DIVERSOS + DOWNLOAD

Nesta página você encontrará os seguintes documentos:

(role a página para visualizá-los)

 

  • O passado de uma tradução e o futuro da mensagem
  • Uma mensagem especular
  • Pan-americanismo e outros temas, com Leopoldo Machado
  • Pereira Guedes e a Feb
  • Leopoldo Machado, 1939
  • O Espiritismo como Religião
  • Ribeirão Preto, 1928
  • O Espírita e a Política
  • A evolução como justiça, por Vinicius
  • Frases, afirmações e suas fontes
  • Coelho Netto e o Espiritismo

O PASSADO DE UMA TRADUÇÃO E O FUTURO DA MENSAGEM

Em 1976, a edição já estava quase esquecida.

Esta edição de “O evangelho segundo o Espiritismo” causou uma das maiores polêmicas do espiritismo brasileiro.

A tradução de Paulo Alves Godoy para O evangelho segundo o Espiritismo, que gerou intenso debate desde a primeira metade da década de 1970, ainda hoje possui detalhes desconhecidos e, muitos deles, esquecidos. Estava eu, então, no olho do furacão, isto é, vivendo todas as controvérsias dentro da Federação Espírita de São Paulo. Posso, como pude, ter uma leitura diversa daqueles que, do outro lado, aliavam-se a J. Herculano Pires em seu bom combate, ou aliavam-se aqueles outros que preferiam assistir aos debates sentados no muro. Mas pude, ainda, colher fatos e observar situações diretas ou indiretamente ligadas ao acontecimento, numa convivência de bastidores, uma vez que, então, ocupava posição subalterna embora muito próxima do poder. Não participava das reuniões de cúpula, não ouvia nem via as discussões reservadas da diretoria, mas convivia com os principais personagens da Federação e acompanhei justamente ali no caminho por onde deveriam passar aqueles que respondiam pelos fatos. Não como a pedra de Drumond, mas com olhos de ver e ouvidos e ouvir…

Paulo Alves Godoy teve sua tradução condenada.

Paulo Alves Godoy teve sua tradução condenada.

O livro Na hora do testemunho é um documento indispensável para quem deseja estudar o assunto. Herculano Pires o preparou a pedido de Chico Xavier, que desejava fosse toda aquela questão polêmica devidamente registrada para a posteridade, a fim de que não restassem dúvidas a respeito de sua participação no episódio. Tudo começou com o médium mineiro, com sua desatenção em relação às responsabilidades das lideranças mediúnicas, que se estabelecem independentemente de desejarem ou não desejarem ser líderes, como bem observa Herculano. A exposição de opiniões e argumentos sobre assuntos de importância, não poucas vezes, marcam a atenção de espectadores ávidos de soluções imediatas para problemas novos e antigos.

Alguns diretores da Federação Espírita de São Paulo costumavam, assim como outros tantos líderes espíritas de diversos Estados do país, visitar o médium mineiro em Pedro Leopoldo e, depois de sua mudança, em Uberaba, Minas Gerais. Entre estes, Jamil Nagib Salomão, que mais de uma vez ouviu de Chico seus argumentos sobre as dificuldades que certos termos contidos em O evangelho segundo o Espiritismo apresentavam ao entendimento do leitor e dos ouvintes.  Em 1973, Jamil Salomão foi ter outra vez com Chico Xavier, mas agora em companhia de Paulo Alves Godoy, que estava certo de poder fazer uma nova tradução desse livro da codificação espírita, em acordo com as ideias de Chico Xavier. E Chico confirmou, novamente, sua opinião, dando a Godoy o sinal que este queria para continuar o trabalho que já estava em desenvolvimento.

Pouco mais de um ano depois, em 1974, uma bomba de proporções ciclópicas estoura: a Federação Espírita de São Paulo lança uma nova edição de O evangelho segundo o Espiritismo, com a tradução de Paulo Alves Godoy e sua proposta de atualização da linguagem. Ninguém jamais poderia imaginar as consequências dessa edição, nem as reações públicas que suscitaria, num contexto de mudanças em andamento ou gestação. O Brasil de então vivia sob o regime militar ditatorial exacerbado, a ideia da aldeia global, de McLuhan, se expandia e chamava a atenção, despertando sentimentos e desejos. Dois ingredientes importantes, pois: o autoritarismo que fazia escola e a noção de que o mundo se tornara pequeno diante do poder da comunicação. Ambos vão influir nos fatos relacionados à edição do novo livro, uma vez que este vai ser gestado no silêncio e publicado de repente, sem qualquer possibilidade de reflexão mais acurada antecipadamente, e está diretamente comprometido com o desejo de comunicar o Espiritismo a um público amplo, por que não, global.

O lançamento deste novo Evangelho parecia atender às vozes que queriam ser ouvidas de alguma forma e os corredores da antiga sede da Federação Espírita de São Paulo borbulhavam de pessoas dos mais variados matizes culturais, ávidas de expressão, numa imagem turva mas pungente. O busto em bronze de Allan Kardec, colocado num canto de um desses corredores, bem ao lado da porta que dava para a Secretaria Geral e a Sala de Reuniões da Diretoria, já estava com a testa desbotada pelos afagos e beijos daqueles seres agradecidos que passavam por ali, aos montes, após o término das reuniões públicas do Salão Bezerra de Menezes, muitos dos quais se persignando a relembrar antigos ritos católicos.

De seu posto jornalístico no Diário de S. Paulo, Herculano Pires levantou a voz com força e bradou contra aquela que chamou de edição adulterada, criminosa, lesiva, desrespeitosa, sem ética, balançando os alicerces do velho prédio da rua Maria Paula e mudando, completamente, os ares internos. A festa estrondosa pelo lançamento de uma obra admirada a preço baixo e com uma linguagem atualizada logo desapareceu, dando lugar a um sentimento de perplexidade geral. Os diretores e seus assessores foram convocados às pressas para analisar a questão e responderem ao respeitado jornalista. A confusão se aprofundou e quase afundou a instituição. Uma pesada nuvem de contestações e revolta tomou conta da casa e por cerca de dois anos permaneceu por ali.

