Notas para notar

A semana começa com alguns destaques sobre os quais vale a pena refletir: 1) os jovens britânicos que não querem ter filhos e buscam o caminho da esterilização; 2) os brasileiros com doenças raras que, desenganados, enganaram a morte; 3) e a pesquisa tida como condenatória dos refrigerantes diet, mas que não é conclusiva.

Não aos filhos

Esterilização, esse é o caminho que tem sido escolhido por jovens britânicos que não desejam ter filhos. As razões são diversas vão desde a liberdade para atuar sexualmente sem preocupações até a existência de doenças hereditárias, cujos portadores não desejam passar adiante.

O fator em destaque é que as decisões partem de jovens até 30 anos de idade e, por isso mesmo, enfrentam barreiras como a falta de experiência na hora de realizarem as cirurgias. Em alguns casos, os jovens encontram o apoio de suas famílias, em muitos, não. Há jovens que justificam a decisão exatamente por entenderem que chegaram ao ponto em que chegaram depois de uma infância ruim, cujas marcas carregam consigo. Assim, não desejam que os seus filhos sofram de igual maneira. Mas há também jovens mulheres que entendem que não têm aptidão para cuidar de filhos.

A questão está posta e a sociedade britânica a discute de forma até acirrada. Há dois fatores em jogo: a decisão de caráter pessoal e as repercussões na sociedade. Pode-se acrescentar aí um outro fator: as consequências de ordem espiritual, uma vez que espírito e matéria formam um conjunto inseparável. Qualquer julgamento, no entanto, deve considerar caso por caso, seja olhando os dois primeiros fatores, seja fazendo ilações de ordem espiritual. Neste caso, o livre-arbítrio aparece como direito indiscutível do Ser, independentemente de haver consequências sempre que a ação sucede a decisão, pois causa e efeito encontram-se presentes em qualquer situação de livre-arbítrio. É verdade que quando as motivações partem do extremo do egoísmo, visando a atender apenas as imposições deste, não se pode aguardar consequências agradáveis, mas isso quem vai dizer é a própria consciência envolvida nas experiências e não qualquer outra consciência exterior. Entretanto, refletir sobre os fatos é sempre oportuno, seja para conhecer ou para tão-só obter informação.

A matéria completa está aqui: http://www.bbc.com/portuguese/curiosidades-39633215

Desenganados e ainda vivos

O avanço das pesquisas médicas vem dando inestimável contribuição ao enfrentamento das doenças, mas algumas delas persistem levando vidas muito cedo. Espíritos reencarnam para suas experiências no corpo e, com consciência ou não dos obstáculos a enfrentar, vêm-se muitas vezes diante de expectativas e diagnósticos que retiram, num primeiro momento, a esperança de uma vida longa. Alguns, entretanto, descobrem durante os tratamentos como resistir, seja por conta de disposições íntimas, seja por causas outras, e são estes que surpreendem à própria medicina.

Esta matéria que pode ser lida aqui: http://www.bbc.com/portuguese/geral-39625449 – traz alguns desses pacientes que venceram os diagnósticos e continuam em sua experiência terrena realizando conquistas que muitas vezes não eram vistas como possíveis. Resistir e enfrentar são fatores fundamentais para as boas vitórias.

Afinal, o diet faz ou não faz mal?

A manchete parece conclusiva: Consumo diário de refrigerante diet aumenta risco de derrame e demência, indica estudo. A expressão “indica” abre o alerta e a leitura do texto leva à conclusão de que aquilo que parece certo não é, de fato, conclusivo. Portanto, antes de decisões e julgamentos é preciso analisar e ir a fundo, para munir-se de elementos capazes de enfrentar a questão. A certa altura, o texto é incisivo e parece confirmar a manchete: “Não foi surpresa descobrir que a ingestão de refrigerante diet está associada com acidente vascular cerebral e demência”. Mais adiante, surge o detalhe – a ditado popular diz que “o diabo mora nos detalhes” – com este esclarecimento: “Os pesquisadores admitem, no entanto, que não conseguiram provar uma relação direta de causa e efeito entre a ingestão de bebidas adoçadas artificialmente e o aumento do risco de derrame e demência”. Do ponto de vista espiritual, informações como estas são importantes para que o Ser possa estar apto a decidir o que fazer quanto à conservação da vida, afinal é no corpo que a experiência fundamenta a evolução de cada um, mas como qualquer decisão, as que dizem respeito ao viver precisam do apoio da reflexão para que resultem em benefícios reais.

 

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *