Sob duas sombras: a história e o invisível

Destacado

O RESGATE DO WERNECK


 Eis aí um líder que só aceitava a liderança de alguém que possuísse as características do grande líder. Allan Kardec foi um deles. Tornou-se um espírita tardio e dos poucos que, nestas alturas da vida, logrou penetrar com rara lucidez no abrangente conteúdo do mestre lionês.

 “A minha alma não é propriedade do Estado, nem das seitas. Tenho sobre ela jurisdição absoluta. Não tolero que a guiem contra a minha vontade. Hei de salvá-la eu mesmo, ou ela estará perdida. A menos que forças, livremente aceitas, lhe mudem a direção, ela resistirá aos decretos emanados do poder humano”.

Publicado em 1923, este livro tornou-se verdadeira raridade e o museu que leva o nome do autor dispõe de apenas um exemplar.

Essa feliz e comovente declaração faz parte da profissão de fé contida no livro Um punhado de verdades, livro escrito por Américo Werneck e publicado em 1923, no Rio de Janeiro. E quem era Américo Werneck? Quando me presenteou com o exemplar desse livro em 1981, meu amigo Francisco Klörs Werneck, o grande tradutor das obras de Ernesto Bozzano para o português, me disse em bilhete separado: “Meu tio Américo Werneck, engenheiro civil, deputado estadual pelo estado do Rio, foi convidado pelo presidente do estado de Minas Gerais, Silviano Brandão, para ocupar o cargo de Secretário de Agricultura, Viação, Obras Públicas, Indústria e Comércio, que aceitou. Foi construtor de Lambari e prefeito interino de Belo Horizonte. Em Lambari, a rua principal tem o seu nome e o seu busto. Famoso pelo seu trabalho em Minas Gerais, como o seu primo dr. Hugo Werneck”. Até aí, muito pouco. Alguma coisa sobre a participação política dele e nada sobre o espiritismo. É que não havia tempo na ocasião para as devidas ampliações, pois, quando Continuar lendo

O que tem a ver entre si estes três personagens da história brasileira?

Destacado

ARNALDO VIEIRA DE CARVALHO, HORÁCIO DE CARVALHO E CAIRBAR SCHUTEL

 Nada os ligaria, em princípio, não fosse um detalhe: Arnaldo Vieira de Carvalho teria dado duas mensagens dias após sua desencarnação e foram ambas recebidas no círculo mediúnico de Cairbar Schutel, em Matão. E Horácio de Carvalho era amigo de Arnaldo, conhecia Cairbar e estudava o hipnotismo e o espiritismo. Isso tudo os uniu numa apreciação crítica das mensagens atribuídas a Arnaldo que o Horácio fez e encaminhou, em formato de livro, a Cairbar Schutel. Quase 100 anos depois podemos retomar o fato como uma parte importante da história do espiritismo no Brasil.

À esquerda em preto e branco a capa e à direita a cores a página de rosto. Um livro singular datado de 1920 e todo feito a mão.

 ESPIRITISMO. Análise de duas mensagens atribuídas a Arnaldo Vieira de Carvalho – livro de exemplar único, em escrita manual, datado de 1920, de autoria de Horácio de Carvalho, dedicado a Cairbar Schutel com a seguinte mensagem: “Ao prezado amigo e ilustre jornalista espírita, homenagem de Horácio de Carvalho”. Contém a análise, feita por Horácio, de duas mensagens recebidas mediunicamente no grupo de Cairbar Schutel em Matão, assinadas por Arnaldo Vieira de Carvalho, a primeira delas dois dias após a desencarnação do conhecido médico em São Paulo, e a segunda sete dias após. Continuar lendo

A história em pequenos textos

Destacado

A presente publicação constitui a penúltima etapa de um projeto de divulgação do material que colecionei – livros, revistas e opúsculos, bem como documentos importantes da história do espiritismo – visando disponibilizá-los aos pesquisadores, estudiosos e até mesmo aos curiosos dos fatos espíritas. Apresento 35 opúsculos publicados durante o século XX, alguns bem no começo desse século – escritos na maioria por espíritas de considerável expressão do pensamento doutrinário ou que se tornaram líderes locais e nacionais. Entre eles estão Deolindo Amorim, Leopoldo Machado, Cairbar Schutel, Edgard Armond e  Jaci Regis. Alguns dos opúsculos estão disponíveis na Internet e para tanto ofereço o link para leitura e download; boa parte, contudo, não está com seu conteúdo à mão ou são desconhecidos de grande parte do público, de modo que para os ler os interessados deverão aguardar a respectiva digitalização. A próxima etapa – a última – vai disponibilizar inúmeras obras espíritas hoje fora de catálogo e em grande parte desconhecidas da maioria. Clique para ler

A Verdade é a Luz

Destacado

A segunda época da revista Verdade e Luz, hoje praticamente esquecida, ajuda a recuperar parte importante da história do Espiritismo e a corrigir enganos cometidos na biografia do extraordinário espírita conhecido por Batuíra.

O jornal Verdade e Luz, fundado em São Paulo no final do século XIX pelo português Antonio Gonçalves da Silva, apelidado de Batuíra, teve uma vida e uma história considerável, dividida em duas partes: a primeira época, em que a publicação começou como jornal e quase ao final desse período transformou-se em revista, e a segunda época, quando retornou à circulação após um período de interrupção, como revista de boa qualidade. É desta segunda época que vamos falar, uma vez que ela se encontra esquecida e não conta com registros capazes de serem compulsados pelos pesquisadores e historiadores.