As primeiras reações se fizeram ouvir e por conta dos ânimos exaltados ultrapassavam as paredes da sala de reuniões da diretoria. O velho Kardec de bronze em seu posto foi testemunha de acordos e acusações, mas, pesado como era, nada podia fazer. A cúpula da Federação preparava sua resposta e seus principais nomes eram: Carlos Jordão da Silva, Luiz Monteiro de Barros, Reynaldo Pinheiro, Jamil Salomão, Manoel Laerte Dias. Este último, considerado um bom escriba, era sempre convocado para preparação de textos finais. As primeiras manifestações foram verbais e para justificar o lançamento da obra os argumentos variavam segundo os interlocutores e seus sentimentos. Houve mais de um que garantia que o jus isperniandis de Herculano se dava por conta de haver tido sua tradução recusada e perder com isso dividendos autorais.

A Federação, porém, precisava publicar um documento oficial unificando sua posição e para isso, curiosamente, o escriba admirado e ao mesmo tempo possuidor de uma linguagem retrógrada, Manoel Laerte Dias assumiu sua escrivaninha e na velha e pesada máquina Underwood teclou letra por letra de um texto amplamente debatido e exaustivamente alterado até seu modelo final. Tinha por título: O Evangelho Segundo o Espiritismo em edição da FEESP. A intenção era debelar o incêndio definitivamente, com um só extintor, de modo a poder limpar os escombros e retomar sua rotina o quanto antes. O sexto e último item do documento estava claro: era a primeira e última vez que a Federação falava a respeito de tão tumultuado tema. Malgrado isso, ficaria ela no fulcro das discussões por dois longos anos, até que resolvesse abandonar de vez a ideia de prosseguir com as edições da nova tradução.

O documento oficial da Federação Espírita de São Paulo.

O documento oficial da Federação Espírita de São Paulo.

Mas o primeiro item denunciava o clima e confirmava a acusação contra Herculano, sem o nomear. Por mais que os diretores da Federação desejassem disfarçar sua perplexidade e mágoa, produzindo um documento de qualidade superior, não conseguiram alcançar esse intento. Diziam, de pronto, que a tentativa de editar o livro a preço baixo, para alcançar um público maior, esbarrava na necessidade de pagar direitos autorais para os tradutores, o que não ocorria com Paulo Alves Godoy. Essa justificativa, porém, não era completamente verdadeira e disso sabiam alguns poucos indivíduos, apenas. Pior, em relação a Herculano Pires era uma mentira, horrível, desaforada, sem justificativa plausível, perpetrada pela falta de argumentos consistentes, na insana luta para fugir de uma responsabilidade que teimava em açoitar os próceres da Federação.

Em 1979, Rizzini colocou em minhas mãos um documento importante. Era a cópia de um documento, intitulado Concessão de Direitos Autorais, escrito e assinado por Herculano Pires e dirigido à Federação Espírita de São Paulo, datado de 1973, na qual este reafirmava a doação dos direitos autorais para todas as obras da codificação traduzidas por ele. Ou seja, Herculano já havia doado os direitos anteriormente e agora, por razões desconhecidas, confirmava a doação. E a Federação fizera uso da doação, editando a obra em três ocasiões: em 1970, a primeira edição de O evangelho segundo o Espiritismo foi de 12 mil exemplares; ainda em 1970, uma segunda edição de mais 12 mil exemplares; em 1971, uma terceira edição de 15 mil exemplares. De posse desse documento, publiquei no Correio Fraterno do ABC uma notícia que repunha a verdade dos fatos, conforme consta do meu livro Sinal de vida na imprensa espírita, edição de abril de 1994.

Chico Xavier pediu a Herculano Pires para escrever este livro.

Chico Xavier pediu a Herculano Pires para escrever este livro.

Rizzini registra o fato em seu livro biográfico de Herculano Pires, no capítulo final intitulado “A grande batalha”, para deixar patente aquilo que o próprio biografado considerava a mais desgastante batalha de sua vida – a da adulteração de O evangelho segundo o Espiritismo. As acusações feitas a Herculano poderiam ser facilmente desfeitas. As provas estavam à mão, os fatos eram evidentes. Mas os acusadores não assinavam embaixo; apenas faziam circular de boca em boca que Herculano era movido pela perda de alguns tostões e não pela razão doutrinária, como queria fazer crer.

Alguns líderes espíritas, desprevenidos, faziam circular a falsa notícia e davam azo às pessoas simplórias para reproduzir a mentira. Um deles, nomeado por Rizzini na biografia de Herculano, chegou mesmo a escrever em carta dirigida a conhecido escritor nordestino que Herculano era vítima dessa ambição monetária, mas caiu na esparrela de autorizar o destinatário a fazer uso da carta como lhe aprouvesse. Amigo de Herculano, o destinatário logo fez chegar a este uma cópia da carta e tendo-a em mãos, Herculano não titubeou; escreveu ao missivista exigindo que ele lhe desse as provas da acusação e os nomes dos acusadores. A carta de Herculano é belíssima, uma verdadeira pérola de honestidade e sinceridade e está reproduzida por Rizzini na referida biografia. Evidentemente, o missivista não foi capaz de fornecer as provas, sequer de escrever pela volta do correio.

Para acusações veladas e insinuantes, feitas de modo sorrateiro, outra coisa não resta ao acusado senão agir como Herculano agiu – exigir a explicitação da acusação e nomear os seus responsáveis. Ninguém teve coragem de o fazer. Por isso mesmo, não se vai encontrar nos escritos de Herculano uma linha sequer sobre essa veleidade inassumida. Não fora o documento da Federação que defende a edição adulterada do Evangelho, nenhum outro existiu em que se pudesse ler, objetivamente e de público aquela mentira. Mas o documento da Federação, como se viu, embora afirme que as traduções existentes então obrigariam ao pagamento de direitos autorais aos seus tradutores, não cita o nome de Herculano Pires, ficando na generalidade, numa atitude auto protetora.

A simbologia do cantar do galo, reproduzida como parábola nos Evangelhos de Jesus, mostra uma parte da realidade do ser humano de todos os tempos. No episódio da adulteração da obra de Kardec a simbologia reaparece na forma de comportamento de amigos, admiradores e lideranças espíritas. Herculano vai assinalar com veemência o fato, para confirmar que na hora nona as fraquezas do homem ressurgem e os levam a claudicar. Demorou, e demorou muito, para que algumas dessas lideranças tivessem coragem de defender a obra de Kardec, aliando-se a Herculano. Muitos, porém, ou se afastaram de Herculano ou puseram-se nas sombras sem delas jamais se afastar, sem falar daqueles que até hoje continuam convencidos de que a adulteração era uma coisa da cabeça do notável professor.

A Federação não deliberou oficialmente excluir aquela edição de seus projetos; foi conduzida a isso pela força dos fatos. E deixou o assunto esfriar. Dois anos após, ou seja, em fins 1976, já não se falava mais em imprimir a tradução de Paulo Alves Godoy. Em 1978, o livro Na hora do testemunho, trazendo as declarações de Chico Xavier e o seu reconhecimento de parcela de culpa no episódio, enterrou de vez a questão. Mas Godoy não se livrou do peso da culpa pela tradução. Anos mais tarde, conversando com ele, perguntei-lhe se teria coragem de refazer a tradução, aceitando humildemente os erros e corrigindo-os. Ficou pensativo por uns instantes, mas depois balançou a cabeça negativamente, suspirou fundo e prosseguiu a passos tímidos em direção a sua residência. Não sei dizer se continuava convencido da lisura do seu trabalho ou se de fato não tinha forças suficientes para refazer aquela obra que lhe dera tantos dissabores. Nas vezes em que foi levado a se pronunciar publicamente sobre o assunto, afirmou estar convicto de que fizera um trabalho da mais alta qualidade. Em outra ocasião, disse-me ele que aceitara fazer a tradução convencido pelos amigos, mas sabia que seus conhecimentos da língua francesa eram dos tempos do colégio…

As tentativas de modificar os textos kardequianos não terminaram aí. Nos anos 80, Roque Jacintho fez por sua conta e risco uma nova tradução de O evangelho segundo o Espiritismo suprimindo partes que julgava fora de uso, como foi o caso daquele texto que analisa do ponto de vista moral os antigos duelos. Mas esse é um assunto para outra ocasião.

UMA MENSAGEM ESPECULAR

 Tenho em meu poder os originais de uma mensaMensagem especular 1gem especular obtida por meio da psicografia. Quem a detinha era Jorge Rizzini e veio às minhas mãos por ocasião da edição do livro Kardec, irmãs Fox e outros, que o Rizzini confiou-me a produção e as editoras EME e Eldorado lançaram em 1994. Sobre detalhes e curiosidades sobre este livro, convido o leitor a ler Muito além das sombras, livro em que relato minha convivência com o Rizzini e cujo download pode ser feito aqui mesmo neste blog.

Rizzini conta que fora a Maceió para cumprir um roteiro de palestras em 1985. Lá Mensagem especularconheceu a médium Patrícia dos Santos, então estudante de Direito, já casada e com apenas 20 anos de idade. Vamos ao relato que o próprio Rizzini faz no referido livro.

“Outra façanha não menos surpreendente, temos em uma mensagem que Patrícia psicografou às avessas e que só pode ser lida com o auxílio de um espelho e, por isso mesmo, tem de ser classificada de “mensagem especular” – especular e, evidentemente, espetacular… Chico Xavier fez o mesmo em 1937 na Sociedade Metapsíquica de São Paulo na presença de seiscentas pessoas e em inglês, língua que ele desconhecia. A mensagem psicografada por Patrícia, no entanto, começa de baixo para cima! E da direita para a esquerda, em ordem inversa. E ocupa duas laudas… Ela se inicia, pois, na última linha da segunda lauda. E a assinatura do Espírito, encerrando-a, vem na primeira linha da primeira lauda. Esse curioso engenho psicográfico obtido em sessão na Federação Espírita do Estado de Alagoas parece uma façanha até então inédita. Tratamos de seu aspecto formal, mas o conteúdo merece, também, ser posto em evidência. Eis o que a caneta esferográfica, manipulada pelo Espírito Murilo Alves, escreveu da direita para a esquerda e de baixo para cima, sem que Patrícia, em transe, tomasse conhecimento:

É com muita alegria que aqui venho para lhes falar da imortalidade da alma. O Deus Pai, Criador Eterno, em sua infinita misericórdia nos permitiu aqui nos reunirmos para atestar com a maior clareza a realidade maior do mundo espiritual. Sei que muitas vezes as dúvidas assomam o nosso espírito, no entanto basta o silêncio e uma prece para que a realidade incontestável da vida maior nos bata ao coração para que sintamos a eternidade da nossa vida. O maior legado que o Pai nos deixou é a certeza de que a vida continua para que possamos através de sucessivas experiências burilarmos nossos espíritos no obrigatório ajuste de contas com a nossa própria consciência”.

PAN-AMERICANISMO E OUTROS TEMAS, COM LEOPOLDO MACHADO

Capa ObservaçõesConheci Leopoldo Machado quando ele já não estava no corpo físico há mais de três décadas. Foi com surpresa que ele apareceu numa reunião mediúnica e começou a conversar sobre o movimento espírita brasileiro. De tudo o que disse ele na ocasião (relato alhures) guardo muito bem suas palavras acerca de ter sido um amante e esgrimista da palavra escrita e falada.

Ao fazer essa afirmação, Leopoldo parecia querer dizer mais do que realmente ficou expresso. Nas entrelinhas, percebi um certo desgosto, uma certa reprovação a si mesmo. Mas então ele já era um outro homem, numa outra circunstância, talvez já projetando um futuro próximo ou distante, quem sabe planejando-o.

O Leopoldo Machado que atuou no movimento espírita está espalhado hoje por páginas quase apagadas, rotas, amarelecidas pelo tempo implacável na sua aliança com o oxigênio e insetos. Em “Observações e Sugestões”, opúsculo editado em 1947 e que tem por subtítulo “Estudos, críticas construtivas e planos de ação”, aparecem nada menos do que dez escritos dele, alguns bastante curiosos.

É o caso, por exemplo, dos dois últimos, a que Leopoldo denomina decálogos. São modos de ver o ser humano pelo prisma das virtudes, que a mão com a pena rabisca no papel. O “Decálogo do homem excepcional” apresenta o ser no mundo como modelo, como exemplo de uma práxis possível. Já no “Decálogo de espiritismo de vivos” é o homem à procura do farol para iluminar a estrada por onde, pensa ele, a doutrina deve passar para atingir a sociedade.

