Categoria: Resenha

Boberg enfrenta o dilema do Cristo de Emmanuel e o de Paulo de Tarso

Em tempos surpreendentes de novos documentos e rearrumação da história do espiritismo, o livro O Cristo de Paulo de Tarso é mais uma oportunidade de resolver os conflitos do conhecimento – ou de aprofundá-los.

Quando o escritor José Lázaro Boberg me enviou os originais de seu livro em preparo para publicação, fez uma solicitação que, depois de devidamente me assenhorar do conteúdo, atendi: algumas breves linhas sobre o O Cristo de Paulo de Tarso. Ficou evidenciado, para mim, que a obra estava destinada a ser mais um dos estudos a colocar em discussão de modo claro tudo o que até então se sabe sobre a figura daquele que é considerado um dos alicerces mais fortes do cristianismo, também muito respeitado em todo o meio espírita brasileiro. O livro Paulo e Estêvão, de Emmanuel/Chico Xavier é um dos romances mais vendidos de toda a literatura espírita. Escrevi, então:

“Eis um livro para se ler com calma, mas, também, com espírito desprovido de conceitos fixos. As surpresas começaram pelo autor, que ficou balançado em suas crenças ante os fatos que brotaram das pesquisas. E tendem a alcançar os leitores cuja visão do conhecido apóstolo de Tarso se formou sobre as bases tradicionais do cristianismo pós Concílio de Nicéia. Assim, também, os espíritas que conhecem, admiram e exaltam o Paulo que desponta do romance de Emmanuel pelo Chico Xavier: Paulo e Estevão. Quais reações este livro vai causar? (mais…)

O desafio das dúvidas e o caminho que leva ao plano das certezas

Algumas provas servem para firmar convicções definitivas; outras para crenças provisórias. Só as provas irretorquíveis se prestam à construção dos argumentos capazes de convencer pelos fatos.

É certo que a questão das alterações efetuadas no livro A gênese alcançou um estágio bastante avançado, desde que foi levantada em 1884 na União Espírita Francesa por alguns dos seus então membros, como Gabriel Delanne, Henri Sausse e Berthe Fropo. A descoberta quase ocasional de que a 5ª edição de A gênese recebera modificações que não foram comprovadas como tendo sido feitas por Kardec provocou uma onda de protestos dirigidas especialmente a Leymarie por ser quem estava à frente do legado de Kardec e fora então responsável pela publicação daquela edição 12 anos antes, em 1872. 

Este fato, porém, ficou esquecido até ser retomado nos tempos atuais em que uma outra onda, agora de estudo e pesquisa documental, eclodiu e permeia positivamente o movimento espírita brasileiro. Discute-se hoje de tudo e com proveito para o este movimento, desde temas que dizem respeito aos direitos humanos à participação dos espíritas na sociedade, naquilo que Herculano Pires definia como a “usina das relações” e sua importância na evolução dos indivíduos e das coletividades. (mais…)

Os livros dos Espíritos

Livro-pesquisa de Luís Lira, publicado pela Editora EME com apoio do CPDoc e do CCDPE, terá semana de lançamentos em São Paulo.

Uma pesquisa original motivada pelas alterações nas primeiras 16 edições do livro básico do Espiritismo, alterações feitas diretamente por Allan Kardec ainda encarnado, levou o estudioso espírita Luís Jorge de Lira Neto a escrever sua primeira obra intitulada Os livros dos Espíritos. Trata-se de um trabalho que não apenas demonstra como Kardec agiu desde a edição inicial, especialmente com as modificações e ampliações introduzidas já na segunda edição, quando O livro dos Espíritos praticamente dobrou sua quantidade de questões, mas mostra, também, aprimoramentos posteriores e com isso facilita grandemente os interessados, curiosos e estudantes, na compreensão dos fatos.

O autor apresentou seu estudo, de modo resumido, no Encontro da Liga dos Historiadores e Pesquisadores Espíritas ocorrido em agosto de 2019 em Fortaleza, Ceará, bem como o discutiu amplamente em apresentação no Centro de Pesquisas e Documentação Espírita (CPDoc), em Santos, onde colheu subsídios e sugestões que o levaram a dar o texto definitivo ao livro.

