Categoria: Resenha

Kardec reafirma: o espiritismo não pode ser visto como uma (nova) religião

Publicações reapresentadas na linha de documentos secundários, que deveriam provar que Kardec estava preparando a religião espírita, reafirmam exatamente o contrário: a posição clara do codificador a respeito do entendimento equivocado dos que procuram incluir o espiritismo na categoria Religião.

A publicação no formato digital, feita dia 29 de agosto último, do livro Religião e espiritismo – análise de novas fontes de informações, (download disponível aqui) recoloca ingredientes pouco conhecidos nas discussões da temática recorrente da questão religiosa no espiritismo. Ser ou não a doutrina espírita uma nova religião é um tema que surgiu logo depois da publicação de O livro dos espíritos, o que levou Allan Kardec, seu autor, a tratar do assunto e a deixar explícita sua posição contrária em diversas oportunidades, através de sólida argumentação. Para ele, o espiritismo era e continuou sendo durante sua vida inteira uma filosofia com amparo na ciência, de consequências morais ou religiosas. Mesmo após sua manifestação quase final no discurso reproduzido na Revista espírita, de 1868, reforçando essa posição contrária, o tema permaneceu em debate e, mais do que isso, tornou-se imperioso à vista de no Brasil as lideranças federativas, comandadas pela Federação Espírita Brasileira, FEB, adotarem oficialmente o tríplice aspecto expresso no paradigma Filosofia, Ciência e Religião. A simples colocação em dúvida do viés religioso é suficiente para exclusões – ou, na linguagem do dia, cancelamentos – dos entes discordantes, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas. (mais…)

As memórias do Cesar Perri como relatos de trajetória existencial

RESENHA

As narrativas biográficas constituem um gênero literário bastante consumido no mundo, sejam elas escritas ou audiovisuais, tanto mais quanto revelam aspectos do pensamento, da identidade e das ações individuais e coletivas por parte daqueles que se destacam de algum modo na sociedade. Há pelo menos dois tipos de material a colher aí: aqueles que se ligam à subjetividade do biografado e os de caráter histórico.

Antonio Cesar Perri de Carvalho, ex-presidente da USE-SP e da Federação Espírita Brasileira, viu-se de repente impulsionado a registrar suas memórias logo no início da pandemia do Coronavírus, e o fez com tal fôlego que acaba de publicá-las em um denso volume – Pelos caminhos da vida, memórias e reflexões (Ed. Cocriação) – com mais de 600 páginas, avisando logo na capa que se trata de 3 volumes em 1, ou seja, uma trilogia, assim dividida: 1º, 2º e 3º Livro, cada qual deles com prefácio específico segundo o tipo de material e o tempo abordado.

À longa carreira acadêmica, cuja trajetória profissional atinge o cargo de pró-Reitor, chegando a pleitear a Reitoria sem o conseguir, Cesar Perri soma sua trajetória espírita, onde também (mais…)

O PONTO FINAL – uma nova forma de ver

Transcrevo a seguir, para conhecimento dos meus caros leitores, a mensagem que recebi por e-mail do caro amigo Cícero Arruda a respeito do meu livro PONTO FINAL, o reencontro do espiritismo com ALLAN KARDEC. Agradeço-lhe a gentileza e a generosidade das suas apreciações.

Meu caro Garcia, analisando as observações sobre o seu livro O PONTO FINAL, inicio meu pensamento dizendo que o amigo precisa ser muito forte para suportar as consequências de mexer com o que chamo de casa de marimbondos. Foi assim com o nosso amigo J.L. Boberg, lembra não é? Mas…não foi diferente com o Mestre, o Rabi da Galileia, de tantos seguidores, do Gigante da Galileia de J.J.Benitez/Maj. Jason. É sempre assim: mexeu com o modo de pensar das pessoas, vem chuva grossa em seguida.

Na minha humilde visão de estudioso, acredito que isso é muito bom. Despertou interesses. E, se isso aconteceu, é porque as pessoas leram, estudaram, interessaram-se pelo assunto, etc. Quanto a aceitarem, o Divino Mestre foi crucificado porque defendeu certos assuntos que feriram o modo de pensar e de agir de muita gente.

Quanto a ser ESPÍRITA EVANGÉLICO ou ESPÍRITA CATÓLICO, por serem estas as filosofias que prosperam em nosso país, por conta do parco conhecimento e da má formação filosófica, eu, pessoalmente, não tenho nada contra, pois (nem sempre) considero o Espiritismo uma Religião.