Tenho em mãos 36 exemplares da revista Verdade e Luz, segunda época, correspondendo aos anos 1922, quando foi retomada depois de quatro anos sem circular, até 1926. Tudo indica que saiu do cenário ao final de 1926 e não mais retornou. Seu diretor, Pedro Lameira de Andrade, após esse ano, seguiu como presidente da Instituição Verdade e Luz até a data de sua desencarnação, ocorrida em 1937. Leia mais

A Metapsíquica de Canuto de Abreu

Destacado

No período de maio de 1936 a janeiro de 1937 (datas estimadas, carecendo de comprovação definitiva) a Sociedade Metapsíquica de São Paulo publicou uma revista no formato 16 x 23 cm, em preto e branco tanto na capa como no miolo. A direção esteve a cargo do membro da Sociedade, Canuto de Abreu, hoje reconhecido por seus livros, pesquisas e, especialmente, pela posse de documentos valiosos sobre Allan Kardec obtidos diretamente na França pouco antes da eclosão da segunda guerra mundial, em Paris. Canuto era advogado e médico homeopata, além de formado em Farmácia.

Possuo quatro dos cinco números dessa revista, menos o exemplar de número 1. A publicação saía bimestralmente com material assinado por articulistas reconhecidos e foi nesta revista que Canuto de Abreu deu início a série de artigos sobre Bezerra de Menezes, que depois foi reunida em livro. Além de dirigir e escrever, Canuto de Abreu Continuar lendo

Sinapses, neurônios e arquivos da memória espírita

Destacado

Ao comentar uma das funções das imagens, Jacques Aumont informa que elas provocam a abertura de arquivos da memória, fato que permite o seu reconhecimento através da identificação dos elementos que as imagens contêm pela comparação entre o que está registrado na memória e o que é apresentado pelas imagens. Trata-se de um fenômeno simples e ao mesmo tempo extraordinário porque complexo, que se realiza ao contato do observador com o objeto na rapidez com que os sentidos conduzem silenciosamente ao cérebro os estímulos, provocando a abertura dos arquivos da memória e devolvendo imediatamente à consciência os registros ali presentes, que permitem ao indivíduo realizar a identificação e o reconhecimento, não dos significados da imagem, mas dos seus elementos constituintes. Continuar lendo

Edson Queiroz, Deolindo Amorim e um projeto jornalístico

Edson Queiroz, médium de cura pernambucano, teve grande destaque durante oscnot_5039 anos 1980, no Brasil e além fronteiras. Hoje praticamente esquecido, foi intermediário do conhecido espírito do Dr. Adolpho Fritz, que por muito tempo atuou junto a outro famoso médium, Zé Arigó. Com Edson Queiroz, Dr. Fritz realizou cirurgias utilizando instrumentos cirúrgicos e dispensando a anestesia e a assepsia. Aqui, você conhece um pouco mais dessa história lendo: EDSON QUEIROZ – OS CONFLITOS DA MEDIUNIDADE DE CURA.

Deolindo Amorim, escritor e jornalista, continua sendo uma referência para muitos estudiosos do espiritismo no Brasil. Foi fundador do Instituto de Cultura Espírita do Brasil e idealizador do primeiro Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas, evento que iniciou uma era de valorização da liberdade de expressão e pensamento no Brasil. Aqui está a última correspondência dele, escrita alguns dias antes de sua morte.

A história da imprensa espírita no Brasil revela fatos curiosos e muitas vezes decisivos. O jornal editado pela Federação Espírita de São Paulo, denominado O SEMEADOR esteve diretamente envolvido com a projeção do médium Edson Queiroz e viveu um período extraordinário nos anos 1980. Neste artigo – UM JORNAL, UM PROJETO E UMA POLÍTICA – você fica sabendo um pouco mais desses fatos.

Um jornal, um projeto e uma política

Laurito

Laurito deu o aval para a edição de um jornal mais atuante.

Estamos em 1982 e João Batista Laurito é o presidente da Federação Espírita de São Paulo. Seu jornal O Semeador, dirigido por Paulo Alves Godoy, passa por um período difícil. Godoy está só, sem equipe, e a tiragem de três mil exemplares fica praticamente encalhada, por falta de leitores interessados. O potencial da Federação é enorme e está claramente mal aproveitado. Ali circulavam, na ocasião, cerca de cinco mil pessoas diariamente e um número igual estava frequentando os diversos cursos de estudo do espiritismo oferecidos. As suas livrarias vendiam em torno de 18 mil exemplares de livros mensalmente, constituindo-se no maior ponto de vendas do país, no mercado de livros espíritas.

A bem da verdade, as instituições espíritas, de modo geral, à época, tinham na comunicação um dos seus principais focos de atuação, porém, a consciência das implicações que a comunicação apresenta era quase nula. Fazer jornal se resumia a ter um responsável, juntar as colaborações espontâneas que eram remetidas por articulistas, imprimir e distribuir o veículo. Mesmo instituições como a Federação, com poder econômico, espaço físico e material humano abundante, não disponibilizavam infraestrutura mínima adequada ao fazer jornalístico. O responsável ocupava um canto qualquer de uma sala qualquer num dia qualquer, analisava o material, juntava tudo e entregava à empresa gráfica, que se incumbia da diagramação e impressão. Godoy, como outros, viva as agruras desse processo.

Laurito nos convidou para assumir a direção do jornal em caráter colaborativo, com o objetivo de dinamizá-lo. Estava insatisfeito com a situação, afinal, alcançara o cargo máximo da instituição depois de uma verdadeira batalha eleitoral. O jornal deveria ser o espelho de sua proposta política, mas as condições em que se encontrava não permitiam esse luxo. Entregamos-lhe um projeto, com uma só exigência: fosse o mesmo levado ao conhecimento da diretoria para aprovação, de modo a poder contar com o respaldo político necessário para uma mudança ampla. Quem conhece o funcionamento das instituições do porte da Federação Espírita de São Paulo sabe que os interesses políticos estão em constante litígio e a democracia nelas praticada padece de insegurança permanente. Embora escorado no sistema presidencialista, em que o poder máximo se concentra nas mãos de uma só pessoa, na prática não funciona assim. Cada diretor e cada indivíduo que responde por um cargo de direção, em geral se sente na condição de autoridade máxima, especialmente quando o assunto é comunicação.

Laurito fora corajoso quando decidiu nos convidar para a assumir o jornal, afinal, nos últimos anos as divisões internas haviam se aprofundado como nunca, de modo que nosso nome não gozava da simpatia de expressiva ala de governistas. E, a bem da verdade, ele próprio não tinha noção clara do que seria feito e do que viria pela frente, como os fatos atestam. Sabia, apenas, que nas condições em que se encontrava, o jornal não poderia continuar. E foi bastante convincente ao apresentar o projeto para seus pares de diretoria, conseguindo aprova-lo.

O projeto estava ancorado em três pilares: nova linha editorial, infraestrutura e formação de uma equipe profissional e de colaboradores. Uma imprensa dinâmica não alcança sucesso se ficar nas mãos de amadores de boa vontade e não pode viver apenas de colaboradores espontâneos, como historicamente sempre ocorreu na maioria dos jornais espíritas. A imprensa, não importa onde esteja, tem suas regras, suas técnicas, sua linguagem e os que a fazem precisam ter uma noção clara do interesse público. Imprensa, mesmo sob o rótulo de espírita, não prescinde de liberdade e autonomia, se deseja realmente produzir resultados positivos. A matéria prima da imprensa é a notícia e a notícia não vem à redação; a redação precisa ir atrás dela. Os fatos precisam ser vistos, interpretados e narrados no seu momento e não foi sem razão que Machado de Assis disse que o jornal da manhã à tarde era produto com data de validade vencida.

Pela primeira vez em toda a sua existência o jornal O Semeador passou a contar com uma sala exclusiva, máquinas de escrever, arquivos, dois jornalistas profissionais contratados, um quadro de outros quatro jornalistas estagiários (estudantes de jornalismo recrutados nas faculdades), dois ilustradores, diagramador, equipamentos fotográficos e um plano editorial definido. A primeira edição da nova fase saiu com tiragem de 10 mil exemplares, trazendo reportagem exclusiva, opiniões, notícias e visual atualizado.

As bases de sustentação do projeto estavam lançadas e se completaram com a boa aceitação do público frequentador da Federação: todos os exemplares foram vendidos. Um mês após, em abril de 1982, uma equipe do jornal se deslocou a Salvador, Bahia, para cobertura do VIII Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas, um evento organizado pela equipe de Ildefonso do Espírito Santo. Foi durante o congresso que se tornou conhecido o médium de cura Edson Queiroz, cuja atuação, até então, se restringia ao estado de Pernambuco. Apresentou-se ele para um grupo de convidados fora da programação do evento, demonstrando suas qualidades mediúnicas, desejoso de torna-la conhecida para além daquele estado nordestino. A repercussão dividiu opiniões: entre os convidados para sessão mediúnica estavam alguns membros da Associação Médico-Espírita de São Paulo, que manifestaram seu descontentamento com aquele tipo de mediunidade, não com relação aos fenômenos em si. Mas houve um mal-estar entre eles, por conta de haver o conhecido espírito do Dr. Fritz se pronunciado de forma viril com um dos membros.

A direção de O Semeador encampou uma proposta de levar a São Paulo o médium e a presidência da Federação endossou a proposta. Enquanto isso, os bastidores da instituição começavam a recolher desagrados de alguns dirigentes, que não viam seus trabalhos aceitos para publicação no jornal, por absoluta falta de sintonia entre os escritos e a nova linguagem assumida pelo veículo. E o presidente Laurito precisou, em mais de uma ocasião, mediar os conflitos.

Quando, finalmente, Edson Queiroz se apresentou em São Paulo, numa dupla programação, uma para atendimentos a pacientes previamente inscritos portadores de moléstias diversas, realizada em caráter privado, e outra, no dia seguinte, para atendimento de alguns pacientes em caráter público e cuja assistência seria formada por pessoas convidadas, O Semeador já havia alcançado uma projeção considerável. Mas a promoção da apresentação do médium seria um divisor de águas e desencadearia o fim do projeto do novo jornal. A explicação vem a seguir.

O fato de um médium de cura apresentar-se na Federação Espírita de São Paulo nas condições propostas constituía algo inédito e fora dos padrões, ocasionando um interesse extraordinário de curiosos, estudiosos e pessoas portadoras de doenças. Logo a notícia se espalhou e despertou o interesse de uma grande quantidade de pessoas, fazendo com que o número de atendimentos solicitados extrapolasse em muito ao acordado com o médium, de modo que fora preciso restringir e relação.

No dia 31 de março de 1983, em sala especialmente preparada, Edson Queiroz realizou o primeiro atendimento. Fritz. Convidamos para acompanhar o evento algumas pessoas que já haviam tido experiências com o espírito cirurgião por meio do médium Zé Arigó, entre estes Jorge Rizzini que havia filmado inúmeras atividades e divulgado mundo afora, portanto, conhecera o espírito de perto. Quando Rizzini entrou na sala com os trabalhos em andamento, o espírito se dirigiu a ele de forma particular, fazendo revelações que levaram Rizzini a afirmar com convicção: “este é, de fato, o mesmo Dr. Fritz que eu conheci anteriormente”. Assistimos a diversas intervenções sem assepsia e anestesia, em ambiente de tranquilidade, com as atividades terminando por volta das onze horas da noite.

No dia seguinte, Edson Queiroz exerceu suas atividades mediúnicas no salão nobre da Federação, diante de um grande público, entre os quais estavam a Dra. Marlene Nobre e o então presidente da Associação Médico-Espírita de São Paulo, Antonio Ferreira Filho, diretores da Federação, médicos, psicólogos e pessoas comuns. Deolindo Amorim, então lutando com uma doença, compareceu acompanhado do então presidente da Associação Brasileira de Jornalistas e Escritores Espíritas, Américo de Souza Borges. Haviam apenas dez pessoas selecionadas para atendimento, uma vez que o objetivo do espírito era demonstrar, mais uma vez, as possibilidades do fenômeno de cura nas condições que ele gostava de realizar. A cada intervenção, o espírito explicava para os presentes as particularidades do processo.

Encerradas as atividades, O Semeador saiu imediatamente em edição extra com uma reportagem completa, com fotografias, relatos e opiniões de pacientes e de autoridades presentes. Com grande surpresa para todos, a edição seguinte do jornal Folha Espírita, dirigida pela Dra. Marlene Nobre, trouxe um material com acusações ao espírito do Dr. Fritz e ao médium Edson Queiroz, bem como às intervenções cirúrgicas. Uma dessas acusações dizia que uma das pacientes, operada de um tumor no seio direito, gritava de dor e havia desmaiado durante a intervenção, o que não fora observado por mais ninguém, senão pela Dra. Marlene e pelo Dr. Antônio.

Indignados com a manifestação da Folha Espírita (mais detalhes no artigo sobre Edson Queiroz), lançamos pelo Semeador um editorial com duras críticas ao comportamento dos dois médicos e sua forma equivocada de traduzir para o público o que se passara nas sessões realizadas na Federação de São Paulo.

Por mais duas ocasiões, o assunto voltou à pauta e gerou repercussões fortes, uma vez que a Dra. Marlene e os demais membros da AME-SP prosseguiram com argumentos e acusações descabidas, numa tentativa óbvia de atingir o médium Edson Queiroz, o que de fato acabou acontecendo.

Este fato ocasionou um descontentamento grande na cúpula da Federação. João Batista Laurito não conseguiu contornar as críticas que eram dirigidas ao editor do Semeador e tomou a decisão de destitui-lo do cargo. A forma e o modo como o fez foram inusitados e demonstram como o comportamento que se condena, muitas vezes, na classe política se reproduz, inclusive, nos meios espíritas. Laurito, que convidara a mim pessoalmente para assumir o cargo, desta vez preferiu chamar o Paulo Alves Godoy e recoloca-lo no cargo, dando-lhe, como incumbência, a tarefa de, ele mesmo, Paulo, me comunicar que eu estava fora, incumbência esta que Paulo, sem maiores rodeios, realizou por telefone. Simplesmente, ligou-me e deu-me a notícia.

A carta é omissa quanto ao verdadeiro acontecimento.

A carta é omissa quanto ao verdadeiro acontecimento.

A equipe de profissionais que fora montada para essa nova fase do jornal, ao tomar ciência do fato, encheu-se de indignidade e preparou um manifesto que fez chegar à diretoria da Federação, tudo isso à minha revelia. E a equipe quase toda se demitiu, permanecendo, apenas, os dois profissionais contratados.

A nova fase do jornal durou, portanto, pouco mais de um ano. Alguns dias depois desses acontecimentos, Laurito fez chegar às minhas mãos uma correspondência oficial, por ele assinada, cujo texto é assaz intrigante: agradece, simplesmente, à minha colaboração durante aquele período, de forma que faz parecer que a minha saída fora decidida por mim mesmo, ou seja, de modo político não deixa transparecer a realidade dos fatos, coisa que, há de ser percebida, não corresponde à postura moral altiva que se espera de alguém que assume compromissos de tal ordem, seja de natureza doutrinária, seja de natureza moral.

O Semeador prosseguiu, embora, agora, com menos força e audiência. Ficou a experiência e a infraestrutura mínima, que no passado jamais existira.

Edson Queiroz – os conflitos da mediunidade de cura

Morto de forma trágica aos 41 anos de idade, Edson Cavalcanti de Queiroz foi um médium de cura pernambucano de projeção nacional sobre o qual, hoje em dia, pouco ou nada se fala. Algumas pessoas, ao saberem de minhas relações com ele à época em que atuava perguntam-me se ele era de fato médium. Jamais tive dúvida disso. Assisti a inúmeros feitos dele, dentro e fora do país, acompanhei-o em jornadas memoráveis, onde pude presenciar fenômenos mediúnicos pouco vistos.

cnot_5039

O médium Edson Queiroz operava sem anestesia e assepsia.

Conheci Edson Queiroz em Salvador, Bahia, durante o VIII Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas de 1982. Edson fora ao congresso por conta própria; desejava fazer-se conhecer. Na noite em que ele realizara uma sessão mediúnica, em ambiente fora do congresso, eu não estava presente por conta de outros compromissos. Mas minha equipe do jornal O Semeador e do Correio Fraterno do ABC compareceu. Lá estava, também, a Dra. Maria Julia Prieto Perez, então secretária da Associação Médico-Espírita de São Paulo. A deduzir dos relatos que recebi, o conflito que se estabelecera na ocasião entre a Dra. Maria Julia e o espírito do Dr. Fritz tomou proporções enormes e ultrapassou aquele evento.

Maria Julia Prieto Peres

A Dra. Maria Julia teve conflitos sérios com o espírito do Dr. Fritz.