O lançamento oficial do livro está marcado para o período de 9 a 14 de março de 2020 e será feito em três cidades paulistas: na Capital, em Campinas e em Santos. O programa elaborado em conjunto pela CEPA e o CPDoc, começa na segunda-feira, dia 9, no Centro de Estudos e Desenvolvimento Espiritual Os Caminheiros da Luz, Rua Conde Prates nº 368, Parque da Moóca, São Paulo/SP. Na twrça-feira, 10, e evento acontece no Grupo Espírita Manoel Bento, Rua Alfredo Pujol nº 79, Santana, São Paulo/SP. Na quarta-feira, 11, o local será o Grupo Espírita Casa do Caminho, Av. Francisco José de Camargo Andrade nº 945, Jardim Chapadão, Campinas/SP. Na quinta-feira, 12, ele estará de volta à capital paulista, no Centro de Estudos Espíritas José Herculano Pires, Rua Alicante nº 389, Vila Granada, São Paulo, SP. Na sexta-feira, 13, o autor vai ao litoral paulista para o lançamento no Centro Espírita Allan Kardec, Rua Rio de Janeiro nº 31, Vila Belmiro, Santos/SP. Finalmente, no sábado, dia 14, o lançamento ocorrerá no Centro Espírita Nova Era, Rua Martim Afonso nº 78, Belenzinho, São Paulo/SP. O evento de encerramento ocorrerá à tarde, às 16h. Todos os demais serão às 20h.

O livro encontra-se à venda nas livrarias espíritas ou pelo site da Editora EME. Os direitos autoriais foram doados ao Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa Espírita Eduardo Monteiro de Carvalho (CCDPE-ECM) e ao Centro de Pesquisa e Documentação Espírita (CPDoc).

 

 

A proposta espírita e os caminhos transversos da doutrina

(Especial para a Revista Evolución)*

Luz e trevas, silêncio e som, liberdade e prisão. As grandes verdades encontram mais facilmente o seu oposto, as mentiras, quando os homens se concedem a ser heterônomos.

Lendo ainda no textão entregue à editora, com seus rabiscos e indicações de primeira revisão, tenho diante de mim o livro cuja capa ilustra este artigo, assinado pelo amigo Paulo Henrique Figueiredo, em lançamento no Brasil neste mês de agosto de 2019. Seu título começa com uma palavra de fundamental importância: autonomia, ou seja, o antônimo de heteronomia. No espiritismo, a distância entre as duas palavras não se resume aos sentidos semânticos, mas à própria história da doutrina, escrita sob a permanente luta entre a liberdade e a prisão. Daí o subtítulo do livro incorporar a expressão “a história jamais contada”.

Autonomia resume muito bem o objetivo espírita de conceber o homem como ser capaz de construir o próprio destino sob o amparo do livre-arbítrio e de utilizar esse mesmo caráter em sua procura incessante pelo conhecimento como base de sua superação pessoal e das amarras que o retêm ao chão do planeta. As doutrinas heterônomas propõem exatamente o contrário: a submissão e a dependência a um poder dominante e limitador.

Ao dizer isso, não estou apenas elogiando o autor de mais uma obra de importância nos caminhos da doutrina legada por Allan Kardec, que todos os admiradores do mestre conhecem o altíssimo valor, mas, com a flama da convicção a tremular, afirmo que a obra traz a marca da reescrita da história da doutrina, seja em seu percurso no Brasil, no continente americano ou no velho mundo, de onde veio altaneira e livre, sobranceira e bela. Em especial no Brasil, pelo que essa história contém. Para tanto, o livro está amparado em documentos relevantes que permitem, já agora, lançar um novo olhar para os fatos desde os anos 1850 até os dias atuais, e com isso superar os conflitos dos caminhos transversos pelos quais passou e passa ainda o espiritismo.

Para espíritas brasileiros e estrangeiros que desconhecem os fatos a que aludo – e brasileiros são a maioria devido à proliferada atitude das instituições dominantes de contar a história ao sabor da ficção – os caminhos transversos apontados se constituem em desvendamento, em retirada do véu colocado sobre a verdade, com vistas a recontar tal história, desnudando a efígie, afinal as vestes com que é mostrada não fazem parte de seu corpo escultural. (mais…)

O discurso no filme: Kardec, a história por trás do nome

Quem for assistir o bom filme Kardec no circuito nacional poderá dizer que o discurso final já está antecipado pelo título? Não! O filme não é um discurso de Allan Kardec sobre Allan Kardec, mas um texto assentado sobre três fases de um discurso que só fica pronto quando o filme é finalizado. A saber: temos um discurso inicial elaborado no roteiro, que será transformado em imagens sob a condução de um diretor a partir da interpretação dos atores, com seus planos e subplanos, para finalmente alcançar o discurso verdadeiro com a montagem. Então, é preciso assistir ao filme para conhecer o discurso, o sentido deste em suas propostas de significação. É aí que entra o espectador, como destinatário e construtor dos sentidos.

