Categoria: Imagens

Livro com pesquisas na França sobre adulterações na obra ´O céu e o inferno` é lançado virtualmente.

Em evento ao vivo pelas redes sociais e TV Mundo Maior, os autores Paulo Henrique de Figueiredo e Lucas Sampaio anunciam alterações feitas na penúltima obra de Allan Kardec sem que este as tenha feito.

Livro revela a trajetória das pesquisas.
Paulo expôs mudanças de conteúdo que contradizem filosofia.
Lucas fez pesquisas em Paris e reuniu documentação.

Foi realizado na noite de ontem, 29 de outubro de 2020, o lançamento oficial e as primeiras revelações do conteúdo do livro Nem céu nem inferno – as leis da alma segundo o espiritismo, assinado em coautoria por Lucas Sampaio e Paulo Henrique de Figueiredo, com o selo FEAL. O evento teve transmissão ao vivo pela TV Mundo Maior (clique para assistir na íntegra), da Fundação Espírita André Luiz, e pelas redes sociais Facebook e YouTube, sendo acompanhada interativamente por cerca de cinco centenas de pessoas. Pré venda ultrapassa mil exemplares. (mais…)

´A gênese` e, agora, o livro ´O céu e o inferno` vistos por dois prismas opostos

As hipóteses existem para serem testadas. Enquanto não o são ou, sendo, não se evidenciam nem se mostram viáveis, não servem sequer para validar o imaginário do possível.

Alguns se apaixonam pelas hipóteses e sob o signo delas produzem evidências imaginárias e as utilizam como outras hipóteses e assim sucessivamente. Hoje, no campo dos estudos, pesquisas e análises da ampla documentação sobre Allan Kardec, entre as quais o Acervo Canuto de Abreu, os livros A gênese e O céu e o inferno dividem as opiniões e colocam em dois lados diferentes os envolvidos.

É sabido que as discussões sobre a 5ª edição de A gênese não são de agora, pois as diferenças entre as 1ª e a referida 5ª edição suscitam discussões enormes, podendo-se dizer que as suspeitas de que a 5ª edição contém enxertos, supressões e alterações textuais vêm desde 1884 ainda na França. Coube a Simoni Privato levantar documentos e registros sobre o assunto e desvendar a verdade sobre a publicação desta 5ª edição, inclusive o ano da sua publicação que não consta da obra. Com isso, os enxertos, supressões e alterações apontavam para a responsabilidade de Leymarie, que foi quem mandou publicar a edição. Era justo. (mais…)

Zé Arigó chega aos cinemas

Estava eu em um taxi na avenida Prestes Maia, na altura do Mercado Central de São Paulo, quando, subitamente, o rádio do carro faz uma pausa na música e anuncia o falecimento do médium mineiro Zé Arigó, vítima de um acidente automobilístico próximo de Congonhas do Campo, onde nasceu e residia. A surpresa, o susto ficaram gravados na memória. Recém-espírita, ouvia pelos corredores da Federação conversas sobre as curas mediúnicas do médium, mas não possuía ainda noção clara dos fenômenos de que era ele protagonista.

A notícia correu rápida e logo todo o país tomava contato do ocorrido As histórias se multiplicaram, do fantástico ao milagre, da aceitação e da condenação, da acusação à suspeita. A compreensão da mediunidade de cura, desafio dos pesquisadores e estudiosos, surgia trêmula num cenário de suspeitas e deslumbramento. O tempo passou em sua duração permanente, mudando cenários, mas não a realidade em relação à cura mediúnica de que Zé Arigó é o maior expoente ainda hoje, depois de 49 anos de seu desaparecimento físico. (mais…)

Os livros dos Espíritos

Livro-pesquisa de Luís Lira, publicado pela Editora EME com apoio do CPDoc e do CCDPE, terá semana de lançamentos em São Paulo.

Uma pesquisa original motivada pelas alterações nas primeiras 16 edições do livro básico do Espiritismo, alterações feitas diretamente por Allan Kardec ainda encarnado, levou o estudioso espírita Luís Jorge de Lira Neto a escrever sua primeira obra intitulada Os livros dos Espíritos. Trata-se de um trabalho que não apenas demonstra como Kardec agiu desde a edição inicial, especialmente com as modificações e ampliações introduzidas já na segunda edição, quando O livro dos Espíritos praticamente dobrou sua quantidade de questões, mas mostra, também, aprimoramentos posteriores e com isso facilita grandemente os interessados, curiosos e estudantes, na compreensão dos fatos.

O autor apresentou seu estudo, de modo resumido, no Encontro da Liga dos Historiadores e Pesquisadores Espíritas ocorrido em agosto de 2019 em Fortaleza, Ceará, bem como o discutiu amplamente em apresentação no Centro de Pesquisas e Documentação Espírita (CPDoc), em Santos, onde colheu subsídios e sugestões que o levaram a dar o texto definitivo ao livro.