Neste último decálogo há duas “regras” interessantes; a primeira, que diz: “Doutrinação de encarnados, pelo estudo da doutrina espírita e do Evangelho do Cristo a fim de que, desencarnados, não precisem aparecer às sessões mediúnicas para serem doutrinados. E, às vezes, depois que obsidiam…”. E a nona, assim escrita: “Libertar o espiritismo do mediunismo inexpressivo, que procura condicionar a ele, somente, as finalidades da doutrina”.

O contexto em que Leopoldo viveu apresentava como característica um componente mediúnico diferente dos dias atuais. Era comum, então, os centros espíritas surgirem e se desenvolverem em torno de um médium, o que gerava, não raro, distorções difíceis de serem corrigidas, especialmente pelo pequeno apelo ao estudo da doutrina. Neste ambiente, o médium constituía o centro das atenções e o fenômeno mediúnico era a grande atração.

Mas há, ainda, dois outros textos de Leopoldo Machado neste opúsculo que chamam a atenção. Na crônica que abre o livro, intitulada “A reforma social e a mulher”, o autor percebe a mulher soltando-se dos limites domésticos da mãe de família e saindo para o exterior, numa conquista de espaço e poder. Mas preocupa a Leopoldo duas coisas: a educação dos filhos, que entende cabe muito mais à mulher, e a inserção dela neste mundo de competições, tão voraz e violento, que deveria pertencer apenas ao homem. Daí defender que a mulher deixasse de lado essas coisas e mantivesse a sua presença no lar em tempo mínimo para responder por suas ocupações principais. Como se vê, o mundo não seguiu o conselho de Leopoldo.

Por fim, assinalo o outro texto que chama a atenção, já pelo seu título: “Pan-americanismo cristão”. Neste, Leopoldo faz uma defesa da Cepa – Confederação Espírita Pan-americana e aponta para o seu aparecimento no ano anterior, 1946, como resultado do 1º Congresso Pan-americano realizado em Buenos Aires.

A fundação da Cepa causou grande repercussão no Brasil e levou grandes preocupações à Federação Espírita Brasileira, Feb, preocupações essas que aumentariam dois anos depois, em 1949, com a realização do 2º congresso na cidade do Rio de Janeiro, com a adesão de inúmeras lideranças brasileiras, mas tendo a oposição da Feb, que atuou nos bastidores para esvaziá-lo e, por fim, agiu no sentido de unir algumas lideranças presentes, então, na cidade maravilhosa com um projeto intitulado “Pacto Áureo”, cujo anúncio de sua concretização fez chegar ainda ao plenário do congresso.

Leopoldo empenhou seu nome em defesa da causa da Cepa, mas não a via como uma instituição comprometida com o pensamento laico; pelo contrário, como se observa no título do texto. Ocorre, porém, que na base do pensamento de Leopoldo estava a liberdade como fundamento inalienável do ser.

Dois anos depois, Leopoldo acabaria convencido a integrar a “Caravana da Fraternidade” e tornou-se um dos mais ativos espíritas na sua missão de levar a notícia do Pacto Áureo às diversas regiões do país. Essa, porém, é outra história.

Para fazer o download do livro, clique aqui.

 

 

PEREIRA GUEDES E A FEB

Capa Uma FarseA história do espiritismo é a história de homens, doutrina e instituições. Os três em sua conjugação ou isoladamente. Denis lembrou da participação decisiva dos homens nos destinos da doutrina espírita, atribuindo-lhes a responsabilidade pela qualidade do seu futuro. Kardec não vislumbrou diferente, especialmente porque, já no seu tempo enfrentava os conflitos das relações humanas decorrentes da interpretação do conhecimento codificado na linguagem escrita.

Muitos pensadores, com razão insofismável, atribuem à capacidade imaginativa e sonhadora do homem a condição natural para suas conquistas e crenças, mas não se pode deixar de dar razão aos que alertam para que os sonhos não tirem o indivíduo do chão em que pisa e vive, sob o risco de ser levado pelos ventos da ilusão.

A moral que decorre da filosofia espírita insere-se no grande livro da ética universal, aplicável a qualquer tempo e civilização, conhecimento e cultura. A moral cotidiana, contudo, padece de universalidade por estar relacionada aos documentos legais e à realidade vivida, ao mundo da vida, onde o homem constrói e se reconstrói na experiência repetitiva da formação de sua bagagem e progresso.

Quando se fala, portanto, do homem e seu cotidiano, mesmo que se revele lances que não se coadunam com a ética universal, lances esses chocantes para os que vivem do ideal da perfeição, temos que convir que eles estão registrados e constituem uma parte da história que não pode ser desprezada. O homem do cotidiano é o homem no mundo, na dura realidade dos embates e dos desejos, dos projetos e das conformidades.

É o caso do documento que apresento aqui. “Uma farsa”, escrito por Pereira Guedes, é uma edição do autor publicada em 1950, que relata os bastidores de uma assembleia para mudança estatutária realizada em 1949 na Federação Espírita Brasileira (Feb). Apresenta, ainda, um manifesto de apoio escrito por outra figura de destaque do espiritismo de então, Sousa Prado.

Pereira Guedes não se limita a relatar a assembleia e suas peculiaridades ou a demonstrar sua profunda insatisfação com os desfechos provocados. Vai em busca do histórico de vida profissional e pessoal da personagem central dos acontecimentos, o então presidente da Feb, Wantuil de Freitas e expõe as relações entre o comportamento do homem e o do presidente, como quem revela a existência de uma mesma lógica moral a presidir ambas as situações.

Quando o homem comum afirma que “à noite todos os gatos são pardos”, ou quando descobre que “para um criado de quarto não há homem perfeito” expõe a dureza existencial da individualidade espiritual no corpo físico. Neste momento, os mitos se esboroam mas o ser vislumbra de modo mais efetivo a vida e seus desafios.

Muitos não vão ler este documento com bons olhos, mas a história não pode ser relegada a um plano menor, visto que ela é o registro necessário para fazer luzes ao presente e auxiliar o homem na construção do seu destino. O documento aí está para comprovação, comparação e reflexão. Não tenho informações dos seus desdobramentos ou das repercussões que possa ter causado à época em que foi escrito e publicado. Conversas com co-protagonistas de então sugerem que os fatos contém boa dose de verdade.

Cabe ao estudioso e eventual interessado concluir.

Para download do livro clique aqui.