Assisti ao pré-lançamento do filme, mas antes de ir à sua análise desejo informar que tem sido longo e doloroso o esforço dos espíritas em mostrar a doutrina através da sétima arte. Vimos diversos filmes feitos e lançados em circuito nacional que, apesar da boa vontade, são péssimos no quesito qualidade. A par disso, temos sido surpreendidos, de quando em quando, por produções comerciais, feitas no Exterior, de ótima qualidade, alguns destes filmes muitas vezes pouco conhecidos pelos espíritas, outros de baixa bilheteria, mas todos eles se colocando como ótimas contribuições à comunicação dos princípios básicos da doutrina. (mais…)

Père-Lachaise: lá onde Kardec jamais esteve

Allan Kardec, filho do seu tempo enquanto reencarnado, deixou escrito obras tão imortais quanto os espíritos que encontrou pelo caminho. Os diversos tradutores dessas obras para o português, cada um em seu tempo, procuraram as melhores relações gramaticais para as verter do francês do século XIX à língua de Camões. Ninguém, talvez, como Herculano Pires, portador que era de uma bem-sucedida experiência com o texto jornalístico, conseguiu uma tradução de Kardec com sucesso impondo a técnica da narrativa dos fatos: concisão, clareza e objetividade.

O fato é que boa parte dos indivíduos contemporâneos, ao ler Kardec, reclama das dificuldades que um texto com tais vínculos linguísticos impõe aos sentidos, mas também à paciência. Já muitos são críticos da forma, pois o Livro dos Espíritos, particularmente, está vazado em perguntas e respostas, em contraste com as narrativas literárias dos bons autores, muito mais envolventes.

Assim é e assim permanecerá.

Também filho de sua época e submetido aos laços sociais e profissionais dos círculos em que se situa, Antonio Cezar Lima da Fonseca em seu livro recém lançado Encontrando Allan Kardec, revela que em determinada ocasião incomodou-se com esses livros espíritas de leitura difícil, desejando vencer essa etapa com a presente escritura. Logra sucesso? Em parte, porque Buffon continua (mais…)

Livro do Cesar Perri propõe união, mas de partida exclui parcelas expressivas do espiritismo brasileiro

O que seria uma união entre as forças espíritas do Brasil? Essa pergunta surge de imediato quando se toma o recente livro escrito por Antonio Cesar Perri de Carvalho, publicado pela Editora EME, de Capivari, São Paulo.

Desde que saiu de Brasília e voltou a residir em São Paulo, após deixar a presidência da FEB, Cesar Perri iniciou uma jornada intensa de reflexões críticas sobre o movimento espírita brasileiro no que tange à sua organização político-administrativa. O seu livro – União dos espíritas. Para onde vamos? – é o resumo dessa jornada e do seu pensamento atual.

A questão, como sabem todos aqueles que estudam o assunto, é antiga e cheia de curvas, desvios e atalhos. Além do mais, está no cerne de toda filosofia que propõe a paz e se funda na espiritualidade humana a busca pela união de pensamentos e ações entre os seres. O espiritismo está entre as mais distintas filosofias e esse propósito de união subjaz como sentimento natural entre os seus adeptos e admiradores, o que pode ser observado desde os primórdios da chegada da doutrina no Brasil, na segunda metade do século XIX.

Nesse período de cerca de 150 anos de presença do espiritismo em solo brasileiro, as tratativas de união e sua efetivação são uma história cujo resumo é uma pálida e frágil peça, onde os grupos excluídos, poucos no início, se multiplicaram a ponto de se questionar hoje, como o faz Cesar Perri, sua validade para os novos tempos. A evidência é que responde enfaticamente: a união que aí está não representa os anseios nem a realidade do espiritismo do século XXI, embora a união continue sendo um objetivo importante. (mais…)

Sonho, utopia, realidade. As colônias espirituais em destaque

RESENHA

Crer por crer é desperdício. Não crer por não crer é estultice. Mas crer por saber é inteligente. Quando surgiu a primeira edição do livro Nosso lar, psicografia do Chico Xavier e autoria de André Luiz, fez-se um grande alvoroço no Brasil. A crítica marcou a obra como pura ficção, os leitores simples tomaram-se de encanto com a possibilidade de viver depois da morte em condições assemelhadas à vida na Terra, mas muitas lideranças espíritas se surpreenderam com as revelações e não tiveram receio de rejeitá-la, tendo por argumento principal a falta de informações na obra básica da codificação empreendida por Allan Kardec. As mais prudentes preferiram colocar o livro de molho e aguardar maiores confirmações.

O fato é que antes mesmo de Kardec o assunto entrou nas cogitações a partir de inúmeras obras apresentadas por médiuns de diversos matizes. Com Kardec, o assunto ganhou foros de possibilidade dadas ainda as pequenas, mas consistentes abordagens que ofereciam uma base lógica dessa realidade, acrescida de exemplos.