O lançamento oficial do livro está marcado para o período de 9 a 14 de março de 2020 e será feito em três cidades paulistas: na Capital, em Campinas e em Santos. O programa elaborado em conjunto pela CEPA e o CPDoc, começa na segunda-feira, dia 9, no Centro de Estudos e Desenvolvimento Espiritual Os Caminheiros da Luz, Rua Conde Prates nº 368, Parque da Moóca, São Paulo/SP. Na twrça-feira, 10, e evento acontece no Grupo Espírita Manoel Bento, Rua Alfredo Pujol nº 79, Santana, São Paulo/SP. Na quarta-feira, 11, o local será o Grupo Espírita Casa do Caminho, Av. Francisco José de Camargo Andrade nº 945, Jardim Chapadão, Campinas/SP. Na quinta-feira, 12, ele estará de volta à capital paulista, no Centro de Estudos Espíritas José Herculano Pires, Rua Alicante nº 389, Vila Granada, São Paulo, SP. Na sexta-feira, 13, o autor vai ao litoral paulista para o lançamento no Centro Espírita Allan Kardec, Rua Rio de Janeiro nº 31, Vila Belmiro, Santos/SP. Finalmente, no sábado, dia 14, o lançamento ocorrerá no Centro Espírita Nova Era, Rua Martim Afonso nº 78, Belenzinho, São Paulo/SP. O evento de encerramento ocorrerá à tarde, às 16h. Todos os demais serão às 20h.

O livro encontra-se à venda nas livrarias espíritas ou pelo site da Editora EME. Os direitos autoriais foram doados ao Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa Espírita Eduardo Monteiro de Carvalho (CCDPE-ECM) e ao Centro de Pesquisa e Documentação Espírita (CPDoc).

 

 

O discurso no filme: Kardec, a história por trás do nome

Quem for assistir o bom filme Kardec no circuito nacional poderá dizer que o discurso final já está antecipado pelo título? Não! O filme não é um discurso de Allan Kardec sobre Allan Kardec, mas um texto assentado sobre três fases de um discurso que só fica pronto quando o filme é finalizado. A saber: temos um discurso inicial elaborado no roteiro, que será transformado em imagens sob a condução de um diretor a partir da interpretação dos atores, com seus planos e subplanos, para finalmente alcançar o discurso verdadeiro com a montagem. Então, é preciso assistir ao filme para conhecer o discurso, o sentido deste em suas propostas de significação. É aí que entra o espectador, como destinatário e construtor dos sentidos.

Assisti ao pré-lançamento do filme, mas antes de ir à sua análise desejo informar que tem sido longo e doloroso o esforço dos espíritas em mostrar a doutrina através da sétima arte. Vimos diversos filmes feitos e lançados em circuito nacional que, apesar da boa vontade, são péssimos no quesito qualidade. A par disso, temos sido surpreendidos, de quando em quando, por produções comerciais, feitas no Exterior, de ótima qualidade, alguns destes filmes muitas vezes pouco conhecidos pelos espíritas, outros de baixa bilheteria, mas todos eles se colocando como ótimas contribuições à comunicação dos princípios básicos da doutrina. (mais…)

Espiritismo para surdos e mudos e outros tipos de deficiências

Li a interessantíssima entrevista publicada no jornal Correio Fraterno feita com a professora Eliane Alves de Carvalho Costa, sobre a inclusão de deficientes auditivos nas casas espíritas. Como o assunto me interessa e, também, se faz importante trago aqui o meu depoimento a respeito do assunto.

Talvez, o primeiro caso de deficientes que me tenha despertado a atenção ocorreu quando do meu ingresso no Ensino Superior. Havia um aluno cego e, por coincidência, passou a sentar-se ao meu lado. Detinha o domínio do Braile, língua, como se sabe, criada especialmente para os deficientes visuais. Isso facilitava muito sua vida, pois podia ouvir e transcrever as aulas, de maneira a estudá-las melhor em casa.

Conversávamos bastante e isso é um fator interessante, pois durante as aulas estava ele sempre atento ao que era dito pelo professor, mas fora desses momentos gostava de uma prosa e, inclusive, de tirar dúvidas sobre o que tinha ouvido. Era calmo, seguro de si, falava mansamente e estava sempre com um sorriso no rosto. Um ano após, seguiu ele para outro destino, de maneira que não nos vimos mais.

Anos mais tarde, vindo eu a exercer a docência no ensino superior, deparei-me pela primeira (mais…)

Serão os documentos novos sobre Kardec lançados no jarro de barro, como os evangelhos apócrifos?

 

Se a água não passa duas vezes sob a mesma ponte, qual é a água que passa sob a ponte?

 

Em companhia do pesquisador Ivan Franzolim (na foto à direita), estivemos na FEAL com a assessoria do coordenador do acervo, Paulo Henrique Figueiredo (ao centro).
Um trabalho sério está sendo executado por especialistas, para conservação e digitalização dos documentos.

Quando o espiritismo abriu as portas tão desejadas da espiritualidade com a chave da razão, deixou à mostra um novo mundo de informações, tão vasto que sua absorção demandará um largo tempo de maturação humana.

A quantidade de documentos e Cartas de Kardec, bem como de Chico Xavier, surpreende os observadores.

A uma delas, a que brota das relações entre espíritos e homens de carne, Herculano Pires chamou de interexistencialismo, ou seja, o ser humano vive em dois tempos simultâneos: a vida do corpo conectada com os seus semelhantes, e a vida do espírito, em conexão com aqueles que já viveram por aqui.

As inúmeras possibilidades que esta vida comunicativa em dois planos nos oferece são incalculáveis. Basta refletir sobre o que se passa aqui na Terra, onde a comunicação social demanda permanente esforço de compreensão e de adaptação de todos, visto à sua complexidade. Palavras, imagens, sinais são muito mais do que significam em termos semânticos. São, na verdade, signos simbólicos, cujo significado não está visível, mas contido sob a capa das aparências a pedir significação para cada situação em que são aplicados na comunicação humana. (mais…)

Para os vaidosos o espiritismo é apenas o mote

 

Confesso que me constrange ver espíritas fazendo apologia de si mesmos. Retorno ao assunto pelo fato de leitores me solicitarem a opinião sobre casos e pessoas específicas.

 

Não cabe aqui ficar nomeando este ou aquele, nem mesmo neste tipo de situação. Basta o constrangimento que nos causam. E de mais a mais eles estão aí, na imprensa espírita e nas redes sociais, podendo ser facilmente identificados.

Parece que entre os danos morais que a vaidade ocasiona está uma notória desfaçatez e uma incapacidade absurda de não perceber o nível a que descem.

Lembra-me Augusto Veiga, um velho solteirão de minha terra natal. Tinha ele uma vida estável por conta de sua condição social familiar, mas precisava falar ao mundo que existia e era uma pessoa útil à comunidade. Escrevia semanalmente no jornal da cidade, especialmente notícias sobre acontecimentos locais ou nas metrópoles e, por hábito, sempre terminava referindo-se a si mesmo como sujeito de atitudes importantes. Falava na terceira pessoa do singular. Dizia assim: o jornalista Augusto Veiga esteve presente representando o doutor fulano de tal. E transcrevia pronunciamentos que havia eventualmente feito. Ele, na verdade, era a notícia. O acontecimento narrado apenas servia de mote para introduzir a si próprio, atribuindo-se destaque. Era contumaz nesse tipo de comportamento. Ninguém no jornal lhe dava mais crédito e os leitores se acostumaram com essas notícias sem valor. Com o tempo, tornou-se figura de chacota nas conversas de esquina. (mais…)

Jorge Rizzini entre luzes e sombras, pela Editora Pixel

A Editora Pixel Books acaba de lançar, pela plataforma digital da Apple, o livro Jorge Rizzini entre luzes e sombras, de autoria de Wilson Garcia. Trata-se do maior acervo de informações sobre a personalidade daquele que foi conhecido como um dos mais destacados polemistas espíritas do Brasil, com uma trajetória intensa na divulgação e defesa da doutrina de Allan Kardec. A presente edição compreende a ampliação e atualização da edição disponibilizada pela Scrib, de título “Muito além das sombras”, a qual permanece à disposição dos interessados, com download livre.

O livro aborda, de maneira inédita, inúmeras situações do escritor e médium:

# A sua relação de quase trinta anos com o filósofo, escritor e jornalista José Herculano Pires. (mais…)

Os guardiães dos apriscos do templo

Federação Espírita de Goiás: orador chega para fazer palestra e encontra as portas fechadas. Indignados, promotores do evento recorrem a outra instituição para manter o programa. Fatos revelam covardia, desrespeito e tudo o mais que a boa moral condena.

A fraqueza humana é capaz de conduzir o indivíduo às mais desprezíveis ações. Debalde o homem desse jaez lutará para mostrar-se digno da moral espírita, porque não conseguirá superar as próprias imperfeições enquanto não se oferecer à práxis cotidiana com a coragem dos estoicos. O homem fraco e desprezível, envolto pela embalagem do espiritismo e no comando das atividades espíritas, poderá ser luzidia e colorida imagem, mas nunca será um verdadeiro homem de bem.

Minha indignação provém da minha incapacidade de assistir aos atos indignos praticados por seres humanos, com acento ainda mais agudo quando esses homens coexistem no mesmo meio doutrinário no qual me coloco. Admiravelmente, o invejável Leon Denis afirma que a tudo podemos suportar desde que não sejam ultrapassados os limites da dignidade humana. A dignidade é o pórtico humano do inatacável, a muralha inexpugnável do direito e da vida. Ao contrário da realidade constatada por Herculano Pires na frase que dá título a este artigo. Sim, o inesquecível amigo não fala, na frase, de um passado que o espiritismo ajuda a superar, mas de uma realidade que se mostra exatamente no contexto social de hoje, onde muitos espíritas operam e farisaicamente sorriem. (mais…)