Pela minha ótica, o substantivo religião pode ser usado em muitas situações. Sendo ela uma linha de raciocínio, de crença, de confiança, de respeito, etc., poderá ser seguida até por simpatizantes de um time de futebol. Temos exemplos de torcedores que pularam de cabeça para baixo de uma altura de cinco metros, porque o seu time foi campeão. E morreram. Além (mais…)

César Perri, ex-presidente da FEB, publica resenha do livro Ponto Final

Livro impresso e em forma de e-book de autoria de Wilson Garcia, lançado pela Editora EME em dezembro de 2020, com o subtítulo: “Cartas de Kardec revelam mais sobre os bastidores do espiritismo e as convicções do seu fundador”. O autor se fundamenta em documentações hoje disponibilizadas em meios digitais, como as cartas e textos de Kardec do acervo obtido por Canuto de Abreu e agora sob a guarda e conservação do CDOR da Fundação Espírita André Luiz, de São Paulo. Ao reproduzir esses documentos o novo livro apresenta também o QR Code dos mesmos.

Para ser fiel aos documentos, grande parte inéditos, e ao texto do autor do novo livro, reproduzimos alguns trechos significativos que oferecem uma visão geral do conteúdo marcante de Ponto final, que tem como itens: Kardec em Bordéus; Roustaing no terreno espírita; Grupo Sayão: o roustainguismo brasileiro; História falseada e história real; Cultura espírita ou hibridismo cultural; O espiritismo reencontra Kardec.

À guisa de resumo, a seguir transcrevemos alguns destaques (mais…)

Livro PONTO FINAL terá lançamento virtual pela Rede Amigo Espírita no dia 16 de dezembro

O livro traz à tona uma parte importante da história do espiritismo, pouco ou jamais conhecida pelos espíritas, incluso as lideranças, dirigentes e trabalhadores de centros e demais instituições doutrinárias brasileiras. Seu lançamento será feito através de live pela Rede Amigo Espírita no Facebook e YouTube no dia 16 de dezembro, às 19h.

Trata-se não apenas de um resgate dessa trajetória necessária à compreensão do espiritismo em terras brasileiras, mas de uma abordagem que coloca em destaque os descaminhos da obra impostos à revelia de Kardec, que ele não pôde evitar, mas cuja ação conhecia desde cedo.

Os estudos com base em documentos e informações que somente na atualidade foi possível alcançar, amparados, inclusive, pelas tão aguardadas Cartas de Kardec constantes do Acervo Canuto de Abreu, em poder do CDOR – Centro de Documentação e Obras Raras da FEAL – Fundação Espírita André Luis, oferecem ao leitor um olhar cronológico e panorâmico dos acontecimentos e reforçam a ideia de um desvio imposto à doutrina espírita, especialmente pela introdução no seu corpo filosófico e por extensão nas práticas espíritas de teorias alheias à autonomia moral, as quais foram introjetadas no movimento espírita de modo sutil e persistente.

As pesquisas têm como um dos pontos iniciais a primeira viagem de Allan Kardec à cidade francesa de Bordéus, em outubro 1861, por convite dos espíritas locais, tendo como líder o Sr. Sabò, (mais…)

Boberg enfrenta o dilema do Cristo de Emmanuel e o de Paulo de Tarso

Em tempos surpreendentes de novos documentos e rearrumação da história do espiritismo, o livro O Cristo de Paulo de Tarso é mais uma oportunidade de resolver os conflitos do conhecimento – ou de aprofundá-los.

Quando o escritor José Lázaro Boberg me enviou os originais de seu livro em preparo para publicação, fez uma solicitação que, depois de devidamente me assenhorar do conteúdo, atendi: algumas breves linhas sobre o O Cristo de Paulo de Tarso. Ficou evidenciado, para mim, que a obra estava destinada a ser mais um dos estudos a colocar em discussão de modo claro tudo o que até então se sabe sobre a figura daquele que é considerado um dos alicerces mais fortes do cristianismo, também muito respeitado em todo o meio espírita brasileiro. O livro Paulo e Estêvão, de Emmanuel/Chico Xavier é um dos romances mais vendidos de toda a literatura espírita. Escrevi, então:

“Eis um livro para se ler com calma, mas, também, com espírito desprovido de conceitos fixos. As surpresas começaram pelo autor, que ficou balançado em suas crenças ante os fatos que brotaram das pesquisas. E tendem a alcançar os leitores cuja visão do conhecido apóstolo de Tarso se formou sobre as bases tradicionais do cristianismo pós Concílio de Nicéia. Assim, também, os espíritas que conhecem, admiram e exaltam o Paulo que desponta do romance de Emmanuel pelo Chico Xavier: Paulo e Estevão. Quais reações este livro vai causar? (mais…)

O desafio das dúvidas e o caminho que leva ao plano das certezas

Algumas provas servem para firmar convicções definitivas; outras para crenças provisórias. Só as provas irretorquíveis se prestam à construção dos argumentos capazes de convencer pelos fatos.

É certo que a questão das alterações efetuadas no livro A gênese alcançou um estágio bastante avançado, desde que foi levantada em 1884 na União Espírita Francesa por alguns dos seus então membros, como Gabriel Delanne, Henri Sausse e Berthe Fropo. A descoberta quase ocasional de que a 5ª edição de A gênese recebera modificações que não foram comprovadas como tendo sido feitas por Kardec provocou uma onda de protestos dirigidas especialmente a Leymarie por ser quem estava à frente do legado de Kardec e fora então responsável pela publicação daquela edição 12 anos antes, em 1872. 

Este fato, porém, ficou esquecido até ser retomado nos tempos atuais em que uma outra onda, agora de estudo e pesquisa documental, eclodiu e permeia positivamente o movimento espírita brasileiro. Discute-se hoje de tudo e com proveito para o este movimento, desde temas que dizem respeito aos direitos humanos à participação dos espíritas na sociedade, naquilo que Herculano Pires definia como a “usina das relações” e sua importância na evolução dos indivíduos e das coletividades. (mais…)

Os livros dos Espíritos

Livro-pesquisa de Luís Lira, publicado pela Editora EME com apoio do CPDoc e do CCDPE, terá semana de lançamentos em São Paulo.

Uma pesquisa original motivada pelas alterações nas primeiras 16 edições do livro básico do Espiritismo, alterações feitas diretamente por Allan Kardec ainda encarnado, levou o estudioso espírita Luís Jorge de Lira Neto a escrever sua primeira obra intitulada Os livros dos Espíritos. Trata-se de um trabalho que não apenas demonstra como Kardec agiu desde a edição inicial, especialmente com as modificações e ampliações introduzidas já na segunda edição, quando O livro dos Espíritos praticamente dobrou sua quantidade de questões, mas mostra, também, aprimoramentos posteriores e com isso facilita grandemente os interessados, curiosos e estudantes, na compreensão dos fatos.

O autor apresentou seu estudo, de modo resumido, no Encontro da Liga dos Historiadores e Pesquisadores Espíritas ocorrido em agosto de 2019 em Fortaleza, Ceará, bem como o discutiu amplamente em apresentação no Centro de Pesquisas e Documentação Espírita (CPDoc), em Santos, onde colheu subsídios e sugestões que o levaram a dar o texto definitivo ao livro.

O lançamento oficial do livro está marcado para o período de 9 a 14 de março de 2020 e será feito em três cidades paulistas: na Capital, em Campinas e em Santos. O programa elaborado em conjunto pela CEPA e o CPDoc, começa na segunda-feira, dia 9, no Centro de Estudos e Desenvolvimento Espiritual Os Caminheiros da Luz, Rua Conde Prates nº 368, Parque da Moóca, São Paulo/SP. Na twrça-feira, 10, e evento acontece no Grupo Espírita Manoel Bento, Rua Alfredo Pujol nº 79, Santana, São Paulo/SP. Na quarta-feira, 11, o local será o Grupo Espírita Casa do Caminho, Av. Francisco José de Camargo Andrade nº 945, Jardim Chapadão, Campinas/SP. Na quinta-feira, 12, ele estará de volta à capital paulista, no Centro de Estudos Espíritas José Herculano Pires, Rua Alicante nº 389, Vila Granada, São Paulo, SP. Na sexta-feira, 13, o autor vai ao litoral paulista para o lançamento no Centro Espírita Allan Kardec, Rua Rio de Janeiro nº 31, Vila Belmiro, Santos/SP. Finalmente, no sábado, dia 14, o lançamento ocorrerá no Centro Espírita Nova Era, Rua Martim Afonso nº 78, Belenzinho, São Paulo/SP. O evento de encerramento ocorrerá à tarde, às 16h. Todos os demais serão às 20h.

O livro encontra-se à venda nas livrarias espíritas ou pelo site da Editora EME. Os direitos autoriais foram doados ao Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa Espírita Eduardo Monteiro de Carvalho (CCDPE-ECM) e ao Centro de Pesquisa e Documentação Espírita (CPDoc).

 

 

A proposta espírita e os caminhos transversos da doutrina

(Especial para a Revista Evolución)*

Luz e trevas, silêncio e som, liberdade e prisão. As grandes verdades encontram mais facilmente o seu oposto, as mentiras, quando os homens se concedem a ser heterônomos.

Lendo ainda no textão entregue à editora, com seus rabiscos e indicações de primeira revisão, tenho diante de mim o livro cuja capa ilustra este artigo, assinado pelo amigo Paulo Henrique Figueiredo, em lançamento no Brasil neste mês de agosto de 2019. Seu título começa com uma palavra de fundamental importância: autonomia, ou seja, o antônimo de heteronomia. No espiritismo, a distância entre as duas palavras não se resume aos sentidos semânticos, mas à própria história da doutrina, escrita sob a permanente luta entre a liberdade e a prisão. Daí o subtítulo do livro incorporar a expressão “a história jamais contada”.

Autonomia resume muito bem o objetivo espírita de conceber o homem como ser capaz de construir o próprio destino sob o amparo do livre-arbítrio e de utilizar esse mesmo caráter em sua procura incessante pelo conhecimento como base de sua superação pessoal e das amarras que o retêm ao chão do planeta. As doutrinas heterônomas propõem exatamente o contrário: a submissão e a dependência a um poder dominante e limitador.

Ao dizer isso, não estou apenas elogiando o autor de mais uma obra de importância nos caminhos da doutrina legada por Allan Kardec, que todos os admiradores do mestre conhecem o altíssimo valor, mas, com a flama da convicção a tremular, afirmo que a obra traz a marca da reescrita da história da doutrina, seja em seu percurso no Brasil, no continente americano ou no velho mundo, de onde veio altaneira e livre, sobranceira e bela. Em especial no Brasil, pelo que essa história contém. Para tanto, o livro está amparado em documentos relevantes que permitem, já agora, lançar um novo olhar para os fatos desde os anos 1850 até os dias atuais, e com isso superar os conflitos dos caminhos transversos pelos quais passou e passa ainda o espiritismo.

Para espíritas brasileiros e estrangeiros que desconhecem os fatos a que aludo – e brasileiros são a maioria devido à proliferada atitude das instituições dominantes de contar a história ao sabor da ficção – os caminhos transversos apontados se constituem em desvendamento, em retirada do véu colocado sobre a verdade, com vistas a recontar tal história, desnudando a efígie, afinal as vestes com que é mostrada não fazem parte de seu corpo escultural. (mais…)

O discurso no filme: Kardec, a história por trás do nome

Quem for assistir o bom filme Kardec no circuito nacional poderá dizer que o discurso final já está antecipado pelo título? Não! O filme não é um discurso de Allan Kardec sobre Allan Kardec, mas um texto assentado sobre três fases de um discurso que só fica pronto quando o filme é finalizado. A saber: temos um discurso inicial elaborado no roteiro, que será transformado em imagens sob a condução de um diretor a partir da interpretação dos atores, com seus planos e subplanos, para finalmente alcançar o discurso verdadeiro com a montagem. Então, é preciso assistir ao filme para conhecer o discurso, o sentido deste em suas propostas de significação. É aí que entra o espectador, como destinatário e construtor dos sentidos.

Assisti ao pré-lançamento do filme, mas antes de ir à sua análise desejo informar que tem sido longo e doloroso o esforço dos espíritas em mostrar a doutrina através da sétima arte. Vimos diversos filmes feitos e lançados em circuito nacional que, apesar da boa vontade, são péssimos no quesito qualidade. A par disso, temos sido surpreendidos, de quando em quando, por produções comerciais, feitas no Exterior, de ótima qualidade, alguns destes filmes muitas vezes pouco conhecidos pelos espíritas, outros de baixa bilheteria, mas todos eles se colocando como ótimas contribuições à comunicação dos princípios básicos da doutrina. (mais…)