Após Kardec, lideranças representativas dos verdadeiros e dedicados estudiosos se reproduziram, convictas de que a vida no mundo espiritual não se dá simplesmente sobre a matéria fluídica imponderável, senão sob uma consistente base de solidez e planejamento, construção e organização social, de maneira que, se não possui as mesmas condições da vida material que o planeta Terra conhece, tem semelhanças com esta que, em certos casos, mais parecem ser uma extensão da vida material terrena. A informação, contudo, mais forte nos conduz a ver pelo lado contrário, ou seja, é a vida na Terra que se assemelha à espiritual, embora a semelhança seja, segundo dizem os espíritos, ainda bastante nebulosa. (mais…)

Entre traças, poeira e páginas rotas

Por diferentes vias e de diversas maneiras, chegaram-me às mãos ao longo dos últimos 50 anos uma quantidade considerável de livros, revistas e documentos importantes para a história do espiritismo, livros em boa parte esgotados e alguns até mesmo ignorados do público, bem como as referidas revistas. Dei início à publicação das respectivas resenhas com o trabalho sobre a Revista Metapsíquica, como forma de desincumbir-me deste que considero um compromisso público, uma vez que formo entre aqueles que entendem que nada que seja de interesse público pode ficar retido sob a rubrica de patrimônio particular; que tudo deve ser disponibilizado, aberta e livremente, ao conhecimento da sociedade, pois que, no fim das contas, a ela de fato pertence. Na sequência, dei conhecimento de outra revista – Verdade e Luz – e, após, iniciei a publicação em separado de resenhas mais extensas de alguns livros cuja importância pedia um destaque especial. Agora, aqui, faço a conclusão do trabalho, publicando sobre aqueles documentos que, de maior ou menor interesse, guardam todos eles a oportunidade de esclarecer, informar ou enriquecer este ou aquele estudioso e pesquisador. Todos estes livros estarão à disposição dos interessados, uma vez que ficarão sob a guarda da Fundação Maria Virgínia e J. Herculano Pires, que, certamente, os disponibilizará ao público. A coleção inteira, contudo, dos textos publicados, poderá ser encontrada aqui, neste blog, na página DOCUMENTOS e suas consequentes subpáginas: Revista Ilustração Espírita, Revista Metapsíquica, Revista Verdade e Luz, Opúsculos raros e Livros raros 


O espiritismo, sua natureza, seus perigos – Alexander Jenniard Du Dot, o autor, era em sua época uma espécie de Padre Quevedo dos católicos, ou seja, trabalhou muito para “compreender” os fatos espíritas à luz do catolicismo e de uma visão da ciência um tanto estrábica. Ele afirma sem medo que à frente da ciência de seu tempo (nasceu em 1840 e este livro data do final daquele século) “nós pomos o catecismo”. (mais…)

Marx e Kardec, materialismo e espiritismo

Espiritismo e Socialismo estão unidos por laços estreitos, visto que um oferece ao outro o que lhe falta a mais, isto é, o elemento de sabedoria, de justiça, de ponderação, as altas verdades e o nobre ideal sem o qual corre ele o risco de permanecer impotente ou de mergulhar na escuridão da anarquia. Léon Denis

 O socialismo de Denis foi classificado como idealista, uma maneira de ver que em princípio não combina com a dura realidade na qual a vida em sociedade se manifesta e desenvolve. Desde a eclosão das ideias socialistas, com Marx, às experiências de implantação de regimes políticos e econômicos marcados pelo fundamento socialista, que se discute a questão. No espiritismo não foi diferente e aqui está um exemplo de contenda em que as ideias se chocam e se distanciam até se encontrarem nas pontas, na irrefreável leveza da física.

Os espíritas e as questões sociais – em sua edição primeira, feita em 1955 em Niterói, RJ, este livro reúne artigos publicados na imprensa por dois conhecidos espíritas: Eusínio Lavigne, advogado e empresário de Ilhéus, BA, e Sousa do Prado, ex-membro da Federação Espírita Brasileira. Trata-se de um grande debate que teve início quando a Revista Internacional de Espiritismo, de Matão, recusou-se a publicar um artigo de Lavigne em resposta a outro, que saiu em suas colunas na edição de setembro de 1950, intitulado “Pela vitória do espírito” e assinado por Pereira Guedes, cujo conteúdo analisava o livro Materialismo dialético e materialismo histórico, de José Stalin. Lavigne procurou, então, o Jornal de Debates, onde encontrou guarida e por vários meses expôs seus argumentos sobre a teoria marxista, o socialismo e as conexões com o espiritismo, além de, ao defender o marxismo, deixar claro que o fazia ao que de científico ele continha e não à sua condição materialista contrária ao fundamento espiritual da doutrina de Kardec. (mais…)