 

LEOPOLDO MACHADO, 1939

capa o Espiritismo é obra de educação Estudar o espiritismo é, de certo modo, trazer a doutrina para o seu campo de visão; é interpretá-lo a partir do seu momento, da sua cultura e dos seus sentimentos. Aproximações e distanciamentos, recortes maiores ou menores são situações inerentes a cada um. O poeta, o romancista e o pesquisador, o historiador e o homem do povo serão tocados e tocarão as ideias que recebem conforme seus valores em relação à vida e o conhecimento.

E o professor, o que fará? Provavelmente, verá no espiritismo os traços, mais fortes ou menos fortes, de uma obra pedagógica. Neste particular, a condição de Rivail como pedagogo, será fundamental para que essa visão seja despertada? Não; a titulação do homem pode constituir reforço às suas ideias, mas sem estas e sem que as ideias possuam as virtudes da verdade os títulos perdem expressão.

Herculano Pires, Vinicius, Eurípedes Barsanulfo e Leopoldo Machado formam entre aqueles que tomaram o espiritismo e o adjetivaram como “obra de educação”. Que, de fato, também é. Vinicius, lá no início do século XX, já defendia essa convicção que alimentou durante os oitenta e oito anos de sua existência no corpo físico. Herculano Pires foi o mais fértil de todos e o que mais empregou esforços intelectuais para refletir e teorizar sobre a importância da doutrina espírita como nova base pedagógica.

Barsanulfo viveu poucos anos, mas o suficiente para construir a primeira escola fundamentada no espiritismo, isso lá no interior de Minas Gerais, numa pequena cidade chamada Sacramento, que fica quase na divisa com o estado de São Paulo. Ambos, cidade e professor, se projetaram no cenário brasileiro por conta daquela escola a que denominou Colégio Allan Kardec.

Leopoldo Machado está hoje quase esquecido pelos espíritas contemporâneos. Teve, porém, grande expressão em seu tempo. Atribui-se a ele, entre outras coisas, o surgimento das primeiras mocidades espíritas no Brasil. Era professor e proprietário de um colégio na cidade de Nova Iguaçu, interior do Rio de Janeiro.

Seu livro “O Espiritismo é Obra de Educação”, publicado em 1944 pela Editora O Clarim, fundada pelo Cairbar Schutel, é um opúsculo que já entrou para o rol dos documentos raros. Trata-se, na verdade, de uma tese que Leopoldo elaborou e apresentou no I Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas realizado em 1939, no Rio de Janeiro, sob inspiração do inesquecível Deolindo Amorim. Este é um ponto interessante, pois tem-se em mãos um texto-tese daquele evento que inaugurou no Brasil a era dos congressos espíritas e, com isso, rompeu a inércia neste campo e proporcionou a que o espiritismo fosse debatido para além das quatro paredes das instituições.

O documento permite diversas reflexões, entre as quais o viés religioso adotado pelo autor, já então dominante no país, bem como parece ter sido a fonte donde nasceu o caderno preto que foi instituído nas Escolas de Aprendizes do Evangelho da Federação Espírita do Estado de São Paulo (Feesp), caderno este que recebeu intensas críticas de uma parcela de pensadores espíritas. Ele está sugerido por Leopoldo Machado na página 60, com o título de “caderno de boas ações”, enquanto que na Feesp passou a ser utilizado com uma capa na cor preta, daí o seu designativo curioso. A diferença entre os dois cadernos parece estar no método empregado na sua utilização: Leopoldo sugere que nele se façam as anotação das boas ações praticadas pelo aluno na semana, enquanto que na Feesp o aluno deveria anotar as mazelas ou defeitos da alma e, à medida que julgava ter superado alguma efetuar esse registro.

Para ler o livro e fazer o download, clique aqui.

O ESPIRITISMO COMO RELIGIÃO

Capa O espiritismo como religião Questão antiga, controversa, debatida, reivindicada e descartada. Mas sempre presente, desafiadora, com aspectos de “imortalidade”. Vamos a 1953, quando a capital paulista ainda justificava o título de “terra da garoa” e a Federação Espírita (Feesp) havia ganho a batalha da implantação dos cursos regulares de espiritismo, Edgard Armond no comando.

O tempo desbota as cores até transformar tudo em preto e branco, mas o mundo sempre foi e é multicor, multidiverso e dinâmico. O cenário de então estava rodeado de fatos recentes de marcada influência. Em 1947, os espíritas paulistas haviam dado à luz a União Social Espírita, depois União das Sociedades Espíritas (Use). Em 1949, dois acontecimentos simultâneos: a realização no Rio de Janeiro do II Congresso Espírita Pan-americano, marcadamente laico, e a celebração do chamado Pacto Áureo pela Federação Espírita Brasileira (Feb), como contraponto ao congresso pan-americano. Em 1950, a Feesp vê seu prestígio se solidificar com a implantação vitoriosa dos cursos regulares de espiritismo.

Neste cenário, a Feesp publica, em 1953, o opúsculo “O Espiritismo como Religião”, que nada mais era do que a tese do médico Luiz Monteiro de Barros apresentada no II Congresso Espírita Mineiro, de outubro 1952, realizado em Belo Horizonte, acolhida e aprovada.

Na apresentação do opúsculo, Edgard Armond justifica sua publicação declarando que a tese expressa a visão do espiritismo como religião defendida pela Feesp. E afirma que havia apresentado ao congresso espírita pan-americano do Rio de janeiro outra tese semelhante, de título “Prevalência do Espiritismo Religioso”, tese esta que sequer chegou a ser discutida no referido congresso “por causa da oposição que ali encontrou desde início”.

“O Espiritismo como Religião” compõe-se dos seguintes documentos: 1) a apresentação assinada por Edgard Armond, secretário geral da Feesp; 2) mensagem mediúnica atribuída a Emmanuel e recebida por Chico Xavier ao final do II congresso de Belo Horizonte; a tese do médico homeopata Luiz Monteiro de Barros; 4) a transcrição, com comentários, da opinião de Charles Richet ,considerado o fundador da Metapsíquica, contida no seu livro “Au secours”, em que defende a necessidade de uma religião pelos homens, critica todas as religiões de então pela sua incapacidade de praticar a fraternidade que proclamam e, com ironia, diz: “Esperemos pelo mundo novo que entrevemos em nossos sonhos do porvir ali pelos 2.035, 20.350, 203.500… que sei eu? Conhecerá ele uma nova religião?”

Monteiro de Barros (ou Edgard Armond, não está claro) conclui o opúsculo com a afirmação de que o espiritismo é a religião dos sonhos de Richet, porque, afirma, possui bases científicas, as mesmas que Richet defende.

O opúsculo pode ser lido na íntegra e copiado livremente AQUI

 

 

 

 

RIBEIRÃO PRETO, 1928

 Capa A religião no larA volta ao passado pode ser uma realização, uma frustração ou pura perda de tempo. Quando o passado revela-se como esclarecimento, realização; quando mostra o que não gostaríamos, frustração; quando não diz nada, perda de tempo.

Voltar ao passado pode ser questão de necessidade, de curiosidade ou mera bisbilhotice. Quando é preciso esclarecer fatos obscuros, necessidade; quando se deseja saber como os fatos se deram, curiosidade; quando o interesse é de apenas desvendar intimidades, bisbilhotice.

Seja qual for o motivo do seu interesse ou desinteresse, aqui está um documento assinado e datado por Vinicius, o espírita. Para mim, realização e necessidade, porque entendendo o passado, tendo a compreender melhor o presente.

Vinicius teve seu prestígio reconhecido muito cedo nos meios espíritas, como orador de grande capacidade de emocionar o público, mas também pela capacidade de construir raciocínios e provocar reflexões. Era capaz de desenvolver temas sociais, políticos e outros, mas dominavam-no dois grandes temas: educação, como base, e a moral, enquanto ética.

Ambos, educação e ética, tinham em Vinicius o guarda-chuva dos Evangelhos e, este, de acordo com a Doutrina Espírita. Eram sua predileção, seja na oratória, seja na escritura. Seus livros são uma prova irrefutável do interesse que a figura de Jesus ornava sua mente e orientava seus passos.

“A religião no lar”, documento que publico aqui, foi o texto que escreveu para uma palestra na cidade de Ribeirão Preto, interior do estado de São Paulo, antes como hoje, cidade de grande importância econômica para a região. A motivação na época foi o casamento dos filhos de amigos da região, casamento que se realizara no dia anterior à palestra, essa feita, como se observa no registro da capa do folheto, no Cine Ideal.

A linguagem empolada reflete bem a cultura da época mas não esconde a inteligência do seu autor, nem seus conhecimentos e menos ainda seus sentimentos elevados. Vinicius tinha convicções claras, honestas, sensíveis e as defendia com argumentos providos de lógica e virilidade. Pode-se discutir suas convicções, mas não se pode ignorar a sinceridade de seus argumentos.

O exemplar que reproduzo tem uma particularidade especial: publicado pelo Clarim, editora de Cairbar Schutel, em 1929, está com inúmeras anotações feitas s mão por Vinicius. A começar pela capa, onde aparece a anotação “26 anos!”, cuja razão desconheço. Imagino que possa ter sido feita para registrar o momento, apenas, quando Vinicius, talvez surpreso, constata o tempo decorrido entre a palestra e aquele momento. Se tal for verdadeiro, a anotação nos leva ao ano de 1954.

As anotações feitas a partir da página sete, quando o discurso começa, são mais claras em seus objetivos: Vinicius faz uma adaptação no texto, escrito para ser dito em determinada época, com a finalidade, agora, de levá-lo ao rádio. O que marca esse objetivo é a primeira anotação, que substitui os cumprimentos protocolares: “Exmas. Senhoras – Meus Senhores – Presados Confrades”, por “Prezados rádio-ouvintes”. O texto inteiro recebe anotações, alguns trechos são eliminados e outros substituídos.

Levando-se em consideração, como anoto em meu livro biográfico de Vinicius, que ele atuou no rádio, na capital paulista, no período de 1939 a 1942, primeiramente dirigindo e apresentando um programa espírita na Rádio Educadora Paulista e depois, em 1940, na recém-fundada Rádio Piratininga, emissora essa que ficou conhecida como a “rádio dos espíritas”. As alterações no textos indicam que ele foi preparado para esse segundo período radiofônico de Vinicius, que durou cerca de dois anos.

Para os interessados, o documento está disponível para leitura e download AQUI .

Maiores subsídios sobre Vinicius em “Vinícius, educador de almas”, Editora EME, Capivari, SP.

 

 

O ESPÍRITA E A POLÍTICA

 Capa O espírita e a políticaVocê que gosta de pesquisar as raízes da história vai se interessar por esse documento. A memória, importante para a visão da vida, quando se perde ou se transvia deixa-nos órfãos. O espiritismo brasileiro tem sua trajetória gravada, embora nem sempre seja fácil encontrar os documentos que contam os passos dos homens que fizeram, no seu tempo, a tentativa de materializar os sonhos com projetos que tiveram repercussão e depois desapareceram, por conta das mudanças sociais.

Houve um tempo em que o Brasil se fazia preocupação dos espíritas em termos de política, dado que a realidade do país contrastava com os ideais emanados da doutrina. As leis morais, de O Livro dos Espíritos, expressam propostas que não são contempladas, ainda hoje, seja pelo Brasil seja por grande parte das nações do mundo.

Alguns adeptos, individualmente, se lançaram na árdua tarefa de pleitearem mandatos junto aos parlamentos e poderes executivos, subsidiados pelo ideal de fazer uma política diferente e, com seus exemplos, contribuírem para a mudança de um quadro que ajusta interesses grupais e poucas vezes contempla interesses públicos.

A década que compreende o período de 1951 a 1960 foi de intensa movimentação nos meios espíritas para conciliar o pensamento da doutrina, com suas leis da natureza, e o pensamento político, com sua realidade nem sempre tolerável.

Afinal, qual é o compromisso político do adepto do Espiritismo? Essa dúvida não foi ainda resolvida, embora nos dias atuais a parcela de espíritas mais ativas aceite – parece ser esta a verdade – que o espírita tem compromissos sóciais e políticos impostergáveis, pois são cidadãos que participam da sociedade e possuem responsabilidades como todos os demais cidadãos.

Na década aludida, as coisas não estavam tão claras. Os debates entre os espíritas se intensificaram de tal maneira que estabeleceram conflitos intensos, pois havia de um lado aqueles que entendiam que o Espiritismo poderia criar um sistema de participação política dentro do sistema vigente, ou seja, criando o seu partido, movido por propostas que nenhum outro contemplava e por ideais que visavam estabelecer os direitos de todos segundo os ditames das Leis Naturais. Do outro lado se colocaram os que entendiam que a participação na política partidária era adstrita à individualidade, que poderia assumir compromissos por si mesmos sem a vinculação institucional.

