Crônica para Kardec

 

Como todos sabem, Sérgio é minha consciência crítica exterior. Já me acostumei com suas ironias e o constante prazer de me azucrinar. Mas agora foi quem se deu mal – ou bem, depende do ponto de vista.

Tendo lido em algum lugar que Kardec está superado, não demorou a buzinar no meu Skype e me perguntar se ainda acredito nele. E como minha resposta foi positiva – e nem poderia ser diferente – foi logo relembrando um dito jornal standard, daqueles antigos e grandes, com uma página inteira onde o autor dizia que a obra de Kardec estava vencida no tempo.

Esperei, pacientemente, que repetisse uma série de anotações, que, diga-se de passagem, eu já conhecia, para então colocar minhas observações.

Sérgio é assim, daqueles que gostam de não ser interrompidos quando falam, mas retrucam sempre que o interlocutor está com a palavra. Sabendo disso, num tom meio que autoritário, disse-lhe antes de iniciar a minha réplica:

– Agora você vai me ouvir em silêncio, caso contrário desligo!

Como o objetivo dele era apenas caçoar de mim, e eu sei disso, ouvi do outro lado um como que rosnado parecido com riso contido. Então, comecei o meu discurso.

– Sim, amigo, você tem razão. Kardec está superado por todos aqueles que não superaram as suas mais frágeis bases filosóficas. E você, com certeza, vai concordar comigo. Veja só.

  1. Você mesmo me diz sempre que se tem uma coisa que você aprecia no espiritismo é a teoria da reencarnação, por achar que ela faz sentido e por entender que sem esse sentido a própria natureza fica pouco compreensiva. Pois bem, que outra doutrina descreve com tanta informação e coerência a tese da reencarnação? Com certeza isso não existe nas doutrinas orientais, que a aceitam; não nalguns filósofos gregos, que assumem a possibilidade da metempsicose; não nos evangelhos, que falam do assunto de forma velada; não no espiritualismo norte-americano, que a esconde; não nos cientistas que se aventuraram a pesquisá-la e pararam nas evidências. Parece-me que o espiritismo continua sendo o grande manual da reencarnação do nosso tempo, ou estou enganado?
  2. Ouvi de você – e sei que não me desmentirá – que há alguma coisa de interessante na ideia das relações entre mortos e vivos. Lembro-me que você mesmo me disse que se eles existem, com certeza se comunicam com os que aqui ficaram. Ah você mesmo aventou a afirmativa de que isso quebra com o mito criado de que morto é morto e vivo é vivo, principalmente depois que um casal amigo seu viveu anos e anos o drama da perda de dois filhos quase simultaneamente. Você contou-me, lembra, de como o casal se reencontrou quando pôde falar com um dos filhos, numa conversa ao pé do ouvido do médium, na qual foram surpreendidos com revelações que abalaram os alicerces psicológicos deles. Logo depois, eles puderam voltar a uma vida minimamente de paz. Ora – pergunto-lhe – onde encontrar tantas informações sobre essas relações entre os dois versos da vida, senão na obra de Kardec? Quem trouxe outras novidades que dispensam as bases oferecidas pela obra organizada pelo mestre lionês? E não me venha dizer, como alguns néscios o fazem, que Chico superou Kardec, porque, se o fizer, direi que sem Kardec Chico jamais existiria, ouviu?
  3. Tá certo, você diz que lê em Kardec sobre Deus e fica perplexo com a falta de aprofundamento filosófico; você pretende ir mais longe, descer à profundidade e subir às alturas, mas esbarra na justificativa de impedimento colocada, que seria por conta das deficiências intelectuais nossas. Mas você não acha que a questão está toda distribuída na obra, na coerência de suas partes, na questão da justiça, do bem e do belo? Que a pergunta primeira – que é Deus? – não se esgota na última linha do último escrito de Kardec, mas se amplia ao infinito em todo o discurso espírita?
  4. Sei que você tem dúvidas sobre a tal de lei de evolução ou progresso; recordo-me de quanto lhe custa aceitar ou entender que o retorno ao corpo é uma fase do cumprimento dessa lei, especialmente – é você quem argumenta – porque a vida física está repleta de conflitos e sofrimentos, mas também de alegrias e esperanças – completo eu. Você diz que se pensar em mundos mais adiantados, então a reencarnação fica mais justa, porque lá, diz você, não haveria nada dessas mazelas todas que existem entre nós. Mas, amigo meu, como viver em comunidades tão justas se decaímos sempre que esbarramos com oportunidades de burlar a lei? Se o fácil nos é ainda muito atraente, muito prazeroso? Se ainda acreditamos que se podemos andar dez passos e alcançar o que queremos é melhor do que andar dez quilômetros, mesmo que o melhor seja andar dez quilômetros?
  5. Por fim – não vamos nos alongar demais, não é? – você mesmo me diz sempre que dá um crédito para as informações do espiritismo sobre a vida após a morte e que a ideia de imortalidade lhe agrada. Mas… tem muitas dúvidas sobre essas pinturas que fazem das colônias espirituais, que – diz você – mais parecem a reprodução da vida na Terra. Se é assim, que de melhor haverá por lá, pergunta. Aqui não vou deixar de lhe dar um crédito, afinal, a vida após a vida é ainda plena de conjecturas para todos nós. Convenhamos, apesar de estarmos muito mais informados sobre o depois da morte, mais do que no passado, este mundo de lá ainda nos traz muitas dúvidas e apreensões, por tudo o que o cerca. Então, só nos resta aguardar o futuro e constatar in loco quando chegar o momento. De qualquer maneira, temos material suficiente para refletir, não é mesmo?

Falei assim, num discurso monológico desenfreado. Estava surpreso com Sérgio ter me ouvido sem retrucar mil vezes, como era normal nele. Fiquei contente com minha autoridade ao ameaçá-lo lá no início. Mas o silêncio ao final da conversa se estendeu tanto que me desconcertou.

– Sérgio, você está aí? – perguntei, desconfiado.

Foi quando percebi que falara sozinho: Sérgio não estava mais ouvindo! Decepcionado, outra coisa não fiz que sair do aplicativo. Melhor tomar um copo d’água, pensei. Mas não deu tempo. Logo o sinal característico do Skype me chamava desesperadamente. Era Sérgio, de volta a pedir desculpa.

– Minha cachorrinha de 16 anos acaba de morrer. Tive que sair correndo para atender ao choro dela, mas deixei nossa conversa gravando. Logo vou ouvir calmamente tudo o que você disse; me aguarde. Vai ter troco!

E quando eu ia desligar, Sérgio, com certo ar de melancolia, perguntou:

– Os animais vivem depois da morte? Vou poder ver a minha Kika quando lá chegar?

 

Publicado em http://www.noticiasespiritas.com.br/2015/OUTUBRO/03-10-2015.htm

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.