Crônica do Sérgio

Sérgio, esse amigo das madrugadas insones, resolveu deitar-se no sofá e fazer de mim seu analista, surdo, totalmente surdo à minha declarada incompetência para casos freudianos.

Leu, é o que imagino, nalgum sitio desses da Internet que oferecem sessões a x por hora e pensou em usar-me para o devido fim sem abrir a burra.

Fiz-me de leso e dei que estava ouvindo, mas não perdi a oportunidade de gravar a conversa para qualquer eventualidade Quantos minutos se passaram, sei não, só me lembro de ouvi-lo esbravejar do outro lado ao fim de certo tempo, exclamando: – Cara, você me deixou falando sozinho, seu canalha! E seguiu-se o tom de linha interrompida do Skype.

Deixei que o dia amanhece para dar-lhe uma lição de moral. Eram seis e meia da manhã quando ele apareceu novamente no Skype, acho que ainda meio sonolento, tanto é que atendeu à ligação sem nem ao menos verificar quem o chamava.

– Canalha, não, menos, disse-lhe com certo ar de arrogância. E completei: – Vê se aprende a respeitar os amigos, cara. E não diga nada, só ouça.

Então, narrei-lhe, tim tim por tim tim, tudo o que ele havia falado aos meus ouvidos na noite anterior. Quando tudo acabou, completei, com ar triunfal: – Pra seu governo, vou publicar tudo isso, goste você ou não goste. E olha, é melhor gostar!

Eis o depoimento de Sérgio. Resumido, claro, pois tem coisas que até mesmo um não psicanalista não revela.

– Hoje eu preciso desabafar e apelo para o seu bom senso de espírita para não me interromper. Eu tinha um amigo, cara, um amigo desses em quem você deposita total confiança e aprende a respeitar.

Eu o admirava pela inteligência, pelo equilíbrio emocional e pela família bonita que tem. Quando nos conhecemos, a empatia foi imediata. Estava eu num evento público quando ele se apresentou interessado em conhecer-me. Estava ao lado da esposa e da mãe, uma senhora simpaticíssima que logo disse ser admiradora dos meus trabalhos acadêmicos.

Dali para frente, estivemos juntos em muitas situações, atividades e trabalhos. Quando sua mãe morreu (vocês, espíritas, gostam do eufemismo desencarnou, não é?), penso que eu senti tanto quanto ele, pois fiquei por muito tempo com aquele sorriso terno em minha memória.

Pô, amigo, o cara agora foge de mim. Descobri isso. Levei um choque de 220 volts e se me lembro fico com o estômago embrulhado.

Depois de se aposentar, ele resolveu seguir carreira política e embarcou para Brasília de mala e cuia. Ganhou um cargo no governo e disse que ia utilizar sua experiência no Terceiro Setor para ajudar as ONGs e associações.

Só que o chefe dele – que coincidência, cara! – é velho conhecido meu, um daqueles sujeitos que descobrem que sua companhia não faz muito bem para as pretensões que ele tem e, por isso, deixam de falar com você.

Tô desconfiado que o meu amigo ficou muito influenciado por ele. Outro dia, tive que ir ao Ministério da Educação e aproveitei para marcar um encontro com este meu amigo, como faço sempre quando tenho que ir lá. Mas ele não apareceu. Na última hora, ligou e deu a desculpa de um compromisso inesperado. É o que ele tem feito nas últimas três vezes. Tudo igualzinho.

Tem mais. No telefone, ele só fala o mínimo necessário. Logo desliga.

Ouvi dizer que o chefe dele está oferecendo-lhe a possibilidade de substitui-lo assim que terminar o seu tempo ali. Será que isso lhe subiu à cabeça?

Meu Deus (cara, até parece que acredito em Deus), como fui ingênuo. Fico pensando, relembrando o passado e vou percebendo coisas que estavam à minha frente e eu nem desconfiava.

É, é isso. Ele já tinha esses projetos na cabeça. Claro, claro, por que eu não via?

Lembro-me do dia que ele pegou um jornal pelas pontas dos dedos, assim como quem tem asco da coisa, e desancou o jornalista, tudo porque tinha lá umas críticas à ONG que ele dirigia. Fiquei impressionado com a cena. Se o sujeito não respeita a liberdade, que mais ele não fará?

Meu amigo não quer mais minha companhia? Não pode ser visto em público comigo? Tem medo das minhas ideias? Desisto, cara, não consigo atinar com as razões. Se sou amigo, sou amigo, para o bem e para o mal. Não é assim que a vida ensina?

É verdade que tenho discordado de algumas decisões do Ministério da Educação e sei que elas passaram por ele. Queria dizer isso pessoalmente, mas parece que ele desconfia e foge sempre que marcamos encontro.

Teve um tempo que ele dizia querer minha companhia em algumas atividades da ONG, mas o mandato dele se esgotou e ele mudou os planos que tinha para o futuro. Por isso, foi para Brasília. Antes, eu já havia colaborado com a ONG, pois acho nossa sociedade muito injusta e egoísta e esse trabalho de solidariedade é muito importante.

Isso eu admirava nele. Ele se empenhava sem ganhar nada financeiramente, lutava, corria aqui e ali para obter apoios, insistia. Cara, ele fazia o que eu sequer tinha coragem de fazer, embora me encantasse com pessoas assim.

Olá, seu comentário será muito bem-vindo.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.