O documento que lhes trago é dessa época. Nele estão estabelecidos os ideais de uma instituição criada para ser um partido político de caráter espírita, cujo objetivo máximo era modificar a realidade perpetuada por grupos políticos que mantêm o poder à custa de consensos não aceitos do ponto de vista ético.

O documento se intitula “O espírita e a política” e data do ano de 1953. Conta a história da criação da “União Evolucionista Cristã – UNEC”, um misto de sociedade espírita e partido político. E traz em seu texto o registro da participação de nomes expressivos do Espiritismo da época, entre médiuns e líderes, num esforço de ganhar presença no terreno que sempre foi controverso. Sua repercussão não se limitou à geografia brasileira, estendendo-se além-fronteiras.

Se você se interessa pelo assunto não pode deixar de ler o documento, que teve imensa repercussão e desdobramentos conflituosos. O Espiritismo pugna pelo ser interexistencial e multiexistencial, como deixou claro Herculano Pires, mas os sistemas que imperam na sociedade desconsideram ambos e são, por isso, deficientes. O espírita, como ator social, está comprometido com essa realidade e possui, portanto suas responsabilidades. A questão que se coloca é: quais são os limites da atuação sócio-política dos espíritas. Não se discute mais que ele é um ser do mundo e precisa se colocar no mundo; discute-se, agora, como deve atuar e enfrentar as forças adversas para implantar a justiça e a liberdade, dois princípios fundamentais da dignidade humana.

Para ler o texto completo e fazer o download, siga o endereço:

http://pt.scribd.com/doc/199752366/Os-espiritas-e-a-politica

 

 

A EVOLUÇÃO COMO JUSTIÇA, POR VINICIUS

Capa Vinicius sombraPoucos, nos dias atuais, conhecem Vinícius. À medida que a areia escoa pela fenda estreita do marcador, a distância o vai levando para longe da memória, mesmo por onde passou essa figura de escol do Espiritismo paulista.

Vê-se que não estou me referindo ao poetinha de Garota de Ipanema e tantas outras produções lítero-musicais, cujo centenário de nascimento foi comemorado recentemente. O Vinícius, aqui, é Pedro de Camargo, um piracicabano que encantou quem o conheceu nas tribunas a falar sobre a doutrina que o arrebatou, cuja vida física terminou no ano de 1966.

Em São Paulo, capital, para onde se mudou e desenvolveu boa parte de sua vida, dominou o cenário com palestras constantes na Federação Espírita local, escreveu livros tendo como motivo principal o Espiritismo e apresentou programas de rádio de grande audiência. Quem o conheceu de perto costuma falar que foi orador de grandes recursos e excelentes reflexões, que prendia a atenção da plateia. Tinha grande público cativo nas sessões matinais dos domingos, na Federação Espírita.

Vinícius escreveu alguns livros, que ainda são editados pelo selo da Feb. Com Eduardo Carvalho Monteiro, fiz uma longa pesquisa sobre sua vida e personalidade, do que resultou o livro “Vinícius, educador de almas”. O adjetivo educador se aplica a Vinícius porque foi daqueles que batalharam pela educação no Espiritismo, tendo participado da fundação do Instituto Espírita de Educação da capital paulista e foi seu diretor por muitos anos. Muitas passagens de sua vida de 88 anos são comoventes.

Estou recuperando um texto de Vinícius, intitulado “Criacionismo e Evolucionismo”, datado de 1954, onde o autor realiza uma comparação entre a duas doutrinas e argumenta a respeito da evolução do ser com base no critério da justiça de Deus.

Em formato de bolso, o texto foi publicado e distribuído gratuitamente e constitui documento raro nos nossos dias. Vale a pena ver e ler. AQUI

 

FRASES, AFIRMAÇÕES E SUAS FONTES

Capa O Espiritismo e o Elemento Humano O homem do povo, na sua sabedoria prática, cria expressões que se tornam não raro universais. Uma delas é, sem dúvida, esta: “quem conta um conto aumenta um ponto”. Usada, usadíssima, mas ainda assim sempre disponível a novas aplicações. Virou até título de livro, de site e de projeto cultural.

Lembro a expressão aqui para me referir a uma palestra realizada por Deolindo Amorim, um dos grandes pensadores espíritas, no Centro Espírita Léon Denis do Rio de Janeiro. O ano: 1974. Alguém anotou a fala, fez um resumo e submeteu o texto ao próprio Deolindo, que aprovou. Daí surgiu um opúsculo em branco e preto intitulado “O Espiritismo e o Elemento Humano”, distribuído gratuitamente. Hoje, escasso, por isso raro.

O interessante é que a palestra é calcada em duas expressões amplamente utilizadas nos meios espíritas: “o Espiritismo caminhará com os homens, sem os homens e apesar dos homens” e “o Espiritismo será o que os homens dele fizerem”.

Prudente – quem teve a felicidade de assistir Deolindo falando conheceu seu entusiasmo contagiante, mas cheio de bom-senso – o orador faz uma ressalva inicial de fundamental necessidade: afirma que não sabe se as frases, atribuídas, respectivamente, a Allan Kardec e Léon Denis, foram de fato feitas por eles. Deolindo não sabia dizer se as afirmações eram, de fato, dos dois autores, por desconhecer as fontes.

Hoje se tem notícia mais confiável a respeito das duas frases. A primeira delas não é de Allan Kardec, como ainda se afirma por aí. Ela pertence a Wantuil de Freitas, ex-presidente da Federação Espírita Brasileira (Feb), e pode ser lida em “Introdução ao estudo da doutrina espírita”, livro editado pela Feb, mais exatamente no último parágrafo do capítulo E o porvir.

Sobre a segunda frase, a autoria pertence de fato a Léon Denis e se encontra na introdução do livro “No invisível”, também editado pela Feb com tradução de Leopoldo Cirne. Aqui, porém, o ponto foi aumentado e, pois a frase da tradução está assim grafada: O Espiritismo será o que o fizerem os homens.

A palestra de Deolindo Amorim é interessantíssima e vale a pena ser lida. Faz ele uma reflexão sobre a doutrina espírita e sua relação com os homens, seu presente e futuro.

