Mês: julho 2017

A voz que escancara e o silêncio que amordaça

O mais novo episódio envolvendo a Federação Espírita Brasileira é A Carta Aberta à FEB, comentada em publicação de 13 de junho de 2017 por Jorge Hessen e amigos, em que acusam a velha instituição de um novo pecado ético, ou seja, usar a Ética a seu modo para prosseguir nos ajustes institucionais que garantam a retomada pelos roustainguistas do comando da federativa. Os autores cobram explicações sobre assembleia realizada dias antes, quase na surdina, à socapa, para eleger os membros da Conselho Superior e promover mudanças estatutárias, sem obedecer a normalidade dos preceitos estabelecidos, com objetivos escusos como os de expurgar membros sem que eles próprios tomassem conhecimento senão após os atos da assembleia.

Estamos diante de um escândalo, mais um. Em situações como essa, costuma-se fechar em copas, estabelecer o silêncio com o fim de pôr uma pá de cal sobre o assunto, de deixar o tempo passar e o assunto cair no esquecimento. Mas também de escapar do dever de oferecer explicações convincentes para o ato.

O pensamento que está na base deste tipo de comportamento é mais ou menos assim: para atender os “desígnios superiores”, tudo é permitido, ou seja, por um bem maior todo mal menor será perdoado. É o velho chavão dos fins que justificam os meios.

A Feb deve explicações públicas para os atos públicos que toma, mas também para muitas coisas que decide e defende e que tocam nos destinos do movimento espírita. A Feb, contudo, como instituição do tipo autoritário, não vê necessidade de esclarecer sobre seus atos, talvez porque entende que deve explicações apenas aos espíritos que lhe “comunicaram” a missão de conduzir o rebanho.

Esclarecer e informar é sinal de fraqueza para aqueles que velam pelo trono de Ismael, que se dizem herdeiros de um mandato superior e colocam-se, dessa forma, acima dos juízos humanos. Tornaram-se, pois, sentinelas do templo e vivem preocupados com os possíveis usurpadores de uma luz que não é brilhante o bastante para clarear os subterrâneos da consciência.

Por seu turno, as Federativas estaduais, mesmo quando acuadas diante de situações semelhantes e sofrer visíveis prejuízos, preferem respeitar o silêncio obsequioso de sua líder, sob o falso entendimento de que qualquer ação mais incisiva na defesa de seus direitos vai gerar instabilidade e desunião. E pensar que a estabilidade existente se assenta sobre a ética que atende a ótica dos interesses particulares, mesquinhos, a gerar uma união de papel.

Em tempos de cobrança social pela transparência na administração pública, a Feb é o exemplo mais bem-acabado de uma opacidade estarrecedora enquanto instituição de um movimento cuja doutrina defende a ética da imortalidade. Talvez tenha razão Roustaing ao anunciar na sua obscura obra que a Igreja Católica retomará no futuro o comando dos destinos humanos, a julgar pelos apelos e pelas declarações dadas pelo seu principal mandatário, o Papa Francisco, incisivas, corajosas, capazes de fazer corar aqueles que são portadores de uma doutrina mais avançada e por isso deveriam encabeçar a lista dos homens comprometidos com o bem comum.

Espiritismo livre só para homens livres. O resto é mordaça.

A voz que escancara e o silêncio que amordaça

O mais novo episódio envolvendo a Federação Espírita Brasileira é A Carta Aberta à FEB, comentada em publicação de 13 de junho último por Jorge Hessen e amigos, em que acusam a velha instituição de um novo pecado ético, ou seja, usar a Ética a seu modo para prosseguir nos ajustes institucionais que garantam a retomada pelos roustainguistas do comando da federativa. Os autores cobram explicações sobre assembleia realizada dias antes, quase na surdina, à socapa, para eleger os membros da Conselho Superior e promover mudanças estatutárias, sem obedecer a normalidade dos preceitos estabelecidos, com objetivos escusos como os de expurgar membros sem que eles próprios tomassem conhecimento senão após os atos da assembleia.

Estamos diante de um escândalo, mais um. Em situações como essa, costuma-se fechar em copas, estabelecer o silêncio com o fim de pôr uma pá de cal sobre o assunto, de deixar o tempo passar e o assunto cair no esquecimento. Mas também de escapar do dever de oferecer explicações convincentes para o ato.

O pensamento que está na base deste tipo de comportamento é mais ou menos assim: para atender os “desígnios superiores”, tudo é permitido, ou seja, por um bem maior todo mal menor será perdoado. É o velho chavão dos fins que justificam os meios.

A Feb deve explicações públicas para os atos públicos que toma, mas também para muitas coisas que decide e defende e que tocam nos destinos do movimento espírita. A Feb, contudo, como instituição do tipo autoritário, não vê necessidade de esclarecer sobre seus atos, talvez porque entende que deve explicações apenas aos espíritos que lhe “comunicaram” a missão de conduzir o rebanho.

Esclarecer e informar é sinal de fraqueza para aqueles que velam pelo trono de Ismael, que se dizem herdeiros de um mandato superior e colocam-se, dessa forma, acima dos juízos humanos. Tornaram-se, pois, sentinelas do templo e vivem preocupados com os possíveis usurpadores de uma luz que não é brilhante o bastante para clarear os subterrâneos da consciência.

Por seu turno, as Federativas estaduais, mesmo quando acuadas diante de situações semelhantes e sofrer visíveis prejuízos, preferem respeitar o silêncio obsequioso de sua líder, sob o falso entendimento de que qualquer ação mais incisiva na defesa de seus direitos vai gerar instabilidade e desunião. E pensar que a estabilidade existente se assenta sobre a ética que atende a ótica dos interesses particulares, mesquinhos, a gerar uma união de papel.

Em tempos de cobrança social pela transparência na administração pública, a Feb é o exemplo mais bem-acabado de uma opacidade estarrecedora enquanto instituição de um movimento cuja doutrina defende a ética da imortalidade. Talvez tenha razão Roustaing ao anunciar na sua obscura obra que a Igreja Católica retomará no futuro o comando dos destinos humanos, a julgar pelos apelos e pelas declarações dadas pelo seu principal mandatário, o Papa Francisco, incisivas, corajosas, capazes de fazer corar aqueles que são portadores de uma doutrina mais avançada e por isso deveriam encabeçar a lista dos homens comprometidos com o bem comum.

Espiritismo livre só para homens livres. O resto é mordaça.