Edson Queiroz prontificou-se a fazer alguns atendimentos cirúrgicos para os interessados, mas precisava de um local onde a sessão pudesse realizar-se com tranquilidade. Carlos Bernardo Loureiro ofereceu a sede do Teatro Espírita, um prédio ainda em construção e, portanto, sem condições higiênicas adequadas. Foram todos para lá. Quando o Dr. Fritz realizava uma das intervenções ouviu da Dra. Maria Julia críticas das quais não gostou. Questionava ela, entre outras coisas, por que o espírito realizava intervenções naquelas condições inadequadas, fazendo estardalhaço e agindo de forma desnecessária, inclusive com o uso de instrumentos cirúrgicos quando a espiritualidade poderia valer-se de tecnologias melhores. A certa altura, para confronta-la, o espírito pegou um sapato e fez cair poeira no local da incisão do paciente em atendimento, o que deixou a Dra. Maria Julia ainda mais contrariada. Dr. Fritz dizia que era para provar aos incrédulos que havia forças desconhecidas capazes de controlar a situação. O fato é que Edson Queiroz impressionou grande parte dos presentes.

Tomando ciência dos fatos, fui convencido pelos meus repórteres a fazer gestões junto à presidência da Federação no sentido de patrocinar a ida a São Paulo do médium, uma vez que ele próprio manifestou interesse em fazer-se conhecido para além do Nordeste brasileiro. A oportunidade surgiu quando Nazareno Tourinho viajou de São Paulo para o Rio de Janeiro, para depois seguir para Belém do Pará, sua terra natal. Ligou-me do Rio para dar uma notícia: falara com Edson Queiroz e este desejava ir a São Paulo e apresentar-se para um grande público. As datas: 31 de março e 1 de abril de 1983. Foi desta forma que o médium pernambucano começou sua projeção em nível nacional e a Federação Espírita de São Paulo, de forma corajosa e inusitada, abriu suas portas para um evento dessa natureza.

Quando foi anunciada a presença do novo Arigó dos espíritos em São Paulo, um número extraordinário de pessoas correu à Federação, formando uma fila calculada em cerca de mil pessoas. Quando começou a operar, o Dr. Fritz afirmava desejar que todos fossem atendidos, mas isso era humanamente impossível. Apenas dez por cento receberam autorização para entrar e, dentre estes, dez pacientes foram designados para voltar no dia seguinte.  Edson foi muito bem sucedido. Jorge Rizzini, que escreveu e filmou intervenções cirúrgicas do Dr. Fritz pelo médium Zé Arigó, tendo com estes uma convivência íntima de mais de dez anos, ficou bem impressionado e não teve dúvidas em afirmar tratar-se do mesmo espírito, com as mesmas formas de atuação que o caracterizaram no passado. Suas palavras foram: “não reconheci, apenas, as características psicológicas do Dr. Adolfo Fritz durante, inclusive, uma conversa íntima que tivemos. Reconheci-o, também, pela sua inimitável técnica operatória – técnica sui generis que ele empregava através de Zé Arigó e que hoje vem empregando através do médium e médico Edson Cavalcanti de Queiroz”.

Dentre as dez pessoas designadas para a sessão pública do dia seguinte, 1º de abril, estava Deolindo Amorim, a quem o Dr. Fritz atendeu reservadamente. Os demais foram operados pelo espírito diante uma grande plateia, de forma mais demorada que a comum porque o Dr. Fritz desejava – e o fez – explicar o procedimento e os objetivos de cada cirurgia. Tudo correu dentro dos planos traçados, sem intercorrências, na presença de dezenas de personalidades espíritas, tais como: João Batista Laurito, presidente da Federação, Américo de Souza Borges, presidente da Associação de Jornalistas e Escritores Espíritas, o professor Rino Curti, o escritor R. Ranieri, Hernani Guimarães Andrade, do Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas, e a médium Zíbia Gasparetto.

Mas uma crítica surpreendente apareceu na edição seguinte do jornal Folha Espírita, subscrita pelo radiologista e presidente da AME-SP, Antonio Ferreira Filho, na qual dizia que uma das pacientes sentiu dores imensas durante a cirurgia para retirada de um nódulo no seio, emitindo gritos e chegando a desmaiar pelo menos por duas vezes. Era estranho que somente ele tenha notado tais coisas; um auditório com tanta gente em torno da paciente não foi capaz de registrar uma única voz contrária sobre o mesmo fato, apenas os próceres da AME-SP. Estabeleceu-se uma verdadeira batalha, desde então. De um lado, os membros da AME-SP, acusando sempre que possível, o médium e, de outro, alguns defensores de Edson Queiroz. O jornal Correio Fraterno do ABC acabou constituindo-se na principal tribuna para defesa do médium pernambucano. Rizzini, com sua verve viril, publicou um artigo de página inteira, sob o título de “O bisturi do Dr. Fritz e a mentira”, onde não só acusava a AME-SP de desonestidade neste caso específico mas, também, em outras ocasiões, como em um relatório produzido por alguns de seus membros condenando Edson Queiroz, relatório este que foi entregue ao Dr. Oswaldo Gianotti Filho, ferrenho adversário do Espiritismo e que vinha combatendo o médium na TV. O artigo termina com a transcrição de uma declaração assinada por Márcia Ferreira, a paciente que fora operada do nódulo no seio, afirmando com todas as letras que não sentira dores, não desmaiara em nenhuma ocasião nem gritara, como havia sido publicado pelo presidente da AME-SP.

Diversos trabalhos foram ainda publicados em defesa de Edson. No Rio de Janeiro, Deolindo Amorim, falando em nome do Instituto de Cultura Espírita do Brasil, fez circular um vigoroso documento de apoio ao médium e publicou ainda, em seu próprio nome, artigo reforçando o trabalho de Edson; seguiram-no Carlos de Brito Imbassahy, Eduardo Simões, Aureliano Alves Neto, Eduardo Carvalho Monteiro e até Divaldo Pereira Franco se pronunciou.

Edson Queiroz atingiu seus objetivos: o interesse por ele cresceu e se expandiu a todo sul e sudeste do país. Ele nos pediu apoio e juntos, Rizzini, Nazareno Tourinho e eu resolvemos atende-lo, mas colocamos uma condição única e impostergável: em conversa reservada, explicamos-lhe que a mediunidade de cura, por suas repercussões, exercia uma grande atração sobre a sociedade e, em vista disso, as investidas para obtenção de benefícios e atenção particular, com ofertas de facilidades de toda espécie viriam de modo inevitável. Era, preciso, pois, que o médium se comprometesse a seguir um caminho de retidão de caráter, criando um escudo contra as solicitações e ofertas de toda espécie. Edson reconheceu as dificuldades que teria pela frente e assumiu o compromisso de manter-se merecedor da credibilidade.

Passamos a intermediar suas idas ao Estado de São Paulo, sempre oferecendo-lhe apoio e divulgação de suas atividades, ao mesmo tempo em que combatíamos os adversários dele instalados na AME-SP. Estes, contudo, continuaram exercendo críticas severas ao médium e ao espírito do Dr. Fritz, o que não constituía nenhuma novidade, pois, historicamente, alguns membros da comunidade médica espírita se colocaram contra a mediunidade de cura, como o fez o Dr. Ary Lex, um dos fundadores da AME-SP, em relação a Zé Arigó, fato este que levou Herculano Pires a colocar-se ao lado do conhecido médium mineiro e a defender suas atividades mediúnicas de modo firme.

Foi grande o estardalhaço devido ao posicionamento da AME-SP. Maria Julia Prieto Perez, Marlene Nobre e Antonio Ferreira Filho formavam um trio de combate ao médium pernambucano e aproveitavam todas as oportunidades para atacar Edson pela imprensa, sem, no entanto, possuir qualquer documentação segura para embasar sua posição.

Inúmeras tentativas de conciliação entre as partes foram feitas; Edson Queiroz chegou mesmo a concordar em realizar sessões mediúnicas exclusivamente voltadas à pesquisa científica coordenadas pela instituição médica, mas as condições draconianas colocadas pelos membros da AME-SP eram tais que impediram que os estudos se realizassem. De fato, era questão assente na AME-SP que tal tipo de mediunidade, nas características presentadas pelo espírito do Dr. Fritz, eram recusadas a priori e não havia, de fato, interesse em estuda-la. Existia um preconceito arraigado contra o uso de instrumentos cirúrgicos, como o bisturi, e da falta de anestesia e assepsia, fato este tido como uma afronta ao saber médico e, portanto, não aceito de modo algum. O mesmo se dera quando da eclosão da mediunidade de cura em Zé Arigó. Parece que o conflito estabelecido entre Dr. Fritz e Maria Julia, na sessão realizada em Salvador, estendeu-se a tudo o que dissesse respeito a Edson Queiroz.

Denúncias contra o médium chegaram ao Ministério Público em São Paulo e um inquérito foi aberto na polícia civil, inquérito este que contou com o testemunho contra Edson por parte de alguns membros da AME-SP, fato este extremamente grave em se tratando de um colega de profissão e companheiro espírita no exercício da caridade mediúnica. No Correio Fraterno do ABC denunciamos o fato mais de uma vez, mostrando como o orgulho humano não tem limites, cores ou controle moral. E com o apoio da editora do jornal, publicamos e distribuímos gratuitamente 5 mil exemplares do opúsculo intitulado “Médicos-Médiuns”, contendo um estudo feito a partir de reflexões de Allan Kardec sobre o assunto.

O livro de Nazareno Tourinho tem o prefácio de Hernani Guimarães Andrade.

O livro de Nazareno Tourinho tem o prefácio de Hernani Guimarães Andrade.

Nazareno Tourinho resolveu reunir com Edson Queiroz todo o material até então catalogado, referente a inúmeras intervenções cirúrgicas realizadas por ele em Pernambuco. Para isso, passou vários dias em Recife, em pesquisas, para então escrever o livro Edson Queiroz, o novo Arigó dos espíritos, publicado pelo Correio Fraterno do ABC, no qual incluímos um relato com imagens fotográficas das cirurgias realizadas por ele na Federação Espírita de São Paulo. O livro recebeu o prefácio do Dr. Hernani Guimarães Andrade. A primeira edição de 5 mil exemplares foi totalmente vendida, mas o livro apresenta uma curiosidade: tempos depois de lançado, apareceu em versão alemã, sem o que o seu autor, Nazareno Tourinho, tivesse conhecimento, fato que foi depois esclarecido: a autorização para sua versão para a língua de Goethe foi dada, inadvertidamente, pelo próprio médium.

Em 1984, Edson nos convidou, a mim, ao Rizzini e ao escritor R. Ranieri para acompanha-lo até Montevideo, onde iria realizar atividades mediúnicas a convite de um canal de TV local. Rizzini não pode ir e Ranieri não conseguiu embarcar por ter esquecido os documentos em casa. Devido ao regime militar vigente no Uruguai na ocasião, a sessão com Edson Queiroz teve de ser realizada a portas fechadas para apresentação aos telespectadores somente depois da partida da comitiva de volta ao Brasil. Sobre essa sessão, apresento um relato sumário em meu livro Os espíritos falam. Você ouve?

A procura por Edson Queiroz se tornou intensa e incontrolável. O médium quase não parava mais em Recife, onde clinicava como médico ginecologista em seu consultório particular. Começaram a aparecer denúncias esporádicas contra ele, acusando-o de receber dinheiro e presentes caros, algumas, inclusive, dizendo que ele estava cobrando pelos atendimentos mediúnicos. Edson era alvo de interesse da mídia, dando entrevistas para TVs, rádios e jornais com bastante assiduidade. De todas as classes sociais partiam solicitações para atendimentos, inclusive, em caráter particular, quando, então, Edson era hospedado em hotéis luxuosos e viajava, não raro, em aviões particulares. Houve o caso de um dos mais ricos empresários do país que, certa ocasião, mandou ligar para Edson em Recife, avisando que o seu avião já estava a caminho da capital pernambucana, a fim de leva-lo a São Paulo para atender sua esposa doente. O aviso estava acompanhado de outro: que ele não se preocupasse, pois o que deixasse de receber por não atender aos seus pacientes no consultório particular seria ressarcido com sobras.

Quando esse tipo de denúncia nos chegavam em São Paulo, um amigo particular me procurou com o insistente pedido para que programássemos a ida de Edson Queiroz à cidade de Registro, no Vale do Ribeira, onde uma grande quantidade de pessoas extremamente pobres ansiava pela presença do Dr. Fritz. Edson aceitou o convite e na data marcada fui com Rizzini ao Aeroporto de Congonhas para recebe-lo e transportá-lo em meu carro particular ao local marcado. No trajeto de quase três horas, expusemos a Edson sobre as denúncias que estávamos recebendo, algumas delas vindas de fontes seguras, dignas de crédito. Relembramos o compromisso por ele assumido conosco, em que esse tipo de comportamento não seria tolerado, sob pena de nos afastarmos, retirando o apoio dado. Edson a tudo ouviu silenciosamente e disse, constrangido, que não poderia negar ter fraquejado diante de algumas ofertas, mas não iria – afirmou, com convicção – deixar-se levar mais pelo canto da sereia.

 Edson continuou com suas atividades intensas, viajando pelo país de norte a sul. As denúncias acusando-o de cobrar pelas cirurgias mediúnicas prosseguiram. Não era mais possível prosseguir com o apoio. Reuni-me com Rizzini e Nazareno Tourinho e decidimos comunicar ao Edson e aos espíritas o nosso afastamento do médium. Nazareno Tourinho redigiu a nota, que foi assinada por nós três e publicada no Correio Fraterno do ABC. Ei-la.

Comunicado red“Comunicado sobre o médium Edson Queiroz. A fidelidade aos princípios filosóficos codificados por Allan Kardec, e o elementar critério de honestidade que a prática do jornalismo doutrinário nos impõe, colocam-nos na penosa obrigação de divulgar a presente nota informando aos companheiros de ideal espírita, e a quem mais interessar possa, o imperioso rompimento de nossa ligação com o médium Edson Cavalcanti de Queiroz, a quem defendemos de numerosos ataques até a algum tempo atrás injustos.

“Como sempre fomos contra o exercício da mediunidade em proveito próprio, ou, falando mais claro, em troca de dinheiro direta ou indiretamente, estaríamos bem à vontade para citar os motivos e os fatos que nos levaram a assim proceder, inclusive esclarecendo como, porque, quando e onde advertimos o médium sobre nossa discordância do seu comportamento, recebendo dele a promessa de mudança infelizmente não cumprida. Cremos, porém, ser melhor encerrar sem outras palavras este triste assunto, entregando-o à sábia e soberana Justiça Divina, com a consciência em paz pelo dever cumprido e o coração confortado pela certeza de que a causa do Espiritismo estará sempre acima das fraquezas e paixões humanas. Em 06 de agosto de 1986. Assinado: Wilson Garcia, Jorge Rizzini e Nazareno Tourinho”.

A partir desse comunicado, deixamos de intermediar a os convites a Edson Queiroz, não mais assistimos às suas apresentações e não tivemos nenhum outro contato pessoal com ele. Em outubro de 1991, estava eu na tribuna da Casa do Caminho, em Juiz de Fora, Minas Gerais, fazendo uma palestra em comemoração ao nascimento de Allan Kardec quando recebi um bilhete comunicando-me que, naquele exato momento, emissoras de rádio davam a notícia do assassinato de Edson Queiroz, em Recife, por um vigilante que havia sido empregado dele. Comunicamos o fato à plateia de quase 500 pessoas e fizemos um breve relato das admiráveis curas que presenciamos nas atividades mediúnicas de Edson Queiroz sob o comando do espírito Dr. Fritz. Um longo silêncio se fez presente, mas ao final da palestra alguns ouvintes, curiosos, desejavam saber do futuro espiritual do médium, morto em circunstâncias tão trágicas. Qualquer tentativa de descrever esse futuro seria atrevida e ousada especulação, pois não cabe a nós, pobres mortais no corpo físico, estabelecer julgamentos dessa ordem.

Última carta de Deolindo Amorim

deolindo1O admirável escritor e jornalista, além de excelente orador, Deolindo Amorim, é figura marcante do espiritismo nacional desde 1939, quando idealizou o primeiro dos inúmeros congressos espíritas que se realizaram no Brasil posteriormente. Foi um congresso marcante por seus objetivos visíveis mas, também, porque inaugurou a era dos debates da temática espírita porta a fora das instituições oficiais, dando voz e vez a todos os espíritas. Infelizmente, esse tipo de evento escasseou – poucos são hoje realizados dentro das mesmas características de liberdade de pensamento e expressão – substituídos que foram por congressos oficiais ou eventos de porte com cartas marcadas e muitos desses mais parecendo um espetáculo de luzes, cores e comércio onde nenhum interesse existe em contribuir para a construção do saber espírita.

Os congressos espíritas da atualidade são marcados pelo ferrenho controle dos que terão voz e do que estes não falarão, seja para atender ao temor das falas fora do cardápio oficial, que podem colocar em perigo as ideologias controladoras do movimento espírita brasileiro, seja, também, para atender aos interesses mercadológicos que presidem grande parte dos eventos de massa, que visam muito mais entregar a tribuna para aqueles que garantem audiências através de posturas exibicionistas, tão criticadas por Herculano Pires. Que ironia!

A generosidade de Deolindo Amorim se equiparava à sua percepção da liberdade como elemento primordial da evolução humana. De 1974, quando travamos nosso primeiro contato epistolar, até 1984, quando de sua desencarnação, deixou ele registrados inúmero momentos de grande sensibilidade espiritual. Sua presença nos congressos espíritas era a garantia de uma voz lúcida, respeitada, pelos direitos de pensamento e expressão para todos, numa postura alteritária admirável pela exemplificação.

O jornal Correio Fraterno do ABC, desde 1976, empreendeu uma grande batalha contra os desvios doutrinários e os desmandos de lideranças espíritas pouco afeitas ao comportamento democrático. Adotou uma linha editorial aberta num tempo em que a autoridade militar disseminava autoritarismo e reduzia drasticamente os espaços das discussões em todos os setores da vida nacional. Por isso, Correio Fraterno do ABC tornou-se visado e seus integrantes não aceitos em diversas áreas do movimento. Deolindo teve participação decisiva no que tange à proteção dos direitos de todos nós, sem precisar levantar a voz, sem necessitar de palavras agressivas ou gestos violentos. Era ele afetivamente viril, presente, cordial – acredito que sequer media as consequências de seus atos junto aqueles que o admiravam, mas não compreendiam os seus gestos em defesa da união e do respeito ao outro.

Um exemplo disso foi marcante. O Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas, de 1979, se desenvolvia na sede da União das Sociedades Espíritas do Estado do Rio de Janeiro quando chegamos. Deolindo percebeu nossa entrada e o clima não tanto ameno em relação a nós e, sem que se percebesse, desceu do palco e veio ao nosso encontro, abraçando-nos e nos levando a cumprimentar diversos companheiros menos afetivos. Naquele mesmo momento, na plateia, a turma de Santos, pela voz firme de Jaci Regis, debatia aspectos críticos do espiritismo nacional, ante uma audiência hostil e pouco disposta a ouvir. Menos Deolindo, que mantinha em qualquer ocasião o respeito às ideias alheias e defendia o direito de expressá-las. O espaço público espírita com Deolindo era um, sem ele, outro. Quando sua voz aparecia nas tribunas ou nas colunas dos jornais, o silêncio e a atenção eram imediatos e não se derretiam mesmo diante de eventuais vozes contrárias. Deolindo impunha-se naturalmente, pelos pensamentos e pela forma viril e afetiva com que, pleno de entusiasmo, explicava e defendia a Doutrina Espírita.

Em abril 1982, Deolindo já manifestava os sinais da doença, mas ainda estava firme no Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas em sua terra natal, a Bahia. Foi lá que conheceu Edson Queiroz, o novo médium de Arigó, mas não consta que tenha tido contato ou assistência dele quanto à sua saúde. Mas, quando o levamos a São Paulo pela primeira vez, no ano seguinte, Deolindo deslocou-se do Rio de Janeiro e foi à Federação Espírita na esperança de obter alguma atenção. Que de fato ocorreu. Quando foi necessário, Deolindo saiu espontaneamente em defesa de Edson Queiroz diante de uma campanha dentro do próprio movimento espírita para desacreditar sua mediunidade de cura.

Última cartaEm 10 de abril de 1984, exatos 14 dias antes de sua desencarnação, Deolindo respondeu-me a uma carta, a última que recebi dele. Depois de inúmeras manifestações de consideração para comigo, em momentos cruciais ou não, já bastante alquebrado pela doença, ainda assim Deolindo assumia sua escrivaninha e, ele mesmo, dedilhava palavras atenciosas. Publico-as na condição de um documento a que dou muito valor afetivo, na convicção do dever de reparti-lo. Eis a carta.

“Prezado confrade. Como V. já sabe, estou afastado de tudo, por causa da doença, mas não sei me “render”. Por isso, escrevo muito pouco, quando sinto alguma disposição para a máquina, mas não deixo definitivamente, pelo menos, de mandar algum artigo de colaboração para as publicações a que estou ligado. Aqui vai, por exemplo, uma crônica para o “Suplemento Literário” do Correio Fraterno do ABC, sobre o trovador Aparício Fernandes, que conheço pessoalmente e a quem voto muita admiração. Mas, na realidade, meu confrade, estou produzindo muito pouco… O médico, aliás, já me disse que a recuperação vai ser lenta. Paciência. Pedi até licença no Instituto de Cultura Espírita do Brasil, porque não estou podendo comparecer; o General Milton O´Reilly de Sousa, na qualidade de vice-presidente, assumiu a direção nesses três meses.

Com referência ao que estou lendo sobre Léon Denis, meu Patrono na antiga Sociedade Brasileira de Filosofia, lembro-me de ter mandado a V.  um folheto meu, no qual justifico a escolha de Denis para uma das cadeiras simbólicas naquele cenáculo. Com a reforma porque passou a Sociedade, criaram-se os patronos dos titulares e cada qual ficou livre para “tirar” o patrono em sua própria corrente filosófica. Preferi então Léon Denis e, por isso, lá me perguntaram:  e Léon Denis é filósofo? … Pois o folheto, intitulado “O pensamento filosófico de Léon Denis” é a resposta. Já dei, há tempos, uma entrevista ao SEI justamente sobre este assunto. Mas já estou cansado, vou parar por aqui mesmo. Com um abraço, Deolindo Amorim. P.S. Muito oportuno o artigo do confrade Hélio Rossi sobre “Espiritismo laico”.