Para ler ou fazer o download, vá ao endereço: http://pt.scribd.com/doc/199248484/O-Espiritismo-e-o-Elemento-Humano

 

 

COELHO NETTO E O ESPIRITISMO. OUTRA VEZ?

Capa da 1a. edição

Capa da 1a. edição

Sim e não! O fato, verdadeiro malgrado as tentativas de negá-lo, da adesão do escritor Coelho Netto à doutrina kardequiana é do conhecimento dos estudiosos e pesquisadores e já teve seu auge na imprensa brasileira. Não se pode esquecer que Coelho Netto era, na ocasião, considerado o príncipe dos escritores brasileiros e conhecido, também, por sua aversão pública ao Espiritismo. Além do mais, há suficiente material na Internet para abastecer os curiosos. O caso está documentado em livros, como, por exemplo, o de Jorge Rizzini que tem por título “Escritores e Fantasmas”.

Alguns estudiosos da Transcomunicação Instrumental tratam o caso de Coelho Netto como o primeiro em que um espírito, o de sua neta, fala com um encarnado – a mãe da menina – pelo telefone. A afirmação foi dada pelo próprio escritor numa famosa entrevista concedida ao Jornal do Brasil no finalzinho do primeiro quarto do século XX.

Estamos, aqui, interessados em salvaguardar o documento, para que possa ser visto e lido como primário, aquele que não deixa qualquer resquício de dúvida. Trata-se, na verdade, de três documentos em um: o primeiro deles é “A Vida além da Morte”, conferência pronunciada por Coelho Netto no dia 14 de setembro de 1924, impresso em formato de bolso; o segundo documento é, na verdade, o princípio de tudo: a entrevista que Coelho Netto deu ao Jornal do Brasil um ano e pouco antes, ou seja, em 7 de junho de 1923, republicada pela revista Verdade e Luz sete dias depois, ou seja, em 18 de junho de 1923; o terceiro e último documento é a própria revista Verdade e Luz, hoje desconhecida da maioria, então dirigida por um espírita de muito prestígio, o advogado Pedro Lameira de Andrade. Na mesma edição, após reproduzir a entrevista, publica entusiasmado artigo saudando efusivamente a conversão de Coelho Netto.

Coloco-os à disposição dos interessados, para download neste endereço:

http://pt.scribd.com/doc/199039016/Coelho-Netto

13 ideias sobre “DIVERSOS + DOWNLOAD

  1. Sou grato ao articulista e blogueiro Wilson Garcia por nos trazer este importante documento, de auase 100 anos, porem atualissimo. Parabens!

  2. Olá meu amigo W Garcia. É algo muito estimulante tal pesquisa e também nos resultados gratificante. E é uma pesquisa “espírita” propriamente dita (Temos visto muitas pesquisas de natureza histórica, matemática, pedagógica, psicológica, etc. que não são exatamente espíritas – a não ser como objeto, mas que passam como tal). Acharia importante sempre quando se manifestar algo concernente ao espiritismo ou mesmo a um autor espiritual com mensagem psicografada, que possamos ter uma ideia do que realmente está se falando enquanto autor encarnado e espiritual. Temos saber datas precisas de sua vida. Não temos aqui a ideia caso trata-se de Coelho Neto enquanto encarnado ou desencarnado, enquanto produção espiritual ou material, de modo que fica difícil a compreensão sem fazer outra pesquisa. Também quando se dirige ao espírito, mãe, menina, neta… também pareceu meio confuso. Posso lhe dizer que aprecio muito o autor. Na minha adolescência cheguei a decorar versos de Coelho Neto, mais precisamente o poema “As Profissões”: são umas 12 estrofes citanto a cada 2 versos uma profissão no total de 20. Muito bonito, não tinha como não memorizar. E hoje ainda eu sei de cor! Parabens pelo seu trabalho realizado! Sei que via internet tudo fica meio rápido/resumido! Um forte Abraço!!

  3. Parabéns prezado Wilson. Documentos e textos muito interessantes para a memória do espiritismo no Brasil e, portanto, para nossa reflexão. Tenho me dedicado nesses 30 anos ao estudo do espiritismo em suas bases kardequianas e percebemos o quanto necessita ser feito para o resgate de sua história.

    Abraços,

  4. Uma pequena correção sobre a obra Educação, de Leopoldo Machado. O caderno de temas para reflexão e comentários utilizados na Escola de Aprendizes talvez tenha sido inspirado pelo autor. Já a caderneta pessoal (preta ou seja lá que cor seria) foi inspirada nas práticas dos essênios descrita no livro Harpas Eternas e no livro Memórias de um Suicida (Yvone Pereira) , onde está toda a estrutura educativa e ideologia das Escolas de Aprendizes do Evangelho.

  5. Apesar da canseira que dá os históricos dos febeanos,adorei ler e conhecer mais de perto,já que tive de perto gente com esses comportamentos e demorei um pouco a checar as verdades…Parabéns sempre por todo seu trabalho com os livros nos tirando a venda.Compartilhado…

  6. Parabéns Wilson Garcia pela trajetória de vida dedicada à cultura espírita, sempre com muita coragem e discernimento. Tenho acompanhado seu trabalho desde o “Correio Fraterno do ABC” e, dentre tantas abordagens doutrinárias suas, não me esqueço da análise criteriosa da série de livros “Ah,se eu soubesse” (hoje esquecida), psicografada pela médium gaúcha Rose d… e publicada pelo jornal de S.B.do Campo, SP. Abraço do admirador e amigo espírita.

  7. Muito bom trabalho de cunho histórico, os documentos nos servem como subsídios e alargam o conhecimento sobre a história do Espiritismo no Brasil. O episódio vivido por Herculano na FEESP infelizmente não ficou no passado pois os comportamentos lesivos abundam no seio do movimento espírita nos dias de hoje.

  8. Salve Wilson Garcia. Parabens pelo trabalho de divulgação e informação. Você não deve lembrar de mim, mas lhe conheci em Salvador, há alguns anos, quando você veio aqui à convite do IDEBA, à época presidido por Marco Aurélio Medrado. Seria possível disponibilizar essas obras raras em outro site, que não cobrem assinatura para baixar esse material? A memória espírita agradece.

  9. Olá Dorival, muito bom ver você por aqui.
    Quanto a disponibilizar o material do site, fique à bom. Eu lhe agradeço por isso. Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *