas no livro A gênese alcançou um estágio bastante avançado, desde que foi levantada em 1884 na União Espírita Francesa por alguns dos seus então membros, como Gabriel Delanne, Henri Sausse e Berthe Fropo. A descoberta quase ocasional de que a 5ª edição de A gênese recebera modificações que não foram comprovadas como tendo sido feitas por Kardec provocou uma onda de protestos dirigidas especialmente a Leymarie por ser quem estava à frente do legado de Kardec e fora então responsável pela publicação daquela edição 12 anos antes, em 1872. 

Este fato, porém, ficou esquecido até ser retomado nos tempos atuais em que uma outra onda, agora de estudo e pesquisa documental, eclodiu e permeia positivamente o movimento espírita brasileiro. Discute-se hoje de tudo e com proveito para o este movimento, desde temas que dizem respeito aos direitos humanos à participação dos espíritas na sociedade, naquilo que Herculano Pires definia como a “usina das relações” e sua importância na evolução dos indivíduos e das coletividades. (mais…)

Nestes tempos de pandemia, uma ótima notícia é a fala de Charles Kempf sobre o espiritismo na França (e no Brasil)

O espírita francês que residiu no Brasil, onde conheceu a doutrina, deixou patente que o espiritismo de feição religiosa dominante por aqui tem poucas chances de despertar interesse nos países europeus.

Kempf fez uma apreciação histórica da doutrina desde os tempos de Kardec.

Com uma palestra-entrevista na noite de ontem, 29 de setembro de 2020, o espírita francês Charles Kempf falou sobre diversos aspectos históricos e atuais da doutrina espírita, demonstrou sua apreciação pela tese da autonomia contra a heteronomia do movimento religioso espírita no Brasil, autonomia que melhor representa o pensamento de Allan Kardec para o espiritismo, segundo Kempf.

Charles Kempf que, depois de retornar à França e viver por cinco anos no Brasil, tornou-se um ativo integrante do movimento espírita, fez uma apreciação histórica da doutrina desde os tempos de Kardec, dando destaque entre outras coisas para as divisões que se acentuaram com a morte física do codificador e os desvios promovidos que resultaram na descaracterização de fundamentos básicos. (mais…)

Cartas de Kardec, pelo NUPES, coloca a público os mais esperados documentos do acervo Canuto de Abreu

Mais de 2 mil visualizações comprovam que o evento era de fato ansiosamente aguardado. Agora, todos poderão ver, estudar e analisar documentos originais do fundador do espiritismo.

 

Uma parceria entre o CDOR, Centro de Documentação e Obras Raras da Fundação Espírita André Luís (CEAL) e a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) coloca a público o acervo importante cuidado e conservado por Canuto de Abreu, que contém documentos e cartas de Allan Kardec e do próprio Canuto.

Trata-se de um evento, ocorrido hoje, 1º de setembro de 2020, que deve ser visto pelos meios espíritas e acadêmicos como dos mais destacados das últimas décadas, não só pelo tempo de espera, mas também pela sua repercussão e influência nos estudos do nascimento, desenvolvimento e expansão da doutrina originada pelo empenho de Allan Kardec. (mais…)

Que mudança de fato muda?

Espalha-se, como se fosse um vírus da moralidade, a versão de que a sociedade mundial não será mais a mesma após a pandemia devastadora instalada. As fraturas do existencialismo estão expostas.

O #fiqueemcasa simboliza de modo indicativo o panorama social dos dias presentes e faz com que as pessoas se vejam diante de algo inusitado: o modus solidão em que se agitam e a convivência familiar em tempo integral, os dois polos de uma mesma situação, cujo pano de fundo é impedir que o covid-19 exploda numericamente e leve de arrasto o precário sistema hospitalar.

Uma das condições deste novo estado de coisas, à parte todas as questões médico-sanitárias previstas e previsíveis, é que a população se vê diante de um estado de coisas tal que, queira ou não, impõe reflexões que desencadearão mudanças. Daí o dizer que a sociedade não será mais (mais…)

Centro de Pesquisa e Documentação Espírita (CPDoc) tem nova diretoria

Em eleições realizadas no dia 14 de março, o CPDoc, um dos mais antigos e tradicionais centros de estudos do Espiritismo no Estado de São Paulo, elegeu os novos componentes de sua diretoria e conselho fiscal para o biênio 2020-2022.

Wilson Garcia
Luciana Nunes
Magda Zago

Com mais de 30 anos de existência o Centro de Pesquisa e Documentação Espírita – CPDOC iniciou suas atividades em 1988, fruto do sonho de jovens espíritas interessados na inserção da crítica coletiva como prática estimuladora ao aperfeiçoamento dos trabalhos produzidos pelos integrantes do grupo.

Com reuniões trimestrais e funcionando de forma descentralizada, o CPDoc não possui sede fixa, mas seus membros associados possuem intenso fluxo de comunicação e discussão de temas, propostas e trabalhos relacionados ao Espiritismo e os diversos campos do conhecimento.

Os trabalhos são submetidos de forma espontânea pelos interessados e sua apreciação é feita no formato de banca. Os associados e convidados inscritos, também espontaneamente (sem número limitado), debatem com o autor e apresentam seus pareceres e sugestões em relação à forma e conteúdo oferecido, deixando a cargo do autor o acolhimento ou não das contribuições oferecidas.

A diretoria eleita para o próximo biênio tem na presidência Wilson Garcia (São Paulo) e secretária e tesoureira, respectivamente, Luciana B. da Cruz Nunes (Santos) e Magda Selvera Zago (São Paulo). O conselho fiscal (reeleito) está constituído por Alcione Moreira (São Paulo), Saulo Albach (Curitiba) e Jailson Lima de Mendonça (Santos).

Maiores informações sobre o CPDoc estão disponíveis pelo endereço: https://www.cpdocespirita.com.br.

Nova casa precisa e merece seu apoio

“QUERO IMPACTAR” – NOVA CASA

O Lar Paulo de Tarso, uma instituição idônea da cidade do Recife, Pernambuco, sob a direção competente do casal espírita Gezsler e Glauce, apoiado por uma equipe de colaboradores, continua inserido com o seu Projeto Nova Casa no site “Quero Impactar” da Prefeitura do Recife. Agora estamos em uma nova fase, que pretendemos concluir ou reduzir a parcela que foi financiada por 15 anos na recente aquisição de uma casa.

Depois de anos realizando o trabalho junto às crianças em situação de risco, em projeto integrado com o Juizado de menores, tendo por local uma casa simples alugada, o Lar Paulo de Tarso conseguiu, finalmente, realizar o sonho da casa própria e adquirir um imóvel no mesmo bairro onde já se localizava. A aquisição, entretanto, foi feita com parte considerável do valor financiado em parcelas mensais. Sua campanha, agora, visa minimizar ou mesmo extinguir o financiamento para tornar mais adequada a sustentação da meritória obra. Todos são convocados a dar sua ajuda através de uma forma segura, espontânea e livre, sem valor fixo ou determinado senão aquele que o doador escolher. (mais…)

Os disfarces de uma postura frente à questão política*

Ser de esquerda, de direita, de centro ou de qualquer outro ponto do espectro político é diferente do agir político que todo ser humano naturalmente se impõe, independente de quaisquer crenças ou ponto de vista espiritual.

As tecnologias da comunicação avançam, mas as questões éticas e morais permanecem como elementos indispensáveis ao bom jornalismo.

O debate in movimento espírita sobre política utiliza desvios e disfarces, mas não esconde opções e idiossincrasias. Na revista eletrônica O Consolador, edição de 22 de dezembro/2019, Jorge Hessen discute seu ponto de vista no artigo “O espírita diante do debate político e ideológico – “esquerdista” ou “conservador”?” Não vai bem o autor, por misturar coisas distintas e fazer interpretações capciosas. Antes, por dever, impõe-se distinguir duas coisas quando se trata de Doutrina Espírita: desde Kardec, tem-se por obrigação separar o Espiritismo da Política enquanto setor importante da Sociedade e, por extensão, jamais pretender criar no meio espírita qualquer forma de junção com a política partidária, não fazendo sentido, portanto, um velho anseio de alguns espíritas do passado pela criação de um partido político espírita.

O único partido que interessa à doutrina espírita se denomina Espiritualidade e, como se vê, este partido não é político. Contudo, o agir político não é estranho ao tema Espiritualidade e a toda a sua abrangência, porquanto, é o Ser Humano, que é ao mesmo tempo um ser político, o ator implicado com a Espiritualidade, que estabelece formas e define ações fundamentalmente políticas nas suas relações sociais.

Isto posto, resta esclarecer: qualquer espírita é livre para optar por seguir os caminhos da Política, tanto como o é por decidir adotar e integrar-se nos estatutos de um partido político que lhe seja afim. Em o fazendo, utilizar-se-á do direito à autonomia que possui e nem por isso deverá ser classificado como mal indivíduo, ou por qualquer que seja o adjetivo (mais…)